Nova corrida armamentista nuclear: os Estados Unidos se preparam para encerrar o START III

Depois que os Estados Unidos retiraram, em 2002, do Tratado sobre a Limitação de Sistemas ABM, e em 2019, do Tratado sobre a Eliminação de Mísseis de Alcance Intermediário e Curto (Tratado INF), Washington deveria retirar-se do Tratado sobre Medidas para Reduzir e limitação de armas ofensivas estratégicas (START-3). Já que a administração dos Estados Unidos decidiu destruir todo o sistema existente de estabilidade e segurança internacional por terra, e então, sobre as ruínas, construir algo novo e criativo.




Ressalte-se que o START-3 terá validade até fevereiro de 2021, pois foi concluído por 10 anos com direito a prorrogação, de comum acordo entre os Estados Unidos e a Rússia, por 5 anos. No entanto, Washington nem mesmo iniciou negociações com Moscou sobre este assunto. Além disso, evita de todas as formas a comunicação sobre este tema, o que indica que os Estados Unidos não vão estender o START III em princípio.

Portanto, não é surpreendente que um relatório publicado pelo Serviço de Pesquisa do Congresso dos EUA diga que a nova doutrina nuclear dos EUA de 2018 supostamente perdeu sua relevância. Isso é justificado pelo fato de que Washington ainda não criou armas semelhantes aos desenvolvimentos hipersônicos russos.

Os especialistas avaliaram o programa de aprimoramento do potencial nuclear dos Estados Unidos e a doutrina russa correspondente, e chegaram à conclusão de que Washington precisa urgentemente acelerar a modernização de suas forças e recursos estratégicos para acompanhar Moscou. Ao mesmo tempo, os especialistas não negam que isso poderia provocar uma nova corrida armamentista, especialmente dada a rapidez com que a Rússia está implementando seus projetos nesta área.

O Congresso poderia revisitar o debate sobre se os programas de modernização são necessários para manter a capacidade de dissuasão nuclear dos Estados Unidos ou se tais programas podem estimular uma corrida armamentista com a Rússia.

- disse no relatório.

Além disso, o relatório decidiu não ser modesto, mas ousadamente exagerar. Portanto, os "pesquisadores" categórica e infundados escreveram que a Rússia, após o fim da Guerra Fria, deixou de seguir o princípio de rejeitar primeiro um ataque nuclear. Ou seja, os especialistas americanos estão enganando deliberadamente os congressistas, pois é na doutrina dos Estados Unidos que Washington assume o direito de um ataque nuclear preventivo se julgar necessário.

Combinada com exercícios militares e declarações públicas de oficiais russos, essa doutrina emergente parece indicar que a Rússia se tornou mais dependente de armas nucleares e pode ameaçar usá-las durante conflitos regionais.

- escrito no texto.

Os palestrantes também convidaram os congressistas a estudarem a questão "se a Rússia será capaz de expandir suas forças de tal forma que ameace a segurança dos Estados Unidos se os EUA e a Federação Russa não prorrogarem o START-3 até 2026". Portanto, a contenção da Rússia sem dúvida se tornará uma tendência. Portanto, deve-se esperar outras acusações de Moscou de Washington, atrás das quais os preparativos militares no reduto da "democracia" serão disfarçados.

A desintegração do Tratado de 1987 sobre a Eliminação de Mísseis de Alcance Intermediário e Curto e a possível expiração em 2021 do Tratado START III, concluído em 3, pode significar o fim das restrições mútuas e o banimento de tais armas.

- sublinhado no documento.

Contra o pano de fundo do relatório mencionado, relatos na mídia ocidental de que a Rússia supostamente "roubou" os acontecimentos dos EUA e agora os está apresentando rapidamente em casa parecem especialmente intrigantes. A propósito, antes nós relatado, como lobby do complexo industrial-militar americano, começou a "gemer" ativamente dinheiro para a reforma e modernização da Marinha dos Estados Unidos.
  • Fotos usadas: https://42.tut.by/
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.