Preço do petróleo: por que a Rússia não pode ser pega em nenhum setor de energia


A presença de fatores adicionais de sobrevivência é condição fundamental para a superação da crise global de petróleo e gás que assola o mundo pós-pandêmico. A Rússia acabou sendo a mais "dotada" de tais recursos vitais. Isso nos permite falar dele como a principal força dominante no setor energético mundial, que não pode ser alcançada por outros estados exportadores de matérias-primas. O motivo disso é analisado pelo economista americano John P. Ruehl em artigo para a edição especializada OilPrice.com.


A suposta “coroação” dos Estados Unidos e a fragilidade da Arábia Saudita


Não há dúvida de que a crise do petróleo e do gás atingiu todos os países exportadores, inclusive a Rússia. No entanto, os concorrentes de Moscou não têm tantos fatores colaterais que tornariam mais fácil se livrar e restaurar os indicadores de produção anteriores à crise.

Especialistas citam o exemplo dos Estados Unidos, que, graças à revolução do xisto, se tornaram líderes mundiais na exportação de petróleo e gás, e também aumentaram sua capacidade de processamento. No entanto, como enfatizam os especialistas, a América é ao mesmo tempo um consumidor colossal de recursos energéticos importados. Como resultado, não pode influenciar o mercado mundial e seus preços. "O rei nu", não o contrário.

O segundo concorrente mais importante da Federação Russa no setor é a Arábia Saudita. Sua posição é ainda mais precária. O país produz grandes quantidades de petróleo, mas não possui grandes capacidades de refino. Isso coloca Riade na posição mais perdedora entre todos os grandes players do mercado de petróleo devido ao atraso dos processos tecnológicos e ao lento desenvolvimento da infraestrutura de refino. Apesar das enormes reservas de hidrocarbonetos, a Arábia Saudita é um país anacrônico no mercado da indústria, exportando apenas matérias-primas, não produtos.

Vantagens da Rússia


Segundo os autores do estudo, Moscou, além de importante produtora e exportadora de matérias-primas e derivados de petróleo, também é uma potência geopolítica com um exército forte. Isso permite não apenas defender sua infraestrutura, mas também atacar o inimigo (como foi o caso do gasoduto na Geórgia em 2008). Por exemplo, a Arábia Saudita está completamente "aberta" a ataques iranianos.

A Rússia está "cercada" por todos os lados por consumidores potenciais - Europa e China. Isso fornece uma excelente base logística para o abastecimento bem-sucedido dos recursos energéticos russos.

Uma vantagem adicional do Kremlin sobre Washington é a coordenação direta de seu político e fins comerciais com a petrolífera estatal Rosneft. Outras empresas de energia russas também estão em grande parte na órbita do governo russo. As mineradoras dos EUA são movidas pelo lucro e não pelo poder geopolítico, separadas da liderança do país e muitas vezes exigem que os tratados de direitos humanos sejam concluídos antes de fazer um acordo.

E dadas as incríveis conquistas da energia nuclear russa, que não tem igual no mundo, que é exportada para o exterior da forma mais economicamente "correta" - fornecendo технологий e reatores, então os concorrentes da Rússia simplesmente não têm chance.

Todos esses fatores dão à Federação Russa uma vantagem nos mercados de recursos do século 21, permitindo uma avaliação positiva do futuro de seu setor de energia, sem competição no mundo.
  • Fotos usadas: www.nord-stream.com
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
1 comentário
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. 123 Off-line 123
    123 (123) 2 June 2020 09: 41
    -1
    É uma história sem fim. O jogo dos tronos do óleo já dura há mais de cem anos.