Concorrente Boeing e Airbus: Rússia e China não concordam com o CR929


A implementação do projeto russo-chinês da aeronave CR929 de grande porte e longo alcance foi suspensa. Sérios desacordos surgiram entre Moscou e Pequim, que impedem a criação de um promissor avião capaz de participar do mercado da Boeing e da Airbus, escreve a edição online do Asia Times, de Hong Kong.


Autoridades russas e especialistas técnicos não podem concordar com seus homólogos chineses, o que ameaça o colapso de todo o projeto para o deleite dos concorrentes americanos e europeus. Este projeto já foi promovido pelo líder chinês Xi Jinping e pelo presidente russo Vladimir Putin como um exemplo de cooperação entre os dois países para superar a "cortina de ferro" tecnológica do Ocidente. Mas agora sua implementação foi adiada, uma vez que as partes não chegaram a um acordo sobre os detalhes.

Uma fonte da estatal chinesa de aeronaves (Comac) informou sobre as disputas em andamento que podem se arrastar por um longo tempo. Ao mesmo tempo, a UAC russa confirmou que a produção do avião comercial foi adiada 4 anos em relação ao cronograma previamente planejado e seu aparecimento está previsto para 2029. Isso transforma o vôo inaugural do CR929 em um sonho quase impossível.

Mais de quatro anos se passaram desde que Moscou e Pequim decidiram unir forças no mercado de aeronaves de passageiros. Em 2017, uma joint venture entre a Comac e a UAC foi estabelecida em Xangai. Seu local era o aeroporto de Pudong, onde ainda acreditam na possibilidade de um avião comercial em 2025. Mas, na realidade, o destino do CR929 está em jogo.

O chefe do Ministério da Indústria e Comércio da Rússia, Denis Manturov, disse à mídia sobre as divergências entre Moscou e Pequim. Ele acusou os chineses de quererem assumir a chave tecnologias e, ao mesmo tempo, recusam-se a abrir seu mercado doméstico. Mas ele garantiu que a Rússia não abandonaria este projeto.

A Comac, por sua vez, afirmou que Moscou tem interesse apenas em vender peças de reposição para Pequim e não quer compartilhar tecnologias importantes. Por exemplo, o UAC insiste que o projeto da fuselagem CR929 seja baseado no projeto do desatualizado Il-86. Mas a Comac se recusa a aceitar o "projeto soviético medieval". Além disso, a Rússia pretende usar a Índia na produção de componentes, deixando a Comac com a montagem final do CR929. Pequim rejeita categoricamente tais planos e insiste em uma participação mais séria no projeto, cujo custo será de US $ 13-20 bilhões.
  • Fotos usadas: http://www.comacamerica.com
4 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. trabalhador de aço 29 Setembro 2020 15: 46
    0
    Só sabemos fazer produtos militares do zero? E os chineses, é claro, ficam atrevidos. Primeiro concordamos com um projeto com peças sobressalentes e agora fornecemos tecnologia!
    1. yuratanja1950 Off-line yuratanja1950
      yuratanja1950 (Yuri) 30 Setembro 2020 10: 36
      -1
      Citação: fabricante de aço
      E os chineses, é claro, ficam atrevidos. Primeiro concordamos com um projeto com peças de reposição e agora fornecemos tecnologia!

      Hmm ... E me parece que uma das razões para a frenagem chinesa do projeto é a vontade da Rússia de concluir o projeto com peças de reposição fabricadas na Índia ... Leia o texto do artigo com atenção ...
      Surpreendente ... E isso apesar do fato de que a Índia parou o desenvolvimento conjunto do lutador ... recurso
  2. Sergey Latyshev Off-line Sergey Latyshev
    Sergey Latyshev (Sarja) 30 Setembro 2020 00: 40
    0
    Isso, não isso, mas a próxima promessa de curvar e curvar acaba sendo zero.
    O Superjet está sendo otimizado, até os índios já fugiram do ILA, agora CR.
    Continua sendo MC, agora está polido com promessas ...
  3. igor.igorev Off-line igor.igorev
    igor.igorev (Igor) 1 Outubro 2020 12: 58
    +2
    Os chineses realmente querem ter tecnologia, mas ninguém vai dar. Seu principal objetivo era obter tecnologia de motor. Mas aqui tudo é muito ruim para os chineses. Ninguém vai vender essas tecnologias para eles.