Política externa: três razões pelas quais a Turquia interveio no conflito da Líbia


A Turquia apóia militar e financeiramente o NTC na Líbia - o governo em Tripoli, reconhecido pela comunidade internacional. Ancara envia militantes e militares para ajudar as tropas de Faiz Saraj técnica... Mas por que Erdogan apóia o Governo de Acordo Nacional e por que a Turquia interveio no conflito líbio? O assunto está sendo analisado por especialistas em Política Externa.


De acordo com analistas de FP, existem três razões principais. O primeiro é o compromisso de Erdogan política o partido governista AKP no país, cuja agenda externa é freqüentemente chamada de "neo-otomana". A Turquia, assim, seguindo o caminho do Partido da Justiça e Desenvolvimento, está restaurando gradualmente sua influência militar e política nos países que pertenceram ao Império Otomano. Os sucessos militares da Turquia na Líbia são benéficos para o status do AKP e permitem que a imprensa elogie Erdogan (o que pode ser importante antes da eleição presidencial de 2023), apesar de modesto econômico realizações deste último na própria Turquia.

A segunda razão possível é que as ações de Ancara na Líbia minam os interesses econômicos da Grécia, Egito, Chipre e Israel na região. As autoridades destes países pretendem criar um consórcio para o desenvolvimento de campos de gás no Mediterrâneo Oriental, o que é desvantajoso para a Turquia, que tem aqui interesses económicos próprios. Além disso, na base econômica dos países mencionados, pode-se criar uma aliança quase política dirigida contra a Turquia, que esta tenta impedir.

A terceira razão para a intervenção da República Turca nos assuntos líbios é a capacidade de enfrentar o Egito e os Emirados Árabes Unidos na Líbia. As contradições entre a Turquia e o Egito são bem conhecidas. Ambos os estados estão em lados opostos dos principais problemas que preocupam o Oriente Médio, incluindo Síria, Gaza e o bloqueio do Catar. A Turquia também é um grande apoiador da Irmandade Muçulmana, abrigando seus membros em Istambul e encorajando propaganda anti-egípcia em todo o mundo.

Os Emirados Árabes Unidos estão ao lado do Egito em sua oposição à Turquia. As autoridades turcas acusam Abu Dhabi de apoiar o Partido dos Trabalhadores Curdos (uma organização terrorista proibida na Turquia), Bashar al-Assad na Síria, a política anti-turca na Somália e no Iêmen, bem como envolvimento no golpe anti-estado em Ancara em 2016.

A política externa da Turquia na região do Oriente Médio tem uma cor antiocidental e nacionalista, mais claramente demonstrada pelos turcos na Síria e na Líbia. Com base nisso, analistas de política externa acreditam que as autoridades turcas não devem se surpreender com a oposição a Erdogan do Ocidente e das potências regionais.
3 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. 123 Off-line 123
    123 (123) 10 July 2020 18: 44
    0
    Que tipo de análise é essa? afiançar

    A política externa da Turquia na região do Oriente Médio é antiocidental, nacionalista.
    ... As ações de Ancara na Líbia minam os interesses econômicos da Grécia, Egito, Chipre e Israel na região ...
    A Turquia também é o principal apoiador da Irmandade Muçulmana, abrigando seus membros em Istambul e incentivando a propaganda anti-egípcia ...
    Emirados Árabes Unidos está ao lado do Egito em seu confronto com a Turquia

    A Política Externa não lê jornais? Onde estão Putin, Wagner, Mozart? Onde "a Rússia definitivamente deveria colocar Erdogan em seu lugar"? Onde estão os mercenários, a aviação russa, a cavalaria?
    O que está acontecendo com o jornalismo americano? afiançar Afinal, a publicação será encerrada. o que
  2. Boriz On-line Boriz
    Boriz (boriz) 12 July 2020 11: 48
    +3
    Erdogan não está jogando contra ninguém. Ele está tentando jogar pela Turquia. Estas são as últimas tentativas histéricas de salvar a Turquia do colapso econômico e da desintegração territorial. Não haverá paz global. O mundo será dividido em várias zonas monetárias. Os líderes regionais bloquearão o fluxo livre de capital e bens. Cadeias tecnológicas (movimento de mercadorias desde a matéria-prima até o consumidor final) serão rompidas repetidamente. E as pessoas ficarão terrivelmente surpresas: como países tão poderosos e tecnologicamente avançados podem se ver em um terrível fracasso.
    A Turquia é um excelente exemplo. Eles não produzem nada que não possa ser feito sem, e seus recursos (matérias-primas, energia) são desastrosamente escassos.
    Os chefes das zonas abrirão seus mercados (e seus subordinados) apenas como um grande favor aos seus leais. E aqueles que agora estão latindo para a Federação Russa rapidamente e tristemente entenderão o que exatamente os Ramsés enganaram. A mesma situação com as matérias-primas.
    E Erdogan (ao contrário de muitos outros) entende isso e está tentando fornecer a si mesmo pelo menos hidrocarbonetos. Mas ele não entende que, ao jogar para si mesmo, involuntariamente joga contra todos. Portanto, ele não tem chance.
    E eles não vão esmagá-lo completamente na Líbia (embora pudessem). Por enquanto, os principais jogadores precisam de uma guerra lenta para que (Deus me livre) ninguém (não importa quem) comece a produzir hidrocarbonetos na Líbia normalmente. E Erdogan (novamente, sem querer) ajuda seus oponentes a impedir que os hidrocarbonetos da Líbia entrem no mercado.
    “Não precisa do violinista, querida ...” (C)
    1. Vladimir Tuzakov Off-line Vladimir Tuzakov
      Vladimir Tuzakov (Vladimir Tuzakov) 18 July 2020 15: 55
      +1
      Em geral, você tem razão, apenas a Rússia deve ser rapidamente retirada da agenda dos participantes da Líbia, mesmo na forma de "sinfonias de Wagner", porque haverá um claro exagero em participar de dois conflitos de longa duração ... Ainda há muitos casos na Síria ...