O Diplomata: a América não tem nada a oferecer à Rússia além de sanções


Sobre se a China deve temer um reinício nas relações entre a Rússia e os Estados Unidos, escreve Ka-Ho Wong para a popular publicação online The Diplomat.


Após o colapso da União Soviética, a Federação Russa e os Estados Unidos tentaram várias vezes melhorar as relações, mas sem sucesso. O envolvimento da administração Clinton com a nova Rússia democrática foi interrompido pela expansão da OTAN para o leste e pela intervenção militar em Kosovo. Além disso, embora o presidente russo Vladimir Putin tenha oferecido sua ajuda na guerra americana contra o terrorismo, a invasão do Iraque, as “revoluções coloridas” no espaço pós-soviético e o conflito na Geórgia agravaram mais uma vez as relações bilaterais. O "reset" do governo de Barack Obama com a Rússia também não durou muito.

Esses repetidos fracassos, segundo o autor, ilustram a natureza sistemática do confronto entre os dois países. A Rússia se vê como um parceiro igual ao Ocidente, e não como um perdedor na Guerra Fria, da qual os EUA discordam veementemente.

A perspectiva de um novo "reset" permanece sombria. E a interação de Moscou com Washington tem um objetivo limitado - a extensão do novo tratado START, que é de interesse mútuo.

Com as perspectivas de um novo mundo bipolar, a Rússia deve se unir à China contra os Estados Unidos, sugere o especialista. Não se deve esperar que o Kremlin mude radicalmente sua política sobre a América, porque suas contradições profundas não podem ser resolvidas.

Washington também tem pouco a oferecer à Rússia para recuperá-la. Os relacionamentos permanecerão tensos, se não forem totalmente congelados.

A Rússia também precisa da China para seu desenvolvimento econômico e tecnológico, acredita Ka-Ho Wong. Os dois poderes se complementam, e o comércio entre eles cresceu 3,4% no primeiro trimestre deste ano. O Império Celestial permanece para o vizinho do norte uma fonte de fontes não-ocidentais технологий.

Mas o mais importante, observa o artigo, é que a parceria entre a Federação Russa e a RPC se deve precisamente a fatores sistêmicos, sua resistência geral à hegemonia americana. Tanto a China quanto a Rússia se opõem a uma ordem mundial orientada para o Ocidente.

No entanto, existe outro cenário em que o Kremlin atua como um balanceador para impedir qualquer hegemonia mundial. Mas é muito difícil de implementar.

Se Putin deseja restabelecer o lugar da Rússia como potência global independente, Moscou deve intensificar seus esforços para desenvolver relações com outros atores regionais, incluindo a UE, o Japão e a Índia.

- conclui o autor no final.
  • Fotos usadas: kremlin.ru
2 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Se essa mulher barriguda com uma camisa bordada, Anikita Khrushch, não tivesse brigado com a China no 20º Congresso do PCUS, então a União teria resistido e o padrão ficaria com o rabo entre as pernas!
  2. O comentário foi apagado.
  3. Smirnoff Off-line Smirnoff
    Smirnoff (Victor) 12 pode 2020 00: 22
    +2
    A América não tem nada a oferecer à Rússia, exceto sanções ???
    E se esqueceu dos vírus ??? Então vou te lembrar !!!

    Os americanos anunciaram o início de um novo ataque viral à humanidade.
    Os serviços de inteligência dos Estados Unidos lançaram na mídia americana um plano segundo o qual infectarão o mundo inteiro com tuberculose ou outra, mas também com o vírus FATAL.
    CNBC é um canal americano de notícias de negócios a cabo e via satélite.
    De acordo com os planos insignificantes dos serviços de inteligência dos Estados Unidos, nos próximos cinco anos, entre 2020 e 2025, presume-se que pelo menos 6,3 milhões de pessoas adoecerão de tuberculose, enquanto se planejam mais de 1,4 milhão de MORTES.

    Os serviços especiais americanos estão se escondendo atrás da pesquisa de organizações que há muito trabalham para os serviços secretos dos EUA !!!
    - Colégio Imperial de Londres,
    - Avenir Health, Johns Hopkins University,
    - notória por suas provocações - a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional.
    - e muitos outros, espalhados em muitos países e que também são controlados e pagos pelos serviços de inteligência dos Estados Unidos.

    O documento usa dados coletados principalmente de três países com altos níveis de infecção - Índia, Quênia e Ucrânia, que foram extrapolados para todo o mundo.

    A Ucrânia é mencionada no relatório por uma razão.
    Ela está ao lado da Rússia.
    Existem 14 laboratórios biológicos secretos do Pentágono dos EUA na Ucrânia !!!
    Os americanos infectarão os ucranianos com tuberculose modificada, de olho na Rússia, e os enviarão para a Rússia sob o disfarce de refugiados e candidatos a emprego.
    Os EUA destruíram o Ministério da Saúde da Ucrânia e o sistema médico. ajuda, precisamente para depois organizar uma epidemia de um vírus mortal na Ucrânia, incluindo um novo vírus da tuberculose modificado, que são criados nos laboratórios biológicos do Pentágono dos Estados Unidos.
    A epidemia de sarampo na Ucrânia é obra de americanos.
    Todos os países da ex-URSS estão sob a mira dos serviços especiais dos EUA!
    Perto está a China, onde também aparecerá a tuberculose, segundo os planos malignos dos EUA.

    A OMS reconhece a tuberculose como "a doença mais contagiosa e mortal".
    A tuberculose é causada por uma bactéria e geralmente afeta os pulmões.
    No entanto, essa condição pode ser tratada com antibióticos.
    Dada a disponibilidade de tratamentos eficazes, o principal método de controle da TB é testar e alcançar o maior número de pessoas possível.

    A Rússia precisa estar pronta para repelir o ataque americano de tuberculose em nosso país.

    CNBC é um canal americano de notícias de negócios a cabo e via satélite.