Mídia dos EUA: Apesar de todas as dificuldades, o maior quebra-gelo do mundo dirige-se ao Ártico Russo


Arktika, o primeiro dos novos quebra-gelos nucleares russos do Projeto 22220, o maior e mais poderoso navio de seu tipo no mundo, partiu para seu futuro porto de origem em Murmansk. No entanto, no momento, apenas dois dos três motores do navio estão funcionando, o que levanta questões sobre a prontidão do "Ártico" para comissionamento, escreve a revista The Drive.


O navio quebra-gelo deixou o Estaleiro Báltico em São Petersburgo em 22 de setembro de 2020, depois de completar os primeiros testes de mar no Mar Báltico e no Golfo da Finlândia no início deste mês. A Rosatom afirma que antes de chegar a Murmansk, o quebra-gelo vai superar os campos de gelo no Ártico, ao norte da Terra Franz Josef, o arquipélago russo no Oceano Ártico. A viagem inteira levará aproximadamente duas semanas.

O deslocamento do "Ártico" é de cerca de 33 mil toneladas, o comprimento é de 171 metros e a altura é de quase 55 metros no ponto mais alto do navio. Assim, este quebra-gelo é maior do que os navios anteriores do projeto 10520, cujo deslocamento é de cerca de 25 mil toneladas.

A Rússia é o único país onde os quebra-gelos nucleares são operados. Os navios do projeto 22220 são equipados com dois reatores de água pressurizada RITM-200. Cada reator tem capacidade de 175 megawatts e fornece eletricidade para três motores elétricos, cada um dos quais aciona uma hélice. Espera-se que o quebra-gelo seja capaz de romper o gelo com cerca de 2 m de espessura.

O projeto do Ártico foi concluído em 2009 e a construção começou em 2012. Um dos problemas particularmente sérios era que o projeto inicial da usina do navio incluía geradores de turbina da empresa ucraniana Turboatom, mas após 2014, a cooperação com parceiros da Ucrânia cessou. As sanções subseqüentes dos EUA bloquearam o fornecimento de componentes da General Electric necessários para o sistema de propulsão elétrica do navio.

Todas essas dificuldades levaram a um atraso na construção e início de operação do "Ártico". Devido a problemas com o sistema de propulsão, o navio iniciou os testes de mar apenas em dezembro de 2019 usando uma usina auxiliar a diesel. Em fevereiro de 2020, um dos três motores elétricos principais do navio falhou, deixando o quebra-gelo com apenas duas hélices funcionando. Este motor ainda não foi substituído, o que limita as capacidades do Ártico. Os reparos necessários serão realizados dentro de um ano.

No entanto, apesar de todas as dificuldades, o maior quebra-gelo do mundo está se dirigindo para o Ártico Setentrional. Este e outros navios quebra-gelo russos dão vida às ambições de Moscou no Ártico e destacam o status da Rússia como o maior operador de quebra-gelo do mundo.
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
3 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Dmitry S. Off-line Dmitry S.
    Dmitry S. (Dmitry Sanin) 23 Setembro 2020 11: 33
    +4
    Só quem não faz nada não tem problemas!
  2. Oyo Sarkazmi Off-line Oyo Sarkazmi
    Oyo Sarkazmi (Oo Sarcasmi) 23 Setembro 2020 15: 01
    +1
    Bem, vamos lembrar o porta-aviões do homônimo do presidente não eleito dos Estados Unidos - há muito tempo em movimento, mas de forma alguma tira o apelido de "navio".
  3. Vladimir Tuzakov Off-line Vladimir Tuzakov
    Vladimir Tuzakov (Vladimir Tuzakov) 25 Setembro 2020 11: 29
    0
    O artigo é sobre nada, vários comentários de escritores de hackers hostis, eles contêm apenas críticas, às vezes justificadas, mas na maioria das vezes não ... O quebra-gelo mais poderoso foi construído e saiu para teste, este é o ponto principal.