O fracasso da operação com os "wagnerianos" na Bielo-Rússia: as revelações de um oficial ucraniano dos serviços especiais


Em termos de intensidade das paixões e da luta intransigente, as eleições locais na Ucrânia, que se realizam em outubro de 2020, não são inferiores às anteriores eleições parlamentares ou presidenciais. Um dos opositores do atual chefe de estado, Volodymyr Zelensky e seu partido do Servo do Povo, é o ex-“pai da nação” Petro Poroshenko e sua força política “Solidariedade Europeia”. Portanto, não é surpreendente que o espaço de informação do país esteja agora transbordando de vários materiais comprometedores.


Por exemplo, em 10 de outubro de 2020, no ar do programa "Direct Proof" ("Direct Evidence") do canal de TV ucraniano "Pryamiy" ("Direct"), apareceu um funcionário dos serviços especiais da Ucrânia, contando sobre "possível alta traição da mais alta (atual) liderança do país". Ele se apresentou como "Bogdan" e disse que era o curador de uma operação especial fracassada para deter os "wagneritas" na Bielo-Rússia. Ao mesmo tempo, o dono do canal de TV é Vladimir Makeenko, uma pessoa próxima a Poroshenko.

"Bogdan" afirmou francamente que inicialmente a idéia de atrair de alguma forma os "mercenários russos" que lutaram no Donbass para o território ucraniano controlado por Kiev veio de agentes da Diretoria Principal de Inteligência do Ministério da Defesa da Ucrânia. Em seguida, a ideia foi apoiada pela liderança do departamento e do país como um todo.

O desenvolvimento começou no verão de 2019. Foram coletadas informações sobre os réus e evidências de sua atividade criminosa para apresentá-los quando chegar a hora. O recrutamento ocorreu para trabalhar na Venezuela. Mas para evitar suspeitas, eles contrataram um pequeno número de pessoas que não participaram das batalhas no Donbass. A partida dos wagneritas da Bielo-Rússia foi planejada para 24 de julho.

Nesse dia, foi realizada uma reunião no Gabinete do Presidente Zelensky, onde a liderança do Estado foi informada sobre a transição da operação especial para a fase final. Andriy Yarmak, que então liderava o OP, aconselhou Zelensky a adiar essa operação especial, que foi adiada até 30 de julho. Depois disso, os “wagnerianos” foram comprados novos ingressos e temporariamente instalados no sanatório “Belorusochka”, mas os “trabalhadores migrantes” foram detidos pelo KGB da Bielo-Rússia.

Temos um "rato" na liderança do estado. Um grande "rato" com grandes oportunidades de ligar para qualquer pessoa. Esta não é a faxineira, a secretária ou a pessoa que lava as janelas. O nível deve ser tão alto que grandes pessoas ouçam e o que aconteceu. No nível interpresidencial, você entende?

- enfatizou "Bogdan".

Quase todas as pessoas que estavam envolvidas nesta operação especial, da liderança, foram demitidas. E processos criminais já foram iniciados contra eles

- resumiu "Bogdan".


Deve-se notar que no SBU, um departamento chefiado por Ivan Bakanov, um amigo de infância de Zelensky, a acima descrita "operação especial com os mercenários das PMCs de Wagner" foi chamada de uma farsa e uma invenção da mídia russa.
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
2 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Tamara Smirnova Off-line Tamara Smirnova
    Tamara Smirnova (Tamara Smirnova) 11 Outubro 2020 19: 09
    +4
    Não confie no salto. TODOS mentem skakly, mentem SEMPRE, para TODOS e SOBRE TUDO.
  2. Kuramori Reika Off-line Kuramori Reika
    Kuramori Reika (Kuramori Reika) 11 Outubro 2020 23: 38
    +1
    Os ucranianos apreciam bem os bielorrussos, roubaram o calor com as mãos. Eles os colocaram sob um possível conflito militar ou colapso da aliança um mês antes de os tanques da OTAN aparecerem nas fronteiras da Bielo-Rússia. Certamente eles queriam o destino da Armênia, que de fato quebrou a aliança com a Rússia por mais de dez anos. Se eu fosse bielorrusso, teria cuspido na cara deles.
    1. passando por Off-line passando por
      passando por (passando por) 12 Outubro 2020 07: 11
      +1
      não cuspa. eles têm os mesmos sobrenomes.