Os sauditas estão prontos para se retirar da união do petróleo com a Federação Russa


Foi recentemente previsto queda dos preços do petróleo no mundo e contoucomo a Arábia Saudita exigiu da OPEP + para cortar a produção de petróleo devido à infecção por coronavírus 2019-nCov (COVID-19). E assim, a mídia ocidental informa, referindo-se às suas fontes de informação, que Riade já pensou em se retirar do acordo com Moscou sobre a produção de petróleo.


Deve-se notar que atualmente não se sabe se essas informações são empanturrantes ou refletem a realidade. No entanto, o americano The Wall Street Journal (WSJ) e seus parceiros de mídia ao redor do mundo argumentam que a Arábia Saudita quer se retirar dos acordos previamente firmados devido a uma redução na demanda de petróleo no mundo. Ao mesmo tempo, por algum motivo, as fontes mencionadas silenciam que o declínio na demanda é de curto prazo e certamente se recuperará após a superação da epidemia na China (o maior consumidor de petróleo do mundo, onde uma diminuição na demanda foi de fato observada devido à suspensão de indústrias inteiras).

Mas as fontes esclarecem que representantes da Arábia Saudita, Kuwait e Emirados Árabes Unidos vão discutir a possibilidade de reduzir a produção de petróleo em mais 300 mil barris por dia. Ressalta-se que esta iniciativa será realizada sem coordenação com a Rússia e outros países da OPEP +.

Ao mesmo tempo, um funcionário não identificado da OPEP disse TASSque os dados do WSJ são "um disparate completo". Além disso, outro informante da TASS do cartel acrescentou que "hoje tudo é o mesmo de antes", não se fala em redução da produção de petróleo ainda. O terceiro representante da OPEP explicou que os países do cartel "provavelmente não apoiarão (aprovarão) tal decisão", ou seja, eles são contra o declínio da produção de petróleo.

Acrescente-se que o Ocidente vem tentando perturbar as relações dentro da OPEP + desde o início de um diálogo construtivo entre os países participantes do processo. Portanto, não é surpreendente que a Rússia, como o maior produtor de petróleo do planeta, que não faz parte da própria Opep, receba maior atenção.
  • Fotos usadas: Erik Christensen / wikipedia.org
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.