WP: A Síria está à beira da fome e Assad está perdendo o apoio de Moscou


O presidente sírio, Bashar al-Assad, enfrenta os problemas mais sérios desde o levante contra ele há nove anos, escreve o último The Washington Post. Divisão familiar desmoronando economia países e tensões crescentes com seu principal aliado, a Rússia: todos esses eventos revelam a fragilidade de seu poder.


Sim, os rebeldes estão quase derrotados, mas a economia ao seu lado continua a levar os sírios à pobreza e a escala do que está acontecendo é sem precedentes. Nem a Rússia nem o Irã estão em posição de investir os bilhões de dólares de que a Síria precisa para reconstruir sua infraestrutura. A ameaça de novas revoltas também persiste.

O chefe de Estado pode estar ainda mais vulnerável do que jamais esteve em nove anos de guerra, sugere Lina Khatib, do think tank londrino Chatham House.

Assad depende muito do apoio do Irã e da Rússia. Não possui recursos internos, legitimidade internacional e nenhum poder militar que possuía antes do conflito. Sua caixa de ferramentas está perto de se esgotar e ele está mais vulnerável do que nunca.

- o perito aprova.

O aprofundamento da divisão familiar no clã governante também é notado por observadores externos. Por exemplo, a disputa pública entre Assad e seu primo Rami Mahlouf é apenas um sinal de problemas crescentes. No dia anterior, Makhlouf alcançou um amplo público através do Facebook para reclamar das tentativas das autoridades de confiscar seus bens, indicando que ele não pode mais se comunicar diretamente com o presidente. Voltando-se para ameaças às autoridades, o empresário insinuou sua capacidade de prejudicar a economia do estado.

Makhlouf também desafiou publicamente o líder, o que normalmente não é tolerado na Síria, de acordo com o jornalista e analista político Danny McKee.

O que vemos agora não é apenas desentendimento, mas um confronto aberto com o presidente por parte de um empresário. [...] A questão central é o que vai acontecer com a economia no longo prazo

- diz o especialista.

A moeda síria perdeu mais da metade de seu valor só no último mês, sem contar que já se depreciou no passado. Os preços de alimentos básicos, como pão e açúcar, dobraram no mês passado, deixando a república à beira da fome.

Além de outros problemas, há sinais de tensões com a Rússia. Em publicações recentes, a mídia russa teria criticado o "regime de Assad" por sua intransigência e corrupção, dando origem a rumores de que o apoio da Rússia a Damasco está diminuindo.
  • Fotos usadas: http://kremlin.ru/
2 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Rusa Off-line Rusa
    Rusa 27 pode 2020 14: 47
    -1
    Damasco precisa se juntar à SCO e à EAEU.
    1. acidentalmente Off-line acidentalmente
      acidentalmente 28 pode 2020 10: 31
      -1
      Precisamos sair da Síria e da Líbia o mais rápido possível ... na Síria, a guerra não tem fim ... na Líbia, derrota após derrota ... esta não é a nossa guerra ..