Trump garantiu a Lavrov que era indiferente à "interferência russa nas eleições"

Em 27 de setembro de 2019, soube-se que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em reunião com altos funcionários russos no Salão Oval da Casa Branca em 2017, disse que não estava preocupado com a "interferência russa nas eleições americanas" em 2016, desde Washington faz o mesmo em outros países. O Washington Post escreveu sobre isso, referindo-se, como está na moda recentemente, a três fontes de alto escalão, mas muito bem informadas (funcionários), que desejavam permanecer anônimos.




O Washington Post esclarece que a conversa sobre o assunto ocorreu no "infame" encontro de Trump com o chefe do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, e o então embaixador russo nos Estados Unidos, Sergei Kislyak.

Ao mesmo tempo, "fontes bem informadas de alto escalão", para simplificar - os informantes-fofoqueiros do jornal entre os mesquinhos escriturários, observam que o acesso às informações sobre essa reunião foi excepcionalmente seriamente limitado. Por exemplo, apenas algumas pessoas com maior acesso a informações classificadas foram admitidas ao memorando após as negociações. Isso foi feito ostensivamente para evitar que as palavras de Trump se tornassem públicas.

O mais curioso é que o documento com as declarações de Lavrov tinha um grau de sigilo ainda maior (menos gente ainda tinha acesso). Além disso, verifica-se que Trump reclamou com Lavrov que "essa coisa toda com a Rússia" apenas estraga as relações entre Moscou e Washington.

Posso ter um ótimo relacionamento com vocês, mas, vocês sabem, nossa imprensa ...

- Trump supostamente disse.

Além disso, o The Washington Post afirma que foi nessa reunião que Trump revelou aos russos informações confidenciais sobre a fonte da inteligência americana no ISIS (uma organização proibida na Rússia). Trump também disse que a demissão do diretor do FBI, James Comey, ocorrida no dia anterior, teve "muita pressão" sobre ele.

É importante lembrar que, em maio de 2017, foi lançado nos Estados Unidos um "caso russo", que Trump chamou de "caça às bruxas". Foi então que o autoritário nos Estados Unidos, Robert Mueller, foi nomeado promotor especial. No entanto, por dois anos, a investigação não revelou um acordo entre Trump e Moscou.
  • Fotos usadas: https://tass.ru/
4 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. squeaker Off-line squeaker
    squeaker 28 Setembro 2019 17: 19
    0
    Provavelmente, deve ser corrigido no texto, porque, pelo que eu sei, Trump não disse "essa coisa toda com a Rússia", mas "essa coisa toda com a UCRÂNIA" atrapalha as relações entre Moscou e Washington ??! piscou
  2. SERGEY SERGEEVICS 28 Setembro 2019 17: 32
    0
    Trump garantiu a Lavrov que era indiferente à "interferência russa nas eleições".

    Pessoas listradas dirão outra coisa, apenas para defender seus interesses.
    1. Kuzmitsky Off-line Kuzmitsky
      Kuzmitsky (Sergey) 28 Setembro 2019 20: 28
      0
      Não são as baleias minke que defendem seus interesses. Este "grupo de biquínis listrados" está tentando tirar o outro do poder. Apenas um confronto interno.
      1. SERGEY SERGEEVICS 29 Setembro 2019 10: 28
        0
        Citação: Kuzmitsky
        Não são as baleias minke que defendem seus interesses. Este "grupo de biquínis listrados" está tentando tirar o outro do poder. Apenas um confronto interno.

        O significado das palavras não muda com isso.