Como o desmantelamento do "tubo ucraniano" pode se voltar contra a própria Gazprom


De acordo com relatos da mídia nacional, a Gazprom começou a desmontar sua infraestrutura de gasoduto que leva à Ucrânia. Parece ameaçador e nefasto, mas o que realmente está oculto por trás dessa decisão, e isso não prejudicará nosso país mais tarde?


Durante o período soviético, quando a Ucrânia era uma parte respeitada de uma superpotência, muitos oleodutos foram construídos em seu território, cuja capacidade total de entrada ultrapassava 200 bilhões de metros cúbicos de gás por ano, e a produção - 180 bilhões. Durante os anos de "independência", o GTS ucraniano sofreu um desgaste grave: segundo algumas estimativas, cerca de 4 mil quilômetros estão em estado de emergência, outros 18 mil estão quase totalmente desgastados e precisam de reparos. Kiev não tem fundos próprios para esses fins e as tentativas de encontrar investidores não foram coroadas de sucesso.

Os problemas técnicos existentes foram agravados pelo golpe de Estado de 2014, após o qual a Rússia foi oficialmente declarada "agressora". Isso não acrescentou qualquer construtividade à relação, e o Kremlin fez tentativas para dispensar o GTS ucraniano construindo os gasodutos Nord Stream 2 e Turkish Stream. Pode ter funcionado, mas Moscou claramente subestimou a disposição de Washington de conter essas rotas de desvio. Como resultado, o Nord Stream 2 está sob sanções e está "em pausa", e as compras de gás de Ancara através do Turkish Stream diminuíram, como discutiremos em detalhes. contado mais cedo.

No final de 2019, a Gazprom foi forçada a assinar um novo acordo de trânsito com a Naftogaz, segundo o qual bombeará 2020 bilhões de metros cúbicos de gás para a Europa em 60 e 4 bilhões de metros cúbicos cada nos próximos 40 anos. É bastante óbvio que a administração da empresa estatal espera concluir e comissionar o Nord Stream 2 dentro deste período, que é chamado de “assassino do trânsito ucraniano”.

Existe uma situação em que as capacidades de trânsito existentes da Praça da Independência já são excedentes, e em 4,5 anos se tornarão completamente irrelevantes. Ao mesmo tempo, a manutenção da infraestrutura de transporte de gás do lado russo é cara. Estima-se que a Gazprom pode economizar cerca de US $ 1,6 bilhão até o final de 2020 apenas em custos operacionais se fechar 62 lojas de compressores e desmontar 4,3 mil quilômetros de tubulações tronco. Esclareçamos que estamos falando de excesso de capacidades de trânsito.

Bem, de modo geral, pode-se saudar a prudência um tanto inesperada da alta administração da empresa estatal, que está acostumada a facilmente jogar bilhões de orçamentos para a direita e para a esquerda. A economia é boa. Mas agora devemos apontar a pouca reflexão dessa "otimização". É perigoso confiar no Nord Stream 2, uma vez que os Estados Unidos se comprometeram francamente a eliminá-lo. A estabilidade do seu trabalho ficará constantemente no limbo devido às intrigas americanas e europeias, existe também o risco de acidentes difíceis de eliminar sozinhas as condições subaquáticas, uma vez que a Gazprom ainda não possui essas competências.

Especialistas familiarizados com a situação falam a favor não do desmantelamento, mas da desativação do excesso de infraestrutura de dutos. Se então ocorrer uma emergência ou outra exacerbação geopolítica, o que impedirá o monopolista de cumprir suas obrigações contratuais, então nós mesmos nos perguntaremos: "quem é a culpa novamente e como isso aconteceu".
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
5 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Alexey Ushakov Off-line Alexey Ushakov
    Alexey Ushakov (Alexey Ushakov) 18 June 2020 13: 00
    0
    O que mais se poderia esperar de "Seryozha")))
  2. aleksandrmakedo Off-line aleksandrmakedo
    aleksandrmakedo (Dubovitsky Victor Kuzmich) 18 June 2020 15: 17
    +3
    Artigo estúpido de um revisor dedicado. Só ações de desmantelamento decisivas mostrarão, e sobretudo aos destinatários europeus de combustível, que é imperativo completar o pipe-2.
    Este "estrategista" ainda não entendeu que a Alemanha já suspendeu as restrições ao bombeamento de gás pelo duto-1? Ele ainda não sabe que a Alemanha já se preparou para impor impostos mais altos sobre o gás liquefeito do lago, que são chamados de sanções? E a situação com as turbinas a gás Siemens fornecidas para a Crimeia? O interesse em manter relações normais com a Rússia, forçado a reconhecer as turbinas não exatamente Siemens? E quanto à extravagante proposta da Alemanha de suplementar metade do tubo 2 com hidrogênio? Ignorando o pin dos apertar aqui também? A parte não técnica é interessante, pode não ser de todo realizável. O interessante é que os alemães estão puxando essa carroça do lado deles.
  3. polev66 Off-line polev66
    polev66 (Alexandre) 19 June 2020 09: 16
    -1
    O autor ainda vive em uma realidade diferente, sofrendo de grafomania.
  4. bear040 Off-line bear040
    bear040 20 June 2020 00: 47
    +4
    Aqui, Sr. Marzhetsky, a Federação Russa não perde nada por 2 motivos.
    1) O GTS ucraniano está seriamente dilapidado, e investir nele nos termos da Ucrânia não é ruim, nem na Federação Russa, nem na UE, nem nos Estados Unidos.
    2) O trânsito pela Ucrânia estará sempre associado a furtos e todos os tipos de escândalos, de modo que mesmo aqui a Federação Russa, tendo recusado o trânsito pela UKROPIA, pelo menos não perde nada.
    1. Observador2014 Off-line Observador2014
      Observador2014 22 June 2020 23: 53
      -4
      Bear 040, poste uma foto confiável, ou melhor, um vídeo, um cano de gás "dilapidado". E melhor gás principal. Eu quero ver isso cara a cara e viver. rindo Ha ha ha ha. Onde você viu, da palavra em geral, tal? Sabe, Misha, andar pela floresta e falar sobre canos de gás são coisas muito diferentes.