Qual é o perigo dos vírus antigos armazenados no permafrost


O coronavírus, que apareceu pela primeira vez em Wuhan, China, colocou todo o planeta nas orelhas. Por causa do COVID-19, milhares de pessoas morrem, o mundo estagnou economia... Os médicos estão trabalhando em uma vacina, mas pode levar muitos anos antes que ela seja colocada à venda.


A conclusão é triste: ninguém estava realmente pronto para uma pandemia. Mas e se vírus antigos armazenados na "geladeira" do permafrost e do gelo polar, que estão derretendo cada vez mais rápido, começarem a despertar?

Na verdade, você não precisa procurar muito para encontrar exemplos. Em 2016, tivemos um sério surto de antraz no Okrug Autônomo Yamalo-Nenets. Dezenas de residentes locais foram infectados, milhares de veados morreram. O foco da infecção estava na tundra, que degelou e, junto com o calor, as bactérias dormentes que entraram na água potável acordaram. O Doutor em Ciências Médicas Vladislav Zhemchugov, especialista em infecções especialmente perigosas, explica:

Os esporos do patógeno foram armazenados no solo por séculos. A infecção, que entrou no solo junto com o animal morto na época de Alexandre, o Grande, continua ativa.


Em 2016, uma criança morreu de antraz em Yamal e a medicina pode ajudar os adultos. Para eliminar milhares de carcaças de veados, os militares tiveram que estar envolvidos. O exemplo é claro e fresco. Bactérias perigosas podem ser armazenadas no gelo por séculos, milênios. Por exemplo, o vírus da varíola, que devastou nações inteiras, foi derrotado há apenas 40 anos. Alguns especialistas acreditam que a varíola ainda pode retornar no futuro, já que seu vírus continua armazenado em uma geladeira natural.

O que posso dizer, pesquisadores americanos há algum tempo em uma caverna nos Estados Unidos a uma profundidade de 300 metros descobriram bactérias de 4 milhões de anos. Acima de tudo, é irritante que as criaturas microscópicas antigas fossem resistentes a quase todos os tipos de antibióticos modernos. Neste contexto, a perfuração no gelo polar é uma preocupação particular.

Por exemplo, na Antártica, em grandes profundidades, há alguns anos, um antigo lago gigante foi descoberto, apenas 3 vezes menor que o tamanho do Baikal. Ele recebeu o nome de "Vostok" em homenagem à estação polar russa localizada diretamente acima dele. Os cientistas acreditam que o lago gigante ficou isolado do meio ambiente por 15 milhões de anos. Como resultado da pesquisa, foi descoberta a bactéria W123-10, cujo DNA coincide apenas com 86% com outros habitantes terrestres. Como isso.

Que outros microrganismos serão encontrados nesta água, e se eles representarão um perigo para os humanos, é desconhecido e, por algum motivo, eu realmente não quero verificar.
5 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Tatiana Off-line Tatiana
    Tatiana 11 pode 2020 02: 02
    +1
    O planeta mantém firmemente seus segredos naturais das pessoas, e na luta da humanidade por sua sobrevivência, muitas coisas mais perigosas terão que ser aprendidas e aprendidas pelas pessoas.
    1. Smirnoff Off-line Smirnoff
      Smirnoff (Victor) 11 pode 2020 21: 32
      +3
      A inteligência nacional dos EUA, tendo dado sinal verde para infectar a China, não previu as consequências catastróficas para os próprios Estados Unidos desse coronavírus.
      A inteligência nacional dos Estados Unidos e toda a comunidade de inteligência dos Estados Unidos acreditavam que esse desastre não afetaria os Estados Unidos.
      Que os Estados Unidos serão capazes de se esconder no exterior e que a gravidade total da epidemia de coronavírus enterrará a economia chinesa.
      Nos Estados Unidos, em novembro do ano passado, eles já estavam ansiosos pelo funeral da China e esfregando alegremente as mãos de terroristas.
      No entanto, eles calcularam CRUELAMENTE mal.
  2. Smirnoff Off-line Smirnoff
    Smirnoff (Victor) 11 pode 2020 21: 31
    +2
    Qual é o perigo dos vírus antigos armazenados no permafrost.

    Não! Em 2016, o antraz em Yamal foi obra de americanos.
    Um surto de peste suína africana, obra dos americanos.
    Os americanos, sob o pretexto de pesquisa marinha, há muito desenvolveram vírus mortais.

    Os vírus, produzidos pelo homem em laboratórios biológicos secretos do Pentágono dos Estados Unidos, representam uma ameaça para toda a humanidade!
    A pandemia global de coronavírus é um ataque bacteriológico dos Estados Unidos à China.
    Três focos independentes no mundo dizem que os Estados Unidos, além da China, infectaram o Irã, a pedido de Israel, e os americanos infectaram a Europa pela Itália.

    Coronel-General Leonid Ivashov, Presidente da Academia de Problemas Geopolíticos:

    A pandemia foi lançada artificialmente para atingir o principal competidor dos Estados Unidos - a China.
    Mas a China praticamente enfrentou o coronavírus e, nos Estados Unidos, há mortes em massa.
    E agora aqueles que lançaram a pandemia podem admitir que foi um erro.
    Além disso, os preços do petróleo despencaram.
    Afinal, a guerra continua sendo a forma mais realista de resolver a situação para os Estados Unidos.

    O coronavírus SARS-CoV-2 apareceu pela primeira vez no ESTADO !!! Lembrar. NOS ESTADOS !!!
  3. Nikolay Malyugin Off-line Nikolay Malyugin
    Nikolay Malyugin (Nikolay Malyugin) 12 pode 2020 06: 27
    +1
    Minhas palavras não devem ser levadas a sério. Agora se tornou uma mania cavar alguma coisa. Alguns procuram armas e atributos. Outros são cidades antigas. Na minha opinião, os vírus podem persistir não apenas no permafrost. Em 1970, um cemitério foi escavado e, em seguida, houve um surto de cólera. Afinal, vírus desconhecidos podem ser armazenados na espessura da Terra. Nos tempos antigos, não havia laboratórios. Toda saúde.
  4. GFR Off-line GFR
    GFR (DDD) 23 pode 2020 15: 06
    +1
    A conclusão é triste: ninguém estava realmente pronto para uma pandemia. Mas e se vírus antigos armazenados na "geladeira" do permafrost e do gelo polar, que estão derretendo cada vez mais rápido, começarem a despertar?

    Nada impede as pessoas de marcar objetos e áreas de terreno conhecidas por elas, potencialmente problemáticas do ponto de vista de riscos biológicos, nos mapas do OpenStreetMap. Mesmo em lugares polares completamente desertos, os acúmulos de animais mortos descongelados do permafrost devem ser mais provavelmente visíveis em imagens de satélite ou conhecidos pelos residentes locais.