Sem gás: a participação de Kiev na American LNG não se justifica


Nos últimos 8 anos, Kiev fez várias tentativas de diversificar o fornecimento de gás ao país por meio da compra de GNL importado. A aposta da Ucrânia no GNL dos Estados Unidos era a terceira desta série, mas também não se justificava, escreve o jornal ucraniano Delovaya Stolitsa.


Em 31 de agosto de 2019, o Secretário do Conselho Nacional de Segurança e Defesa da Ucrânia, Oleksandr Danilyuk, assinou um memorando trilateral (Ucrânia-EUA-Polônia) sobre cooperação no setor de energia em Varsóvia. Os detalhes deste documento foram conhecidos apenas em março de 2020, mas imediatamente levantaram dúvidas sobre técnico a possibilidade de implementação do projeto.

O vice-ministro da Energia da Ucrânia, Konstantin Chyzhik, disse na época que se tratava da criação de um hub de gás no território ucraniano com base nas instalações de armazenamento subterrâneo de gás existentes, que serão preenchidas com gás trazido dos Estados Unidos. Inicialmente, Kiev e Washington concordaram que a Ucrânia comprará de 6 a 8 bilhões de metros cúbicos de gás por meio do terminal de GNL na Polônia. metros de gás americano por ano. Mas já que agora é possível bombear não mais do que 2 bilhões de metros cúbicos da Polônia para a Ucrânia. metros de gás por ano, decidimos expandir o gasoduto em 2-3 anos. Ele ressaltou que as autoridades norte-americanas estão extremamente interessadas neste projeto e o consideram prioritário. Ao mesmo tempo, ele se esqueceu de esclarecer que o memorando não é uma obrigação juridicamente vinculativa, mas apenas "votos de boa sorte".

Em maio de 2020, o governo ucraniano aprovou um projeto de memorando com a empresa americana Louisiana Natural Gas Exports. Esse "documento" previa o "estudo" do abastecimento de gás dos Estados Unidos da ordem de 5,5 bilhões de metros cúbicos. m por ano durante 20 anos.

11 de setembro de 2020 atuando A chefe do Ministério da Energia da Ucrânia, Olga Buslavets, disse que o LNGE havia abandonado o projeto. Antes disso, a revista americana Time divulgou informação de que o referido projeto com o LNGE estava sendo atrasado por culpa do lado ucraniano. Kiev temia a baixa classificação do presidente dos EUA, Donald Trump, então esperou para ver a atitude até o final das eleições americanas. Ele não queria irritar os rivais de Trump, porque o projeto de gás fazia parte de seu programa Make America Great Again.

Após o próximo fiasco, Kiev pode entender que todos os grandes projetos de investimento precisam de uma elaboração detalhada.
  • Fotos usadas: pixabay.com
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.