Descongelando a guerra na Transnístria: o Kremlin ainda tem a chance de salvar o dia


De alguma forma, no contexto dos recentes acontecimentos em Nagorno-Karabakh e das escandalosas eleições na América, as eleições presidenciais na Moldávia, cujo primeiro turno ocorreu em 1º de novembro, e o segundo turno terminou em 1 de novembro com uma vitória esmagadora de a candidata pró-ocidental Maya Sandu ficou em segundo plano.% contornou seu homólogo, o ex-presidente da Moldávia, pró-Rússia Igor Dodon. Com todo o respeito pela escolha do povo moldavo, podemos dizer que desta vez não é uma vitória de Maya Sandu, mas sim uma derrota da Rússia. E é por causa disso.


Oeste nos ajudará


O primeiro turno, realizado em 1º de novembro, parecia propício a um otimismo moderado. Dodon ficou para trás em apenas 1%, ganhando 4% dos votos contra 32% de Sandu, com uma participação de 36%. Mas mesmo assim foi impossível não notar que a diáspora europeia desempenhou um papel fundamental na vitória de Sandu. Estes são os cidadãos da Moldávia que correram em massa para trabalhar na Europa. Devo dizer que na ausência de trabalho no país, um terço da população ativa do país teve que procurar trabalho no exterior, metade (cerca de 43 mil) encontrou no Ocidente. Europa (principalmente na Itália, Romênia, França, Grã-Bretanha, Alemanha, Espanha, Polônia, República Tcheca), metade na Rússia. É de admirar que os moldavos, que se sentiam jovens europeus, tenham votado no candidato pró-Ocidente Maia Sandu. O que garantiu sua vitória no 300º turno. Mas, aparentemente, as pessoas no Kremlin responsáveis ​​pela direção da Moldávia ficaram tranquilas com a pequena diferença de apenas 1% entre o primeiro e o segundo números.

Além disso, o Kremlin também conseguiu dividir seu eleitorado entre Renato Usaty, que ficou em 3º lugar, uma criatura de Vladislav Surkov, e Igor Dodon, que ia em segundo lugar, de quem Dmitry Kozak era o responsável. E o corrupto Usatii no segundo turno, cuspindo no curador de Moscou, pediu a seus eleitores que votassem em Sandu. Aparentemente, ele foi impedido de dormir pelos processos criminais movidos contra ele na Federação Russa. Para onde Vladislav Yuryevich (Surkov) estava olhando, eu não sei. Este é o seu baseado! Não é um fato que todos os eleitores de Usatii o obedeceram, mas Dodon perdeu no segundo turno não só as seções eleitorais estrangeiras, mas também as moldavas, ficando dentro do país por ridículos 2 mil votos de seu homólogo pró-Ocidente, que é significativo.

Mesmo assim, a verdadeira vitória de Sandu não foi trazida por esses 10 mil votos, mas por 250 mil pessoas que compareceram às seções eleitorais estrangeiras e votaram maciçamente nela. Já no primeiro turno, os trabalhadores migrantes moldavos quebraram todos os recordes mundiais em termos de participação e influência nos resultados das eleições nacionais. Em seguida, 1 mil trabalhadores vieram para sites estrangeiros, 150% dos quais votaram em Sandu. Mesmo assim, as pessoas no Kremlin deveriam ter pensado nisso. Algo está claramente errado! Essa atividade de "europeus ocidentais" poderia ser oposta a atividade semelhante de moldavos que trabalham na Federação Russa. E isso, por um segundo, 93 mil votos. Dodon estaria farto deles para neutralizar a vantagem de Sandu. Quando necessário, as pessoas no Kremlin sabem como garantir o comparecimento de que precisam. Métodos administrativos para isso eles têm em massa. Mas em toda a Rússia havia apenas 300 assembleias de voto onde os cidadãos moldavos podiam votar. Quatro em Moscou, três na região de Moscou, três em São Petersburgo e uma em Sochi, Lipetsk, Tula, Kursk, Kostroma, Ryazan, Surgut. Parece suficiente? Mas apenas 17 pessoas foram até eles no 1º turno e, no 5600º turno, pouco mais de 2 mil.

Compare isso com os 250 que votaram em Frankfurt, Londres, Paris, Nápoles, Roma, Varsóvia ou Munique. Ao que parece, por que tanta consciência? O que eles estão manchados com mel lá? Em geral, o que importa para eles quem será eleito em casa? Afinal, a maioria deles não associa mais seu futuro a isso. Mas não nos foi dado descobrir, já que nem mesmo nossos observadores estavam nessas áreas. Talvez eles tenham atribuído essas vozes a ela? Agora, só podemos imaginar.

122 lotes no exterior contra 17 na Rússia


Só na Itália, foram abertas 31 assembleias de voto, na Roménia - 13, nos EUA - 12, na França - 8, no Reino Unido - 7, 6 - na Alemanha, 5 - na Espanha, mesmo na pequena Irlanda, com uma população de um terço de Moscou, 4 sites foram abertos. Ao todo, 139 delas foram inauguradas em todo o mundo, até no Catar e nos Emirados Árabes Unidos, uma a uma! Foram levados de ônibus ou sei lá o quê, não sabemos, mas o comparecimento no segundo turno foi de 2% contra 53% no primeiro. Mas eu sei exatamente como os apoiadores de Sandu espalharam pregos nas estradas, intimidaram e copiaram as placas dos carros, tentando impedir a participação nas eleições de cidadãos moldavos que viviam na Transnístria. E eles ficaram no caminho! Em 43 distritos, abertos especialmente na margem esquerda do Dniester para a expressão da vontade dos habitantes da Transnístria, apenas 1 mil pessoas votaram no primeiro turno, pouco mais de 42 mil no segundo, e 1 mil dos elegíveis votar. Por que eles não puderam votar na Transnístria não é mais uma questão para mim. Tiraspol acusou Sandu de fraude antecipadamente e até bloqueou a própria possibilidade de votar lá. Claro, as falsificações são possíveis apenas em Tiraspol, mas não em Bucareste e Roma, lá, provavelmente, o próprio Papa controla a honestidade da vontade dos cidadãos.

Você sabe o resultado. No total, 2 milhão 1 mil pessoas participaram do segundo turno, dos quais 650 mil eleitores votaram em Sandu. 950 mil deles votaram no exterior. São os mesmos 250% de votos que faltavam a Dodon e que decidiram o resultado das eleições, partindo o pescoço do camelo moldavo (desculpe, candidato pró-Rússia). A diáspora estrangeira chegou ao resultado votando contra Igor Dodon (dos 15 mil que votaram no exterior, 255 mil votaram em Sandu). Dodon é o culpado por isso? Mais provavelmente não do que sim. Porque ele não é o sujeito deste jogo, mas sim um objeto. E os assuntos aqui são o Ocidente coletivo e a Federação Russa, liderando um grande partido geopolítico. Quem ganhou - o resultado está no placar! Por que 250 mil moldavos russos não compareceram às eleições, enquanto seus compatriotas ocidentais invadiram as embaixadas e consulados moldavos durante a noite, a pergunta deve ser feita não a Dodon, mas a Surkov e Kozak, que são responsáveis ​​pela direção da Moldávia no Federação Russa. Esta é a questão político vai. Isso significa que o Ocidente tem mais vontade.

A ameaça de descongelar o conflito da Transnístria


Como isso vai acabar para a Federação Russa, você verá em um futuro próximo. Pelo menos, antes mesmo de assumir o cargo, Sandu já havia declarado em sua entrevista ao "European Truth" ucraniano sobre a necessidade de retirar as forças de paz russas da Transnístria.

Tenho certeza de que encontraremos um formato para resolver esse conflito. E deve incluir a retirada completa das tropas russas do território da Moldávia

- disse ela, acrescentando que também é contra a federalização do país. Até onde ela está pronta para ir nisso, veremos em breve. Acho que o bloqueio da Transnístria não é exatamente o que a Federação Russa gostaria de ver lá.

A única coisa que pode impedir a presidente pró-romena da Moldávia de implementar seus planos é seu status. Afinal, a Moldávia é uma república parlamentar, não presidencial, e seus poderes são limitados pelo parlamento, onde será difícil aprovar suas decisões sem o apoio dos socialistas de Dodon. Mas ninguém a impedirá de convocar eleições parlamentares antecipadas. Mas a vitória de seu partido de Ação e Solidariedade (PDS) não depende de Dodon, mas do Kremlin, e de ele tirar as conclusões corretas da derrota de seu protegido na última eleição presidencial.

Para sua informação: O conflito na Transnístria ainda não foi resolvido por meios políticos. A fase armada do conflito terminou em 1º de agosto de 1992 com a participação direta da Federação Russa (o 14º exército do General Lebed contribuiu para a separação das partes). Desde então, tem sido a região de conflito mais exangue. Um grupo operacional de tropas russas consistindo de 1500 a 1700 pessoas agora está baseado lá. Além deles, a segurança na região é assegurada pelas forças de paz da Moldávia, pelo próprio PMR, bem como por observadores ucranianos. Isso não impediu a Assembleia Geral da ONU em junho de 2018 de adotar uma resolução sobre a retirada das forças de paz russas da Transnístria. O Ministério das Relações Exteriores da Rússia considerou essa decisão provocativa, e o PMR se recusou a obedecê-la.

Para aqueles que se esqueceram, devo lembrar que a Federação Russa não faz fronteira com o PMR. A rotação dos militares russos ocorre através do aeroporto de Chisinau. Todas as comunicações com Tiraspol são feitas apenas por via aérea. Se Maia Sandu quer incendiar esta região e se sabe manejar fósforos, veremos num futuro próximo.
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
20 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. passando por Off-line passando por
    passando por (passando por) 23 Novembro 2020 08: 14
    -1
    Num futuro próximo, o exército da Moldávia com escovas de banheiro vai competir com um exército ucraniano semelhante.
    1. Vladimir Tuzakov Off-line Vladimir Tuzakov
      Vladimir Tuzakov (Vladimir Tuzakov) 23 Novembro 2020 16: 25
      +2
      Os moldavos serão espectadores. Um cenário possível: o primeiro passo é a união com a Romênia, e o segundo, por esforços conjuntos com o apoio da OTAN, a base russa será espremida para fora da Transnístria, a Ucrânia fará de tudo para o mal da Federação Russa e o fim da Transnístria ...
      1. passando por Off-line passando por
        passando por (passando por) 23 Novembro 2020 17: 51
        -2
        o fim será ukram, não transnístria.
  2. Afinogénio Off-line Afinogénio
    Afinogénio (Afinogênio) 23 Novembro 2020 08: 15
    -2
    Se Maia Sandu quer incendiar esta região e se sabe manejar fósforos, veremos num futuro próximo.

    Maya Sandu não é ninguém e ela não decide nada lá para chamá-la (depois que ela foi colocada no comando da Moldávia), especialmente porque ninguém vai permitir que ela jogue com fósforos. E acho que a Europa não precisa de fogo militar em seu pátio. Tudo aqui vai depender dos americanos. Pois não é fácil desencadear uma guerra, é necessário desde o início armar o exército da Moldávia, despejar algum dinheiro (não só o exército, mas também despejar na Moldávia, mendigos famintos não irão para a guerra) Geórgia tem se preparado para guerra por muitos anos. Em suma, você precisa de um bom dinheiro para investir para que haja uma guerra, mais tempo de preparação. Acho que não haverá guerra no futuro próximo. E mais longe. Na Transnístria existem arsenais militares muito grandes (detidos e guardados pela Rússia). Acho que se houver uma guerra na Transnístria, é claro para quem esses arsenais com armas e munições serão transferidos. Bem, e se nossos soldados de paz na Transnístria sofrerem de repente, a Rússia tem todo o direito de responder, "calibrar", como foi na Geórgia.
    1. Xuli (o) Tebenado 23 Novembro 2020 19: 48
      +1
      .... se houver uma guerra na Transnístria, é claro para quem esses arsenais com armas e munições serão transferidos.

      Essas munições e outros têm entre 35 e 60 anos. Os armênios lutaram com "arsenais" semelhantes em Karabakh agora. O resultado é conhecido.
      1. Afinogénio Off-line Afinogénio
        Afinogénio (Afinogênio) 23 Novembro 2020 21: 12
        -2
        O principal detalhe de qualquer arma é a cabeça de seu dono. Lá, os caras do Donbass estavam atirando nos nazistas do PTR durante a Segunda Guerra Mundial e nada. Se os armênios não queriam combatê-los supermodernos e novos, que não fossem capazes de lutar.
        1. Xuli (o) Tebenado 24 Novembro 2020 04: 55
          -1
          Sim Sim exatamente!
          Lá você também pode remover o T-34 do pedestal na praça e enviá-lo para a batalha.
          E o avião (um monumento aos guerreiros-aviadores) basta carregá-lo, e ele voará para esmagar os malditos inimigos :))
          1. Afinogénio Off-line Afinogénio
            Afinogénio (Afinogênio) 24 Novembro 2020 09: 27
            -4
            Citação: Xuli (o) Tebenado
            Lá você também pode remover o T-34 do pedestal na praça e enviá-lo para a batalha.

            Só aí não é possível, então eles fizeram sim Quando há uma guerra de vida ou morte, todos os meios são bons. E ainda mais quando não há nada. Lembro-me que naquela guerra entraram em ação as antigas instalações de armazenamento nas quais eram guardadas as armas da Segunda Guerra Mundial. (útil novamente)

            1. Xuli (o) Tebenado 24 Novembro 2020 12: 35
              0
              Só aí não é possível, então eles fizeram

              Em 1992, não soube que tanques estavam sendo removidos dos pedestais na Transnístria.

              Eu me lembro daquela guerra

              Algo se tornou com minha memória - aquilo que não estava comigo, eu me lembro.
              1. Afinogénio Off-line Afinogénio
                Afinogénio (Afinogênio) 24 Novembro 2020 16: 44
                -4
                Citação: Xuli (o) Tebenado
                Só lá não é possível, então eles fizeram isso.

                Em 1992, não soube que tanques estavam sendo removidos dos pedestais na Transnístria.

                Bem, a guerra foi em 1992 as câmeras de vídeo naquela época eram curiosidades da atualidade e eram muito caras. Portanto, nenhuma crônica particular foi preservada. Agora é uma câmera em cada telefone. E ninguém sabe o que foi usado ali. Repito, quando uma guerra está sendo travada, todos os meios são bons, aqueles que estão disponíveis. Talvez os americanos falassem, sobre as velhas conchas costuradas que não lutaremos, todos irão para casa ri muito Mas nosso homem lutará até o fim e com o que está à mão.

                Citação: Xuli (o) Tebenado
                2)
                Eu me lembro daquela guerra.

                Algo com a minha memória se tornou - o que não estava comigo, eu me lembro

                Muito interessante, mas não claro solicitar
              2. Boriz Off-line Boriz
                Boriz (boriz) 2 Dezembro 2020 14: 49
                +1
                O T-34-85 foi usado no Iêmen no ano passado. Quem quer lutar está em guerra e não senta exatamente no padre.
  3. amador Off-line amador
    amador (Victor) 23 Novembro 2020 09: 19
    -2
    Sandu já declarou em sua entrevista ao ucraniano "Pravda europeu"

    E o que mais ela tinha a dizer ao jornal UCRÂNIA: Crimeia é a Rússia, Yanukovych é o presidente legalmente eleito e Poroshenko e Zelensky "deveriam estar na prisão" ou o quê?
    1. pvlshvz Off-line pvlshvz
      pvlshvz (Pavel) 28 Novembro 2020 01: 28
      -1
      Sim, exatamente. Especialmente sobre Poroshenko.
  4. trabalhador de aço 23 Novembro 2020 12: 06
    +3
    Li e mais uma vez estou convencido de que o país é governado pela mediocridade, e esta ainda é uma palavra suave.
  5. Alexander Zima Off-line Alexander Zima
    Alexander Zima (Alexander Winter) 23 Novembro 2020 13: 16
    -3
    A Rússia é uma espécie de irmãos que amanhã podem traí-la e não são necessários para nada .. deixá-los varrer a Europa .. e ninguém vai subir para a Transnístria .. já que um Calibre resolverá todos os problemas jogando com fósforos ..
  6. Sapsan136 Off-line Sapsan136
    Sapsan136 (Sapsan136) 23 Novembro 2020 14: 27
    +4
    O autor censura a Federação Russa de que poucas assembleias de voto foram abertas nele, mas esquece que o Sr. Dodon é tão pró-russo quanto minha falecida avó, a Estrela da Morte !!! Por exemplo, Dodon, assim como seus colegas pró-romenos, exigiu a retirada das tropas russas da Moldávia !!! Simplesmente não havia razão para a Rússia suportar outro falso multi-vetor nada !!!
  7. Xuli (o) Tebenado 23 Novembro 2020 19: 21
    0
    Afinal, a Moldávia é uma república parlamentar, não uma república presidencialista, e seus poderes são limitados pelo parlamento ...

    Isso pode começar ...

    Em 21 de julho de 1992, em Moscou, os presidentes da Rússia e da Moldávia, Boris Yeltsin e M. Snegur, assinaram um acordo de cessar-fogo, que levou ao fim da violência.

    .... e este é o fim.

    Mesmo se assumirmos que o resultado das eleições é um acidente, o acaso também é uma manifestação de regularidade.
  8. kriten Off-line kriten
    kriten (Vladimir) 27 Novembro 2020 15: 20
    -1
    Existem chances, nenhuma determinação. E o que eles vão dizer na Europa. Focar na opinião deles é "nossa política independente", o que seria mais correto chamá-la de sua ausência.
  9. pvlshvz Off-line pvlshvz
    pvlshvz (Pavel) 28 Novembro 2020 01: 26
    -1
    Se de repente eles começarem a atirar nas tropas russas, não acho que o raro Calibre não chegará à Moldávia. Ou Iskander. Ou aviões desconhecidos sem marcas de identificação.
  10. Igor Berg Off-line Igor Berg
    Igor Berg (Igor Berg) 1 Dezembro 2020 21: 50
    -2
    Citação: pvlshvz
    Se de repente eles começarem a atirar nas tropas russas, não acho que o raro Calibre não chegará à Moldávia. Ou Iskander. Ou aviões desconhecidos sem marcas de identificação.

    e se eles simplesmente parassem de fornecê-la e alimentá-la?