"A Europa é dada a Putin": o que está por trás da retirada das tropas dos EUA da Alemanha


Um dos temas mais discutidos dos últimos dias foram as informações veiculadas pelos principais meios de comunicação dos Estados Unidos sobre a suposta decisão adotada na Casa Branca a respeito de uma redução significativa do contingente militar americano na Alemanha. É notável que, a nível oficial, tais intenções ainda não tenham sido confirmadas, mas também não refutadas. Isso indica que, com alto grau de probabilidade, a informação publicada é verdadeira.


Uma curva tão acentuada no transatlântico política Washington causou uma reação muito violenta em ambos os lados do oceano, e as opiniões sobre seus motivos e possíveis consequências foram diametralmente divididas. Então, o que está acontecendo e o que Donald Trump está tentando alcançar?

"A Europa está sendo dada a Putin!"


É a esta afirmação que se pode reduzir a posição dos que imediatamente atacaram o atual líder dos Estados Unidos nesta questão. A lista de insatisfeitos é muito longa e alguns de seus depoimentos serão dados a seguir. No entanto, para começar, vale a pena descobrir do que se trata exatamente. Hoje, o contingente militar do Pentágono na Alemanha inclui aproximadamente 34 mil e quinhentos militares americanos. Se você acredita no Wall Street Journal, que desempenhou o papel de instigador ao expor outro "plano insidioso de Trump", ele já instruiu o departamento militar a preparar pelo menos 9 mil e quinhentas pessoas para se retirarem de lá. Além disso, o número máximo de tropas dos Estados Unidos que podem estar em solo alemão (durante exercícios, rotação de unidades, etc.) de mais de 52 mil "baionetas" também pode ser reduzido em mais da metade. Parece que a redução não é tão grande, embora não possa ser chamada de insignificante.

No entanto, também existem nuances adicionais que "estragam a imagem" ainda mais. O mais desagradável da situação é que Berlim ficou sabendo dessas intenções não por correspondência diplomática ou militar "fechada" e nem mesmo por canais da OTAN, mas pelo mesmo The Wall Street Journal e sua própria imprensa, que imediatamente pegou a "quente" notícia... Conseqüentemente, os "aliados" americanos mais uma vez simplesmente confrontam os alemães com um fato, nada interessado em sua opinião. O que é característico da liderança da Aliança do Atlântico Norte, a mesma afirmação é verdadeira - isso é evidente pelo menos pelo fato de que o geralmente falante Stoltenberg fica em silêncio, como se tivesse derramado água na boca. Bruxelas em Washington foi essencialmente enviado para o mesmo endereço de Berlim.

Nos próprios Estados Unidos, os planos da Casa Branca que escaparam da bolsa já foram declarados por muitos como o próximo estágio de "trabalhar para Putin" e "traição" não apenas dos americanos, mas também dos interesses do Atlântico Norte em geral. Como esperado, os democratas dispararam, prontos para esmagar Trump em pedacinhos, mesmo que ele se atrevesse a declarar que o Sol nasce no Leste e a Terra é redonda. Jack Reed, que chefia a facção democrata no Comitê de Serviços Armados do Senado dos Estados Unidos, já declarou a próxima decisão "mesquinha e sem sentido". O chefe do Comitê de Política Externa da Câmara dos Representantes do Congresso dos Estados Unidos, Eliot Engel (um representante do Partido Democrata, é claro) foi ainda mais longe, divulgando uma declaração na qual afirma: "As atividades do presidente americano para enfraquecer nossos sistemas de dissuasão da agressão russa na Europa irão deliciar Vladimir Putin." O general Ben Hodges também não se afastou, que até 2017 serviu como comandante das forças dos EUA na Europa, e agora trabalha como analista do Centro de Política Europeia. De forma reveladora, ele condenou as intenções de Trump em uma entrevista ao jornal alemão Spiegel, afirmando que considera as intenções do chefe da Casa Branca um "erro colossal" e "uma manobra puramente política" que "ilustra a completa falta de compreensão do presidente sobre a importância das tropas americanas estacionadas na Europa para si mesmas. EUA". Ao mesmo tempo, Hodges enfatizou com muito cuidado que essa era precisamente uma decisão pessoal e "voluntarista" do presidente, alegando que não apenas a liderança da OTAN ou da Alemanha, mas até mesmo do Congresso dos Estados Unidos, sem falar do comando Forças militares americanas no Velho Mundo. Por sua vez, a Casa Branca reagiu de maneira bastante estranha a essa enxurrada de críticas. Lá eles simplesmente dispararam: eles dizem, você não vai esperar por nenhuma declaração oficial sobre este assunto! Sim, o presidente "analisa regularmente a redistribuição ideal das tropas americanas no exterior", e daí? Seu direito legal!

E deixar a OTAN se aproximar?


É preciso dizer que as notícias sobre o êxodo iminente dos "defensores" ultramarinos na própria Berlim foram percebidas sem muito entusiasmo, mas não como uma tragédia mundial. Por exemplo, o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, em sua entrevista, que concedeu em 7 de junho ao Bild am Sonntag, discretamente observou que, se tais planos forem implementados, o resultado "não será a favor dos Estados Unidos". Em Berlim, essas medidas serão apenas "levadas em consideração". No entanto, no final, o chefe da diplomacia alemã admitiu francamente que apesar de "décadas de cooperação frutuosa com os Estados Unidos na esfera militar", que o país "muito aprecia", neste momento as relações com este país são "muito difíceis". Na verdade, qualquer outra caracterização do que está acontecendo agora entre Berlim e Washington seria completamente insincera. Não é nenhum segredo que a decisão de Trump (se é que realmente existe) se assemelha, acima de tudo, a um "movimento retaliatório" ao ato de Angela Merkel, que na verdade interrompeu a cúpula do GXNUMX nos EUA no verão, à qual o chefe da Casa Branca, aparentemente, estava mais uma vez "brilhar". E, o mais importante, tente formar uma coalizão robusta contra a China. Não há dúvida de que as discussões sobre o “fim do século americano” e o início do “século asiático”, cada vez mais ouvidas do Velho Mundo, não passaram pelos ouvidos dos americanos. Aqueles que querem estragar as relações com Pequim não estão lá agora, inclusive na Alemanha. Sim, e o debate que recentemente se intensificou na política alemã a respeito da conveniência da continuação da presença de armas nucleares americanas no país sem dúvida acrescentou lenha à fogueira. Histórias antigas e não mais impressionantes sobre o fato de que "Washington está jogando alemães indefesos para serem devorados por um urso russo" não são levadas a sério por pessoas sãs por muito tempo. A questão é diferente.

As bases americanas são um trabalho para um grande número de habitantes locais. Pelo menos 12 mil alemães trabalham diretamente em seu serviço. Plus - um número adicional de empregos em áreas relacionadas. É sobre eles que se dá conta da planejada redução do contingente - e isso é no momento em que a Europa já vive um enorme econômico Problemas. No entanto, também existem aqueles que estão muito felizes e esperançosos com a perspectiva de os militares americanos deixarem a Alemanha. Estamos a falar, é claro, da Polónia, que na situação actual mostrou um entusiasmo absolutamente doentio. O primeiro-ministro deste país, Mateusz Morawiecki, imediatamente após a divulgação de informação sobre a possível redução do agrupamento alemão do exército norte-americano, explodiu em declarações de que Varsóvia estava pronta para acolher as tropas previstas para a retirada. E com pão e sal, de braços abertos e com toda a diligência neste caso. "Quanto mais rápido, melhor! Quanto mais, mais maravilhoso! " - o primeiro-ministro polonês saúda, afirmando que a introdução do número máximo de unidades e subunidades sob as estrelas e listras em seu país "aumentará significativamente a sua segurança" em face de "uma ameaça real que emana da fronteira oriental." E aqui nós, de fato, chegamos ao mais interessante e importante. Pode-se rir dos poloneses com sua russofobia, já atingindo o estágio de violenta loucura, se não ... Se não fosse pela crescente agressividade de Varsóvia, não por sua rápida transformação em posto avançado militar nem mesmo da OTAN, mas especificamente dos Estados Unidos, em um verdadeiro "aríete" apontado para as fronteiras ocidentais de nossa pátria.

Lembremos: há 4 anos, o contingente militar do Pentágono na Polônia era de ridículas 500 pessoas. Hoje aumentou 10 (!) Vezes e, aparentemente, continuará a crescer em um futuro muito próximo. Diante de nossos olhos, há praticamente um reequipamento completo do exército polonês com os mais recentes modelos de armas americanas e técnicos... Se se tratasse do fornecimento do F-35, então tudo acontece muito a sério. Literalmente nestes dias e horas no território da Polônia, apesar da pandemia de coronavírus e, de fato, do encurtamento do plano de exercícios europeus das tropas dos EUA e da OTAN, manobras ainda estão ocorrendo, e não em tão pequena escala - 4 guerreiros americanos e 2 poloneses. Esta, claro, não é uma ação da escala do Defender Europe 20, mas, por assim dizer, seus "fragmentos", mas o fato de que de todos os locais onde os exercícios foram originalmente planejados, os jogos militares são realizados justamente no campo de treinamento Drava-Pomerânia, por si só fala de muito. Aparentemente, o Pentágono considera essa mesma direção uma prioridade para um possível ataque contra a Rússia. Já foi dito e escrito muitas vezes que a região de Kaliningrado pode muito bem se tornar um lugar para desencadear um conflito local, no qual se pretende "dar uma lição" ao nosso país. Aparentemente, tais suposições não são infundadas. Moscou não deve de forma alguma menosprezar as ambições de grande potência de Varsóvia, que há séculos faz planos para criar seu próprio "império" às custas de nossos territórios. Por causa dessa ideia maluca, os poloneses marcharam nas fileiras do exército de Napoleão, estavam prontos para lutar ombro a ombro com os nazistas, colaborou com os britânicos. Sim, eles até consideram o diabo como aliado se ele lhes prometer vitória sobre os russos! E mais ainda, Washington, que eles veem como uma "hegemonia mundial" hoje.

Os lutadores americanos podem deixar a Alemanha. Os alemães sabem muito bem, por experiência mais do que triste, como as guerras com nosso país terminam. É outra questão que a redistribuição dessas forças, ou mesmo de uma parte significativa delas, para a Polônia significará na verdade um novo passo do inimigo em direção às fronteiras de nossa pátria. Portanto, toda a conversa sobre Trump "jogar nas mãos de Moscou" ou "dar presentes a Putin" neste caso (como, a propósito, sempre) é completamente insustentável. O que está acontecendo não parece ser um enfraquecimento da presença militar dos Estados Unidos na Europa, mas sim de sua preparação para a agressão dirigida contra a Rússia.
6 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Alekey Glotov Off-line Alekey Glotov
    Alekey Glotov (alexey glotov) 8 June 2020 11: 06
    -1
    Muito bem, Trump ... continue assim.
  2. Bakht Off-line Bakht
    Bakht (Bakhtiyar) 8 June 2020 13: 22
    +4
    Que caras astutos estão na mídia. "A Europa é dada a Putin" ...

    Qual é a probabilidade de um ataque russo, digamos, na Polônia? Opções de 0 a 100%.
    Minha opinião é que a probabilidade é 0%.
  3. argo44 Off-line argo44
    argo44 (Mac) 8 June 2020 21: 40
    0
    Para:

    ... as ambições de grande potência de Varsóvia, que há séculos faz planos para criar seu próprio "império" às custas de nossos territórios.

    - przetłumaczyło mi tak:

    która od stuleci buduje plany stworzenia własnego "imperium" kosztem tylko naszych terytoriów.

    - to nie jest prawda - nie tylko zresztą to w tym artykule.

    Polska BYŁA już imperium - za czasów Unii z Litwą - kiedy książę litewski Jagiełło został królem Polski. Podobny mariaż zresztą zamierzano uczynić z książętami moskiewskimi, ale się nie dogadali. Walki na wschodzie podyktowane były zatargami Litwy z państwem moskiewskim - i nie było to w interesie Polski, tylko Litwy.

    A z nazistami pospołu para ZSRR poszła przeciwko Polsce.

    Może dlatego, że Lenin był niemieckim agentem, którego celem było obalenie niezależnego caratu i uczynienie z Rosji narzędzia do podboju Europy.

    Podobno Stalin, kiedy w Poczdamie ustalał wschodnią granicę Polski, para jej kształt uzależnił od ustaleń jakie poczynił z Niemcami w 1939 r. -------------------------------------------- traduziu para mim assim:

    Que durante séculos fez planos para criar seu próprio "império" às custas apenas de nossos territórios.

    - isso não é verdade - não só isso neste artigo.
    A Polónia já era um império - durante a União com a Lituânia - quando o príncipe lituano Jagiello tornou-se rei da Polónia. Um casamento semelhante deveria ser celebrado com os príncipes de Moscou, mas eles não se deram bem. A luta no leste foi ditada pelas disputas entre a Lituânia e o estado de Moscou - e isso não era do interesse da Polônia, mas sim da Lituânia.

    E com os nazistas, foi a URSS que foi contra a Polônia.

    Talvez porque Lenin fosse um agente alemão cujo objetivo era derrubar o czarismo independente e fazer da Rússia um instrumento para a conquista da Europa.

    Aparentemente, Stalin, quando estabeleceu a fronteira oriental da Polônia em Potsdam, sua forma dependia dos acordos que ele concluiu com a Alemanha em 1939.
  4. Smirnoff Off-line Smirnoff
    Smirnoff (Victor) 14 June 2020 00: 03
    0
    O que está por trás da retirada das tropas americanas da Alemanha ???

    Retirada das tropas soviéticas da RDA! O mesmo destino aguarda os EUA! Pobreza e colapso! Eu garanto.
    1. Amargo Off-line Amargo
      Amargo (Gleb) 16 June 2020 22: 33
      0
      O único problema é que os arrojados cavaleiros americanos não viverão em cidades de tendas em nenhum lugar dos desertos do Texas e da Califórnia, mas se mudarão para algum lugar na Polônia, República Tcheca, Romênia e talvez até na Ucrânia.
      O Sr. Trump, ao contrário dos camaradas G e E, tem um cérebro pequeno. Portanto, a partir do rearranjo dos locais dos termos, o resultado não mudará.
  5. shinobi Off-line shinobi
    shinobi (Yuri) 15 June 2020 14: 19
    +1
    Poloneses - sim, eles podem, por sua tolice, enfiar a cabeça em Kaliningrado. Mas, ao mesmo tempo, eles devem perceber que será uma questão de princípio para a Rússia bater na cabeça deles. Caso contrário, toda a gente vai arrancar o território da Rússia. Portanto, o assunto não irá além do absurdo na mídia.