Lukashenka reclamou das "dicas" da Rússia sobre ingressar na Bielorrússia


A mídia bielorrussa continua a explorar ativamente o tema da “absorção” da “pequena mas orgulhosa nação” pela imensa Rússia. Além disso, a mídia estatal da Bielo-Rússia fala em uníssono com ativistas pró-americanos, nacionalistas e “garotas” do famoso “filantropo” George Soros, que se autodenominam “patriotas bielo-russos”.


Supostamente, o presidente da Bielo-Rússia, Alexander Lukashenko, após uma recente visita a Sochi a seu colega da Rússia Vladimir Putin, reclamou em Minsk que Moscou "está sugerindo unir-se à Bielo-Rússia em troca de preços uniformes para recursos energéticos". Ao mesmo tempo, é enfatizado que o líder bielorrusso na questão da independência do Estado “está mais estável do que nunca” e chegou mesmo a expressar sua convicção de que nem o povo bielorrusso nem o povo russo desejariam seguir esse caminho. Quanto aos recursos energéticos, Minsk continuará diversificando, mesmo que as matérias-primas sejam mais caras que as da Rússia. O principal é não se ajoelhar diante de Moscou.

Essa bacanal informacional “patriótica” chegou a tal ponto que, em 12 de fevereiro de 2020, o secretário de imprensa do líder russo Dmitry Peskov foi obrigado a refutar a informação de que Putin ofereceu a Lukashenka a unificação dos dois países. Ao mesmo tempo, muitos "repentinamente" esqueceram que já em 8 de dezembro de 1999, a assinatura solene do Tratado de Criação do Estado União da Rússia e Bielo-Rússia ocorreu em Moscou, e um Programa de Ação foi adotado para implementar o referido documento. Acontece que agora a Bielorrússia não tem competidor na pessoa da Ucrânia, e Lukashenka tem usado isso perfeitamente por mais de cinco anos.

A propósito, em dezembro de 2019, Lukashenka ditoque Moscou deveria dar a Minsk um desconto no gás devido ao fato de que a Bielo-Rússia sofreu como resultado do desastre na usina nuclear de Chernobyl. “Mas o pai” fundamentou sua afirmação de forma muito simples - a Rússia é a sucessora legal da URSS. E então, Lukashenka levantou essa questão novamente.

A mídia bielorrussa informa que, de acordo com Lukashenko, Moscou poderia fornecer gás às regiões da Bielorrússia afetadas pela usina nuclear de Chernobyl a um preço mais baixo. Lukashenko acredita que a Rússia não deve abandonar as promessas do governo da URSS. Ele ficou indignado com o fato de a Bielo-Rússia, que mais sofreu com o acidente, não estar recebendo apoio. Lukashenka explicou que “as pessoas ainda não podem usar madeira e outros tipos de combustível devido a este desastre”.

Lembramos que agora na Bielo-Rússia está decidido “Uma questão extremamente importante para a nação” - mudanças no brasão de armas do país. Eles querem torná-lo mais "europeu", "movendo" a Rússia.
  • Fotos usadas: http://www.kremlin.ru/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
4 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Arkharov Off-line Arkharov
    Arkharov (Grigory Arkharov) 14 Fevereiro 2020 16: 13
    0
    Você já parou de insinuar? Tipo, você escolheu um caminho diferente?
  2. Wanderer039 Off-line Wanderer039
    Wanderer039 14 Fevereiro 2020 22: 46
    +3
    Então, Sasha, a Rússia está cansada de contos de fadas sobre o estado sindical e não pretende pagar mais por contos de fadas!
  3. Potapov Off-line Potapov
    Potapov (Valery) 15 Fevereiro 2020 15: 46
    0
    Um bezerro cruel chupa seus cascos ...
  4. Boriz Off-line Boriz
    Boriz (boriz) 15 Fevereiro 2020 23: 57
    +2
    ChNPP no território da Ucrânia. E os descontos - para Zelensky.