A mídia americana citou quatro mitos geopolíticos sobre a Rússia


O retorno da Rússia ao lugar central no cenário mundial em toda a sua glória mostrou a estupidez de muitos cientistas ocidentais e políticosque anteriormente o ignorou ou argumentou depreciativamente que não há lugar para Moscou no novo mundo que começou depois de 11 de setembro de 2001.


Essa observação consta de um novo artigo analítico publicado no site do Center for Strategic and International Studies de Washington. O autor é o diretor do currículo de West Point em relações exteriores, Robert Person.

Conforme observado, é possível que seja precisamente por causa do desdém pelo papel da Rússia no século XXI que tantos equívocos sobre seus objetivos na política internacional tenham surgido. O novo artigo, de acordo com seu compilador, "expõe" quatro mitos comuns sobre a grande estratégia da Rússia.

A primeira ilusão reside no fato de que a política externa da Federação Russa tem uma base ideológica.

As bases da grande estratégia da Rússia podem ser encontradas não na ideologia, mas em um estado mais universal e mundano de insegurança geopolítica.

- anotado na publicação.

Isso, como sugere o estudo, existe desde os tempos imperiais. A Rússia, segundo o Sr. Person, tendia à expansão justamente por sua vulnerabilidade: mesmo quando as tropas czaristas se apoderavam deste ou daquele território, isso o fazia sob o pretexto de impedir a invasão dessas terras por outras grandes potências. A próxima região foi conquistada para proteger aquisições anteriores.

Segundo mito consiste na afirmação de que a Federação Russa busca restaurar o controle total sobre o território da ex-União Soviética ou do Império Russo.

A pesquisa sugere que isso também não é verdade. Em vez de um império territorial sob controle direto, o Kremlin tenta estabelecer uma esfera de influência privilegiada nos territórios da ex-União Soviética. Argumenta-se que a Rússia está buscando um status especial que dará a Moscou um voto decisivo em cada um dos países pós-soviéticos. Incluindo o direito de intervenção, se necessário.

O terceiro mito: A Rússia está tentando restaurar a ordem mundial de Yalta que tomou forma após a Segunda Guerra Mundial.

Na realidade, a ordem que a Federação Russa pretende estabelecer é um sistema multipolar no qual grandes potências governam o resto do mundo e coordenam suas ações para salvaguardar seus próprios interesses nacionais. No entanto, não pode ser restaurado porque nunca existiu. A paz de Yalta durou até o discurso de Fulton de Churchill.

E o mito final é como os comentaristas estão questionando a própria existência da grande estratégia da Rússia, argumentando que o presidente russo, Vladimir Putin, é um oportunista, não um estrategista.

Observa-se que "o oportunismo habilidoso de Putin o torna um estrategista eficaz", embora ele tenha realmente falhado no Donbass e, como resultado, "um conflito do qual Moscou parece incapaz de sair" emergiu.
  • Fotos usadas: http://kremlin.ru/
6 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Tamara Smirnova Off-line Tamara Smirnova
    Tamara Smirnova (Tamara Smirnova) 26 Setembro 2020 10: 57
    +1
    Os espertos ianques morreram, só sobraram os estúpidos, cuja presunção pressiona seu crânio vazio até esmagá-lo.
    1. Vladimir Tuzakov Off-line Vladimir Tuzakov
      Vladimir Tuzakov (Vladimir Tuzakov) 26 Setembro 2020 11: 06
      -2
      Não subestime o inimigo, um caminho claro para a derrota ... Os americanos estão trabalhando em seus próprios interesses. e impor a sua opinião desejada ... É necessário avaliar a direção dos desejos e intenções do lado oposto e agir com alterações a esses interesses e esforços identificados.
  2. Alexzn Off-line Alexzn
    Alexzn (Alexandre) 26 Setembro 2020 11: 51
    0
    Não vejo nenhuma contradição particular nas estimativas apresentadas dos "mitos".
    1. Caro especialista em sofás. 27 Setembro 2020 00: 03
      +2
      Não vejo nenhuma contradição particular nas estimativas apresentadas dos "mitos".

      Naturalmente, você não vê, porque todos esses mitos nada mais são do que fruto da imaginação inflamada de “jornalistas”.
      Na verdade, tudo é muito mais banal e simples: dois acampamentos beligerantes e confinantes aproveitam todas as oportunidades disponíveis para criar "zonas tampão" entre si, proporcionando a esses lados, no "caso de casos", pelo menos algum tipo de distância operacional tática ( bem, o que não é uma pena, se tanto ..)
      Daí a Geórgia, Ucrânia e Bielo-Rússia.
      Um furo no Ocidente saiu com os países Bálticos .. correu para admitir a UE e a OTAN .. mas agora temos que viver com o que eles têm.
      Portanto, os poloneses estão nervosos com a possível admissão da Bielo-Rússia na Rússia - afinal, eles terão que se tornar uma "zona tampão")
  3. GRF Off-line GRF
    GRF 26 Setembro 2020 16: 43
    0
    Um mito obsoleto e inoperante deve ser - substituído por um novo mito ...

    (c) MythBusters :)
  4. Velhote Off-line Velhote
    Velhote (Velhote) 26 Setembro 2020 17: 44
    +1
    Qualquer conclusão será total ou parcialmente equivocada se você não levar em consideração as conclusões do "Conceito de Núcleo e Periferia"

    https://www.proza.ru/2018/12/17/810

    - e daí decorre que de acordo com a Lei do Movimento, qualquer processo, e o desenvolvimento da humanidade é um PROCESSO, sempre tem um NÚCLEO e um PERIFÉRICO. É na oposição desses dois pólos do Um Todo que a Evolução se constrói.
    A periferia é mais livre e imprudente. Seu papel é encontrar, a qualquer custo, tudo de novo, sem se preocupar com as consequências de tais ações.
    O kernel é mais conservador e criterioso. Sua função é selecionar, preservar e transmitir a outros os locais necessários (mas seguros) da Periferia.
    No momento, o Ocidente (e a Polônia gravitando em direção a ele) é a periferia desse Processo. E a Rússia é o NÚCLEO. Essa oposição natural do Núcleo Espiritual e da Periferia Intelectual da população humana é percebida pelas pessoas (devido à falta de Conhecimento real) como hostilidade.
    A Rússia não apenas pode, mas DEVE ser grande e forte. Isso só vai tornar o mundo todo melhor.
    Isso não é um capricho dos russos, esses são os requisitos das Leis Primordiais Unificadas - o equilíbrio deve ser observado!
    Aqui estão as explicações sobre a Rússia e seu papel na história mundial - "Deus. Terra. Homem" (em particular, parte I, capítulo X e parte II, capítulo VIII)