Popular Mechanics: USA fica com armas dos anos 80


A revista americana Popular Mechanics cita trechos do relatório anual da Heritage Foundation sobre o poderio militar dos Estados Unidos. O relatório examina cada ramo das Forças Armadas (com exceção do Espaço recém-criado), considerando suas capacidades e prontidão para o combate.


O presidente Donald Trump afirmou em várias ocasiões que reconstruiu as forças armadas na tentativa de contrastar os gastos de defesa de sua administração com os do presidente Barack Obama. Não muito tempo atrás, em 22 de maio de 2020, Trump disse a uma audiência na Casa Branca que [nos últimos anos] as autoridades gastaram US $ 2,1 trilhões com esses propósitos.

Além de outras imprecisões, a afirmação de Trump de que ele reconstruiu o exército é essencialmente refutada por um novo relatório da Heritage Foundation. A nova Avaliação do Poder Militar dos EUA diz que o Pentágono fez poucos progressos reais na modernização. O Exército e a Força Aérea permaneceram em estado "limítrofe", ou seja, essencialmente o mesmo dos anos anteriores.

Em alguns casos, a situação já piorou com Trump. De acordo com a Heritage, a Marinha dos EUA está atualmente em status "limítrofe", mas "tende a enfraquecer". Isso significa uma deterioração na capacidade das forças navais de responder às ameaças. A situação não é melhor para o exército.

Outro ramo das Forças Armadas mostrou melhora no ano passado: o Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos. Os fuzileiros navais, de acordo com o novo documento, de "fracos", como foram marcados em 2018 e 2019, passaram para "limítrofes". As armas nucleares dos EUA que estão na Marinha e na Força Aérea, mas operadas pelo Comando Estratégico, também são classificadas como "limítrofes", mas "tendem a ser reforçadas".

O relatório também fornece um inventário de militares técnicos Estados Unidos, que é classificado por idade e capacidade do mais antigo e menos capaz ao mais novo. A maior parte do equipamento militar dos EUA é essencialmente o mesmo que era imediatamente após o fim da Guerra Fria, e essa tendência é especialmente perceptível no exército e na Força Aérea.

A aeronave média da Força Aérea tem trinta anos, e os tanques do exército e veículos de combate de infantaria são os mesmos usados ​​na década de 1980, embora com atualizações críticas para mantê-los relevantes no campo de batalha moderno.

Deve-se notar que tais avaliações já foram ouvidas na imprensa estrangeira anteriormente. Assinalou-se que muitas das armas pertencentes às Forças Armadas dos Estados Unidos pertencem, embora com a revisão necessária, à era da Guerra Fria. E alguns - como, por exemplo, o transportador de pessoal blindado M113 - lutaram no Vietnã.

O rearmamento está sendo realizado, mas longe do ritmo a que foi originalmente calculado. Em particular, essa derrapagem é explicada pela inflação, que prejudicou significativamente o valor do dólar americano em comparação com os anos setenta, bem como pela perda de várias instalações industriais e escolas de engenharia.
  • Fotos usadas: https://www.facebook.com/USForcesJapan/
1 comentário
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Sergey Latyshev Off-line Sergey Latyshev
    Sergey Latyshev (Sarja) 19 Novembro 2020 13: 39
    -3
    Que pesadelo!!!
    Temos, graças a Deus, Kalashnikovs, T-72 e White Swans - novos !!!