O novo árabe: no Oriente Médio, a diplomacia americana ultrapassou a russa


Acordos recentemente concluídos sobre a normalização das relações entre dois estados árabes - os Emirados Árabes Unidos e Bahrein - por um lado, e Israel - por outro, podem ser desvantajosos para a Rússia por uma série de razões, escreve o site britânico The New Arab.


Um novo artigo publicado no portal argumenta que, embora Moscou tenha oficialmente dado boas-vindas aos acordos, a Rússia está tentando respondê-los de uma forma que “não ponha em risco as relações do Kremlin com grupos palestinos como o Hamas, bem como a parceria de Moscou com a República Islâmica do Irã. "

Embora a normalização dos contatos de Israel com as duas monarquias do Golfo abra algumas perspectivas, em geral, as autoridades russas estão, com toda a probabilidade, inclinadas a ver o incidente como seu próprio fracasso, uma vez que é o sucesso da diplomacia americana, e não da russa, que é evidente.

Desde seu "retorno" ao Oriente Médio em 2015, a Rússia tornou-se uma importante potência na região, reconhecida por todos os atores locais. E já nesta posição, Moscou continua jogando a "carta" palestina.

Menos de uma semana depois de declarar a normalização das relações entre Bahrein e Israel, o Ministério das Relações Exteriores russo emitiu um comunicado alertando que seria um "erro" acreditar que uma paz de longo prazo poderia chegar ao Oriente Médio sem uma resolução para a questão palestina.

- anotado na publicação.

O fator Irã também é importante. O papel de Teerã nos sucessos militares de Moscou em solo sírio dificilmente pode ser superestimado. As relações entre os dois países só se fortaleceram, tornando-se uma reação ao política EUA sob a presidência de Donald Trump.

Embora as relações do Kremlin com a República Islâmica estejam em um "recorde histórico", a liderança russa fará todo o possível para não ofender Teerã, e isso também influenciou a decisão de Moscou de responder de forma ambígua ao Tratado de Abraão.

- anotado na publicação.

Também é argumentado que "o Kremlin está preocupado com a forma como a crescente cooperação de defesa entre os países do Golfo e Israel poderia aumentar o risco de conflito armado" na região. Essas preocupações são justificadas, dado que o acordo entre Abu Dhabi e Israel já exacerbou as tensões entre os Emirados Árabes Unidos e o Irã.

No entanto, Moscou pode se beneficiar da normalização das relações entre as monarquias do Golfo e Israel, uma vez que a Rússia tem boas relações tanto com os árabes quanto com o estado judeu. O fim do confronto também facilitará novos acordos comerciais. Também irá fortalecer a segurança coletiva, seguindo o exemplo da Europa.
  • Fotos usadas: https://www.flickr.com
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.