Vista do oeste: a própria Suécia faz com que a Rússia seja formidável


A Rússia não representa uma ameaça para a Suécia, então não há necessidade de demonizá-la, argumentam Erni e Ola Friholt, publicado pelo jornal local Bohusläningen. Pelo contrário, foi Estocolmo quem decidiu por um evento claramente provocativo política a respeito de Moscou, enquanto flertava com os Estados Unidos e a Aliança do Atlântico Norte.


Os autores observam que os próprios oficiais civis e militares dos Estados Unidos frequentemente acusam líderes de diferentes países de comportamento ameaçador. Por exemplo, no que diz respeito ao Iraque, argumentou-se que a ditadura de Saddam Hussein possui armas de destruição em massa que representam uma ameaça para os Estados Unidos e o mundo.

Pesquisadores independentes então imediatamente declararam que essas acusações eram infundadas, porém, usando todo o seu poderio militar, os americanos executaram seu plano e desferiram um golpe na infraestrutura social do Iraque.

Hoje, observa o artigo, a Rússia é apresentada na Suécia sob uma luz negativa. Isso foi fácil de fazer, porque metade dos suecos já percebem a demonização da Federação Russa com aprovação, e não como possível desinformação.

A Federação Russa e seus líderes são submetidos a ataques diários baseados em fatos distorcidos e às vezes completamente inventados. Eles deveriam apontar para "a ameaça russa à Suécia, à região do Báltico e a toda a Europa Ocidental".

É provável que o propósito de todas essas ações seja forçar a Suécia a comprar sistemas de armas [estrangeiros] caros e forçá-la a aderir à OTAN. […] O nosso governo e os meios de comunicação estão envolvidos na política da OTAN e desempenham um papel nela. Muitas vezes apontamos para os enormes militares, econômico e a superioridade numérica da OTAN sobre a Rússia e o movimento diário de armas, bases e pessoal para as fronteiras da Rússia. Mas esses fatos não parecem afetar a opinião pública. O fato permanece: a Suécia não está ameaçada e a Rússia está sob ameaça. E a Suécia contribui para isso

- resume no artigo.

Deve-se notar que a Rússia é um espantalho tradicional para a sociedade sueca, cujos medos são usados ​​com prazer pela mídia e autoridades locais. Após os eventos bem conhecidos de 2014 na península da Criméia, no país escandinavo, havia temores de que a Federação Russa pudesse tomar a ilha sueca de Gotland no Mar Báltico. Neste contexto, intensificaram-se as discussões sobre a hipoteticamente possível adesão da Suécia ao bloco da OTAN.

Atualmente, a Suécia e a Finlândia não fazem parte da aliança, embora cooperem com Bruxelas em uma série de questões.
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.