Putin pediu às potências nucleares que eliminem a ameaça de guerra nuclear


Em 15 de janeiro de 2020, o líder russo Vladimir Putin, durante seu discurso anual na Assembleia Federal da Federação Russa, apelou ao clube das potências nucleares do planeta (membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU: Estados Unidos, Rússia, França, Grã-Bretanha e China) com um apelo para começar a eliminar a ameaça de uma ( guerra nuclear.


Putin chamou a atenção para o fato de que os eventos no mundo estão se desenvolvendo de forma imprevisível, tendo especificado que os conflitos regionais podem rapidamente se transformar em uma ameaça para toda a comunidade internacional. Portanto, uma discussão séria dos princípios de uma ordem mundial estável já está madura.

As cinco nações devem, em primeiro lugar, começar com medidas para eliminar os pré-requisitos para uma guerra global, desenvolver abordagens renovadas para garantir a estabilidade no planeta, que levem plenamente em conta político, econômico, aspectos militares das relações internacionais modernas

- disse Putin.

Putin está convencido de que os países com capacidade nuclear precisam mostrar vontade política e coragem. Afinal, são esses estados os responsáveis ​​pelo desenvolvimento de toda a humanidade e pela preservação da paz no planeta.


Deve-se acrescentar que, de acordo com uma declaração do vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, a questão da realização de uma reunião de uma comissão conjunta sobre o acordo nuclear iraniano ainda não foi resolvida.

Acreditamos que não há razão para lançar um mecanismo de resolução de disputas. Estamos claramente falando sobre isso com os "três europeus" (Grã-Bretanha, França, Alemanha - ed.) Por meio de canais fechados, dissemos isso publicamente

- explicou Ryabkov.

Deve-se notar que a troika europeia anunciou a criação de um mecanismo de resolução de disputas no âmbito de um acordo com o Irã em 14 de janeiro de 2020. Ao mesmo tempo, os chefes das agências de relações exteriores da "troika européia" indicaram em uma declaração conjunta que o Irã não lhes havia deixado outra escolha ao se recusar a cumprir parte das obrigações decorrentes do acordo nuclear. Eles se recusaram a aceitar os argumentos de Teerã sobre seu direito de cumprir obrigações em menor extensão do que o previsto no acordo nuclear e acusaram as autoridades iranianas de relutância em resolver questões que os preocupam.
  • Fotos usadas: http://kremlin.ru/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.