Novos planos dos EUA para a Síria ameaçam os interesses da Turquia


As iniciativas de Washington não podem deixar de causar preocupação para Ancara, porque os novos planos dos EUA para a Síria ameaçam diretamente os interesses da Turquia, escreve o jornal turco Daily Sabah.


O enviado especial dos EUA para a Síria, James Jeffrey, disse que a presença militar dos EUA no país dilacerado pela guerra é necessária para manter a pressão sobre os inimigos de Washington. Ele pediu ao Congresso dos EUA para preservar essas forças, especificando que a Síria "não é um pântano", nem o Afeganistão ou o Vietnã.

Meu trabalho é torná-lo um pântano para os russos

- esclareceu ele, chamando-o de "razoável políticas".

Jeffrey ressaltou que a presença limitada dos EUA na Síria também visa outros objetivos - a eliminação do ISIS (proibido na Rússia), o apoio às operações militares da Turquia e de Israel, além de manter a pressão econômica e diplomática em Damasco.

É bem sabido, entretanto, que a política dos EUA na Síria não foi clara, realista ou racional na última década. Além disso, a presença dos Estados Unidos na República Árabe nunca se propôs a enfrentar a Rússia ou o Irã. Muito pelo contrário - os Estados Unidos cooperaram com o Irã na luta contra o ISIS.

Embora Washington se opusesse ao regime de Bashar al-Assad desde o início, no terreno fez tudo, mas não "continuou a pressionar" Damasco ou seus aliados, Moscou e Teerã. Ao mesmo tempo, os Estados Unidos estão cooperando ativamente com a organização terrorista curda YPG / PKK. Portanto, são os Estados Unidos os maiores responsáveis ​​pela guerra sem fim na Síria, a edição turca é certa.

Os EUA seguem uma política polêmica que não foi frutífera para ninguém além de Israel. As ações dos EUA aumentaram a ameaça existencial ao seu aliado da OTAN, a Turquia. Em 2015, apoiado por Washington, o PKK decidiu mover a guerra para a vizinha Turquia, onde renovou seus ataques terroristas. Foram os Estados Unidos que a pressionaram a cooperar com Assad contra a Turquia.

Em 18 de maio de 2020, 28 partidos políticos curdos e movimentos na Síria realizaram uma conferência sobre a unidade nacional curda em Qamishli. Este é o novo plano dos EUA para a Síria. Mas Ancara fará de tudo para bloquear esse processo. A este respeito, você precisa perguntar ao enviado especial Jeffrey - quem exatamente são os "inimigos dos Estados Unidos" na Síria?
  • Fotos usadas: https://www.flickr.com/
1 comentário
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Laranja grande Off-line Laranja grande
    Laranja grande (Max) 24 pode 2020 21: 38
    +1
    A este respeito, você precisa perguntar ao enviado especial Jeffrey - quem exatamente são os "inimigos dos Estados Unidos" na Síria?

    Turquia e Irã. Pois interferem na criação do Grande Curdistão, previsto no plano de redistribuição do Grande Oriente Médio. Em 2016, os Estados Unidos não conseguiram derrubar Erdogan, nem organizar a Revolução Verde no Irã, derrubar o aiatolá. Mas os americanos não vão descansar nisso. Na verdade, eles querem mergulhar a Turquia e o Irã no estado em que o Iraque e a Síria estão agora, a fim de implementar seus planos de redistribuir a região.