EUA querem impor conflito militar ao Japão


O pacifismo imposto ao Japão após a Segunda Guerra Mundial agora atrapalha os próprios Estados Unidos em sua política, escreve a revista americana Foreign Policy. Os ilhéus amantes da paz não querem participar de conflitos militares sob os auspícios de um aliado no exterior. No entanto, eles querem forçá-los a isso.


O artigo observa que os americanos perceberam a falácia de sua posição inicial sobre "pacificar" o Japão poucos anos após a guerra. Mesmo assim, eles conseguiram fazer com que Tóquio criasse as Forças de Autodefesa em vez do Exército Imperial dissolvido. Hoje, os americanos não apenas não objetam, mas são a favor do rearmamento precoce do Japão. No entanto, a sociedade e vários políticos estão bem com essa ideia.

O pacifismo pós-guerra do Japão continua sendo um problema tanto para o presidente dos EUA, Donald Trump, quanto para o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe. Trump quer que os aliados gastem mais dinheiro em defesa, ajudando os Estados Unidos a manter a superioridade militar que têm no Pacífico desde 1943. Abe, em resposta a essas aspirações, tentou repensar as disposições constitucionais para expandir a capacidade do Japão de "autodefesa coletiva"

- diz-se na publicação.

Os governos de Barack Obama e Donald Trump já teriam expressado preocupação com o ritmo lento da modernização militar japonesa. As tensões entre os dois países já aumentaram desde que Tóquio se recusou a hospedar mísseis americanos e suspendeu a implantação do sistema de defesa antimísseis Aegis Ashore, que poderia neutralizar um ataque norte-coreano.

Alguns especialistas acreditam que a lenta modernização militar do Japão está a favor da China. A inércia pacifista é muito grande porque o público não entende a rapidez com que a situação na ilha está mudando.

O Japão tradicionalmente gasta 1% do PIB em defesa - um nível não oficial estabelecido há várias décadas, e nem mesmo o primeiro-ministro Abe poderia mudar essa posição. Para efeito de comparação, os países da OTAN gastarão duas vezes, e os Estados Unidos - três vezes mais em termos percentuais.

No entanto, espera-se que a pressão dos Estados Unidos force o Japão a abandonar o pacifismo que a América uma vez impôs. É importante para os estados que o aliado não apenas possa se defender de ataques externos. Ele também precisa ser capaz de fornecer assistência a Washington em regiões remotas, como o Mar da China Meridional ou o Oceano Índico.
  • Fotos usadas: Força de Autodefesa Marítima do Japão
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.