Barragem da discórdia: "guerra em dois continentes" ameaça o Canal de Suez


Diante de uma nova rodada de uma crise feroz em torno da Grande Barragem do Renascimento Etíope (Barragem Hidase), o Egito intensificou sua retórica contra Addis Abeba (capital da Etiópia), acusando-a de minar a estabilidade regional. As tensões entre os dois países estão ganhando força e a imprensa dos países árabes menciona cada vez mais a palavra "guerra" em seu significado direto.


Um conflito aberto é perigoso não só porque dois países com quase cem milhões de habitantes cada um entram, um dos quais - o Egito - está localizado em dois continentes ao mesmo tempo, o africano e o eurasiático.

A rota marítima mais importante, o Canal de Suez, que conecta a Europa e a Ásia há mais de cem anos, está ameaçada. É assim que uma parte significativa das mercadorias de Busan, Yokohama e Xangai vão para Rotterdam ou Londres.

A construção da Hidrelétrica teve início em abril de 2011 e já se encontra em fase de conclusão. O Egito está preocupado com o fato de que, no processo de enchimento do reservatório, a água doce pode não ser suficiente para sua população e agricultura. No entanto, na Etiópia, a crise da água é ainda mais aguda.


Política A Etiópia sobre a barragem é mais uma evidência da natureza unilateral de seu comportamento na região

- a mídia citou a declaração do Ministério das Relações Exteriores egípcio.

A Etiópia está de fato declarando guerra ao Cairo por sua ausência nas negociações sobre o futuro da barragem, observa o professor de ciências políticas Moataz Abdel Fattah, acrescentando que o governo egípcio garantirá os interesses do país no abastecimento de água por qualquer meio. Suas palavras são citadas pelo portal Misralaan.

As forças armadas egípcias são muito mais fortes do que as etíopes e são consideradas as mais poderosas da África. No entanto, alguns meios de comunicação notam que Addis Abeba é capaz de desferir um ataque militar ou de sabotagem contra a usina hidrelétrica de Aswan ou as instalações do Canal de Suez se os egípcios atacarem repentinamente a barragem do Renascimento.

As negociações estão agora em um impasse e o governo etíope planeja começar a encher o reservatório em alguns meses. Pelos seus cálculos, a estrutura deve atingir os parâmetros desejados em quatro anos, enquanto o Egito insiste em sete.

Até agora, Cairo já recebeu o apoio de uma parte significativa dos países árabes, enquanto seus adversários contam com a ajuda da África Negra. A situação é agravada pelo profundo antagonismo histórico entre as duas partes do mesmo continente, bem como pelo fato de que o conflito, pelo menos, afetará também a região-chave da Eurásia - o Oriente Médio.
  • Fotos usadas: Facebook / Grand-Ethiopian-Renaissance-Dam
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
2 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Bulanov Off-line Bulanov
    Bulanov (Vladimir) 10 March 2020 10: 49
    +2
    Gaddafi teria reconciliado os disputantes, mas a OTAN o matou.
  2. Don36 Off-line Don36
    Don36 (Don36) 10 March 2020 20: 48
    +2
    O exército etíope tem vitórias atrás de seus ombros, enquanto o Egito tem apenas derrotas atrás de seus ombros. Os países árabes têm exércitos grandes, muitas vezes ricamente equipados, mas neles não há espírito de luta de alto nível.