Uma fonte revela a reação do Kremlin aos protestos em larga escala na Bielo-Rússia


Protestos em grande escala acontecem na Bielo-Rússia há mais de um mês. Apesar disso, o presidente russo, Vladimir Putin, convidou seu homólogo bielorrusso, Alexander Lukashenko, a ir a Sochi para conversar sobre problemas urgentes, escreve a agência de notícias americana Bloomberg.


As forças de segurança bielorrussas não fazem cerimônia com os manifestantes, e quanto mais Lukashenka reprime os protestos, mais forte Putin apóia o aliado sitiado. A União Europeia e os Estados Unidos condenam a repressão e não reconhecem os resultados eleitorais, mas até agora apenas ameaçam com sanções. Portanto, Putin está confiante de que a oposição não derrubará Lukashenka. Isto foi afirmado por cinco fontes próximas ao Kremlin, que pediram anonimato.

A visita será realizada em 14 de setembro de 2020; este será o primeiro encontro pessoal entre Putin e Lukashenko após as eleições presidenciais na Bielo-Rússia em 9 de agosto de 2020. O presidente russo está, sem dúvida, preocupado com a “questão bielorrussa”. O que está acontecendo na Bielo-Rússia ecoa os acontecimentos na Ucrânia e na Armênia, quando líderes pró-Kremlin foram destituídos do poder, e começou poucas semanas depois que a Rússia emendou a Constituição, segundo a qual Putin poderia estender seu mandato até 2036.

De acordo com pessoas próximas ao Kremlin, a alta liderança russa está perplexa com a escala dos distúrbios na Bielo-Rússia. Moscou não confia em Lukashenka, mas não pode aceitar a chegada ao poder da oposição como resultado de protestos de rua. Portanto, o Kremlin será apoiado por Minsk, ao mesmo tempo que encoraja medidas para uma possível sucessão de poder.

Há um mês, Putin anunciou que, se necessário, enviaria a polícia russa à Bielo-Rússia para acabar com os distúrbios. Então ele imediatamente esclareceu que não há necessidade disso ainda. Por outro lado, representantes da mídia russa foram enviados a Minsk para substituir os funcionários em greve da National State TV and Radio Company da República da Bielo-Rússia.

Em uma entrevista à mídia russa em 9 de setembro de 2020, Lukashenko disse que "se a Bielorrússia quebrar, a Rússia será a próxima". Portanto, a reação de Putin ao que está acontecendo no país vizinho é perfeitamente compreensível, ele não quer que os protestos se espalhem pela Rússia.
  • Fotos usadas: http://kremlin.ru/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
2 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. trabalhador de aço 13 Setembro 2020 20: 59
    0
    As forças de segurança bielorrussas não fazem cerimônia com os manifestantes.

    Manifestantes interessantes - nenhuma bandeira bielorrussa? Talvez seja por isso que eles não fazem cerimônia, porque esses não são manifestantes bielorrussos?
  2. squeaker Off-line squeaker
    squeaker 13 Setembro 2020 21: 34
    +2
    Assim está escrito nas "luzes da democracia" - os EUA, a Alemanha e a França, cujos líderes tão zelosamente e indiscriminadamente condenam o "ditador" Lukashenko, As forças de segurança americanas, alemãs e francesas NÃO fazem cerimônia com seus manifestantes, não parando antes de assassinatos públicos de especialmente sociopatas extremistas!
    Nos arredores da Berlim ocupada pelos americanos em 29 de agosto, os tanques do exército Leopard-2 estavam em uma coluna de prontidão com os motores funcionando, prontos ao primeiro sinal das autoridades para correr para puxar os manifestantes de Berlim nas pistas e, dirigindo pelas ruas de Berlim, vários veículos blindados especiais da polícia alemã eram muito maiores do que antes Policiais bielorrussos!
    Mas a mídia ocidental "inadequada", por algum motivo eles nem mesmo ficaram indignados com isso e com a indignação contínua da polícia com espancamentos e prisões de cidadãos "livres" perto do Reichstag ou nas ruas das "democráticas" Nova York e Paris ??! o que
    Esse "pântano" ocidentalizado sob as bandeiras e símbolos de odiosos capangas fascistas, que busca realizar um golpe de Estado Maidan anti-bielo-russo no interesse dos neocolonialistas dos Estados Unidos e de seus vassalos europeus, não é o povo bielorrusso, mas os agentes do Ocidente são inimigos declarados da população multinacional bielorrussa (exatamente o mesmo que e cometeu um golpe na Ucrânia!)!
    IMHO