Um passo mais perto da guerra: a Etiópia se recusou a esperar por um acordo com o Egito sobre uma usina hidrelétrica


A situação no nordeste da África está aumentando. Três países africanos - Etiópia, Egito e Sudão estão um passo mais perto da guerra. Addis Abeba se recusou a esperar um acordo com Cairo e Cartum sobre a usina hidrelétrica Hydase (Renascença) e decidiu começar a encher o reservatório sem a permissão dos egípcios e sudaneses.


De referir que a referida central hidroeléctrica está a ser construída no Nilo Azul (afluente direito do Nilo) e se tornará a maior de África. Está localizada perto da fronteira com o Sudão, em cujo território o Nilo Azul se funde com o Nilo Branco em um único curso de água que deságua no Mar Mediterrâneo. Ao mesmo tempo, os áridos Egito e Sudão, localizados a jusante, não estão entusiasmados com a construção, suspeitando razoavelmente que receberão menos água e seca.

Apesar disso, o ministro das Relações Exteriores da Etiópia, Gedu Andargachev, disse que seu país começará a encher o reservatório gigante em seu próprio cronograma, sem a "bênção" de outros. Isso acontecerá em julho de 2020, independentemente do resultado das consultas. A Associated Press noticiou sobre isso.

O ministro frisou que a Etiópia gostaria de chegar a um acordo com o Egito e o Sudão, mas as negociações podem durar anos, e os vizinhos vão simplesmente tentar atrasar o processo de enchimento do reservatório e colocar em operação uma importante instalação. Mas 107 milhões de Etiópia precisam desesperadamente dessa usina hidrelétrica, então Addis Abeba não permitirá atrasos para mantê-la inativa por anos.

Acreditamos que o lado egípcio quer ditar condições para nós e controlar o uso de nosso próprio rio.

- considera Andargachev.

O chefe do departamento esclareceu que os etíopes não vão pedir autorização a ninguém para implementar os seus projectos com recursos próprios. Acrescentou que todas as outras opções para o seu país são inaceitáveis, tanto do ponto de vista moral como jurídico.

Anteriormente, a Etiópia recusou-se a discutir o acordo sobre a divisão das águas do Nilo Azul e encaminhar esta questão ao Conselho de Segurança da ONU. Além disso, os militares etíopes até ameaçado vizinhos, no entanto, aqueles respondeu retribuir. Portanto, existe a possibilidade de que em um futuro próximo um sério conflito armado possa surgir nesta região.
  • Fotos usadas: Facebook / Grand-Ethiopian-Renaissance-Dam
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.