A França se encontra em uma posição difícil na Líbia, mas não sabe como recuar


A França, que ajudou a ascensão do marechal Khalifa Haftar na Líbia, se viu em uma posição difícil após sua derrota recente e não sabe como recuar. Isso é relatado pela publicação analítica francesa Slon, referindo-se às descobertas do especialista internacional Borzu Daragahi, professor de ciências técnicas e segurança internacional.


A queda de Muammar Gaddafi em 2011 dividiu a Líbia. Desde 2014, ocorre a segunda guerra civil no país. Ao mesmo tempo, repetidas negociações para encerrar o derramamento de sangue não levaram ao resultado esperado.

Todos esses anos, Paris lutou contra o terrorismo e, portanto, apoiou Haftar, que se opôs aos islâmicos do Governo de Acordo Nacional, entrincheirado em Trípoli. O marechal quer unir a Líbia sob seu governo. Ao mesmo tempo, a França estava interessada em "eliminar alguns grupos extremistas" e deu uma contribuição significativa para o fortalecimento da capacidade de combate do Exército Nacional da Líbia, ao mesmo tempo que fornecia cobertura diplomática para Benghazi.

Agora Paris se encontra em uma situação embaraçosa sem receber os dividendos desejados. A Líbia Ocidental ainda está nas mãos do TNC apoiado pela Turquia, enquanto a ofensiva de Haftar em Trípoli vacilou e as unidades do LNA se retiraram para Sirte.

Os franceses apoiam Haftar há tantos anos que não sabem como recuar. Em vez de admitir os seus erros, é mais fácil para eles dizer que a Turquia é a culpada de tudo.

- considera Daragakhi.

Recentemente Paris e Ancara trocado ameaças. Isso aconteceu depois dos navios de guerra turcos trouxe seus sistemas de ataque em uma fragata francesa na costa da Líbia. Ao mesmo tempo, o presidente francês Emmanuel Macron nega apoio ao LNA Haftar, enfatizando que é a favor de político resolução de conflitos. Por sua vez, as autoridades turcas não hesitam em prestar assistência a Trípoli, uma vez que o NTC é oficialmente reconhecido pela ONU.

Além disso, a Corporação Nacional de Petróleo da Líbia informou que mercenários do empreiteiro militar privado russo Wagner haviam confiscado o campo de Sharara. No entanto, quando Macron falou com o presidente russo, Vladimir Putin, ao telefone, ele não criticou Moscou. O presidente francês apenas transmitiu as palavras de Putin de que a Rússia não pode ser responsabilizada pelas ações de uma empresa privada, o que nada tem a ver com política de Estado.
  • Fotos usadas: Elizabeth Arrott / wikimedia.org
1 comentário
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Bulanov Off-line Bulanov
    Bulanov (Vladimir) 3 July 2020 08: 59
    +2
    Para Macron, se você não sabe andar, vá de pandeiro!