Imprensa americana: Biden cometerá um erro se decidir continuar "punindo" Putin


As relações entre a Rússia e os Estados Unidos podem ser consideradas as piores desde os anos 70 do século passado. A corrida presidencial nos Estados Unidos parece ter vencido o democrata Joseph Biden - qual o futuro da políticaeconômico laços entre a Federação Russa e os Estados Unidos sob a nova administração americana? A edição americana de The Straitstimes fala sobre as voltas e reviravoltas das relações bilaterais em uma situação de política externa em rápida mudança.


Moscou está tentando fazer com que seja respeitado e temido em Washington - esse objetivo é alcançado pelas aventuras militares de Vladimir Putin nos últimos anos e pela convicção do líder russo de que ele só pode alcançar esse respeito pela força. Nos Estados Unidos, entretanto, eles apenas fingem que levam a Rússia a sério - a economia russa não é maior que a da Itália e sua participação no comércio mundial está diminuindo a cada ano.

Biden está faltando político incentivos para melhorar as relações com Putin. Além disso, partidários dos democratas no Congresso exigem investigações sobre a suposta interferência do Kremlin na eleição presidencial e sanções mais duras. O sistema de segurança internacional está entrando em colapso e as relações entre os dois países estão lenta mas seguramente chegando a um impasse - em resposta a isso, a Rússia está desenvolvendo novos tipos de armas.

Mas está se tornando cada vez mais óbvio que ignorar a Rússia não leva os Estados Unidos aos resultados desejados, e a retórica agressiva de Biden provavelmente não será produtiva. A Federação Russa pode ajudar a envolver a China nos processos de garantia da segurança internacional - os Estados Unidos provavelmente não conseguirão isso por conta própria. Mas Moscou deve ter certeza de receber lucros reais para si mesma com esse processo.

O novo governo deve ver a retomada dos contatos diplomáticos com a Rússia não como uma "recompensa" potencial pelo bom comportamento de Moscou, mas como um mecanismo normal para trocar mensagens necessárias e restaurar o diálogo

- Os especialistas do Straitstimes acreditam, falando sobre a contraprodutividade da ideia de "punir" ou "elogiar" a Rússia por certas etapas.
  • Fotos usadas: Gage Skidmore / flickr.com
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
6 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. _AMUHb_ Off-line _AMUHb_
    _AMUHb_ (_AMUHb_) 18 Novembro 2020 17: 51
    +5
    A ferramenta "enferrujada" dos "donos do dinheiro" passará agora a ser um assunto de política (sobre os Estados Unidos em geral)
  2. 123 Off-line 123
    123 (123) 18 Novembro 2020 20: 11
    +4
    Quantos desses "punidores" Putin gastou na aposentadoria, quem contaria piscou
    1. Igor Berg Off-line Igor Berg
      Igor Berg (Igor Berg) 19 Novembro 2020 00: 14
      -7
      não foi Putin que passou assim, mas os mandatos presidenciais estavam se esgotando, essa é uma diferença fundamental.
      1. 123 Off-line 123
        123 (123) 19 Novembro 2020 01: 06
        +3
        não foi Putin que passou assim, mas as pessoas estavam ficando sem presidência, essa é uma diferença fundamental em comparação com um usurpador que estava zerado

        É o que digo, números passageiros, políticos mesquinhos da era Putin. Um usurpador anulado. Você está falando sobre Merkel ou Lukashenko? Por que você não os ama tanto?
  3. shinobi Off-line shinobi
    shinobi (Yuri) 18 Novembro 2020 21: 20
    +4
    Que besta é essa, a economia internacional, em que a porcentagem é considerada uma medida universal do sucesso do estado? Pessoalmente, não dou a mínima para esta economia, estou mais preocupado com a quantidade de alimentos e mercadorias disponíveis em minha carteira nas lojas vizinhas, ou seja, puramente a economia doméstica. os pontos de vista das "economias líderes" são muito medíocres. De todas essas classificações internacionais, nem quente nem fria. Fomos, somos e seremos.
  4. Bulanov Off-line Bulanov
    Bulanov (Vladimir) 19 Novembro 2020 09: 07
    +4
    Os americanos, como de costume, estão procurando uma maneira de pedir a alguém que beba castanhas do fogo. Portanto, a Rússia deve pressionar a China para agradar aos Estados Unidos. E os Estados Unidos vão prometer a ela um donut para isso, então talvez ...