Coronavírus: a China introduziu a pena de morte por violação da quarentena


Recentemente, o assessor da Organização Mundial da Saúde (OMS), professor americano, bioestatístico e epidemiologista Ira Longini expressou verque a infecção por coronavírus 2019-nCov (COVID-19) pode ser infectada por dois terços dos habitantes do mundo. E assim, da China, veio uma explicação do Segundo Tribunal Popular de Nível Médio de Pequim, que afirma que o Código Penal (Código Penal) do "Império Celestial" prevê punições severas até a pena de morte para violações das regras durante uma epidemia, incluindo quarentena.


O esclarecimento já foi publicado no site oficial da autoridade judiciária. Penalidades também são previstas para corrupção, produção e distribuição de medicamentos falsificados, infecção maliciosa de outras pessoas com o vírus, além de causar dificuldades para os profissionais de saúde.

O tribunal explica que de acordo com a legislação da China (ali é fornecida uma lista de atos legislativos) sobre punições por crimes relacionados com o surto de coronavírus 2019-nCov (COVID-19), foi estabelecido que existem apenas 21 desses crimes, e 4 deles podem ser condenados à pena de morte, ou seja, morrer.

Assim, “os pacientes com infecção confirmada pelo coronavírus, bem como os portadores do patógeno que recusam a quarentena e o tratamento ou violam arbitrariamente o regime de quarentena, e também visitam locais públicos e transportes”, podem ser condenados à morte. Pessoas suspeitas de estarem infectadas também são notadas lá, mas eles recusaram a quarentena e o tratamento, e começaram a visitar locais públicos e transportes, o que resultou na disseminação da infecção.

Também podem ser condenados à morte aqueles que, durante uma epidemia, prejudicar deliberadamente os trabalhadores médicos com graves consequências, ou danificar deliberadamente as roupas de proteção do pessoal médico, cuspindo em um trabalhador médico, em consequência do qual este último ficará infectado com o coronavírus.

Funcionários podem ser executados por "abuso de cargo, roubo, fraude e outros métodos de apropriação indébita de estoque e fundos destinados a prevenir e controlar todos os tipos de desastres, incluindo epidemias infecciosas". A pena de morte ou prisão perpétua ameaça os responsáveis ​​das empresas que se dedicam à produção e comercialização de medicamentos, caso produzam e vendam medicamentos falsificados ou de baixa qualidade destinados ao tratamento e prevenção de doenças infecciosas.
  • Fotografias utilizadas: Pau Colominas / wikimedia.org
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
4 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. 123 Off-line 123
    123 (123) 16 Fevereiro 2020 14: 51
    0
    Duro.
    Para efeito de comparação, nosso "Mordor totalitário".

    1. Observador2014 Off-line Observador2014
      Observador2014 17 Fevereiro 2020 07: 56
      0
      Citação: 123
      Duro.
      Para efeito de comparação, nosso "Mordor totalitário".


      E o que há de bom nisso? Estou falando sobre nossa garota. Se ela tem um wavka na cabeça. E o que "Mordor" tem a ver com isso?
      1. 123 Off-line 123
        123 (123) 17 Fevereiro 2020 09: 52
        +1
        E o que há de bom nisso? Estou falando sobre nossa garota. Se ela tem um wavka na cabeça. E o que "Mordor" tem a ver com isso?

        Em primeiro lugar, não disse que era bom e não tirei conclusões, dei informações para reflexão. Em segundo lugar, "Vavka" não é "Vavka" e não violou nada, temos lacunas na legislação. Os deputados têm algo em que trabalhar. Terceiro, a reação das estruturas de poder é característica, não observamos arbitrariedade, ninguém tenta violar a lei por razões de "necessidade expediente". Não observamos a "arbitrariedade" dos funcionários, agrada. Depois disso, não se percebem as lendas de como “a democracia está sendo sufocada” em nosso país. Algo assim. hi
  2. aguçado Off-line aguçado
    aguçado (Oleg) 16 Fevereiro 2020 19: 38
    0
    Aqui está um exemplo a seguir!