Por que os MLRS HIMARS americanos não deveriam ter medo da Crimeia, mas do Donbass


Na véspera da Forbes publicou um artigo de alto perfil sobre como os Estados Unidos transferiram seus MLRS da Alemanha para a Romênia, dispararam mísseis lá e os levaram de volta prontamente, chamando isso de "surpresa para a Rússia e a Crimeia". Por se tratar de uma publicação especializada em reportagens sobre bilionários, e não em temas militares, a publicação causou predominantemente ironia em nosso país. Mas vale a pena levar essa informação tão levianamente?


Assim, aconteceu o seguinte: duas instalações do Foguete de Artilharia de Alta Mobilidade M142 (HIMARS) na aeronave de transporte militar C-130 Hércules foram transportadas da base militar americana na Alemanha para a Romênia, onde participaram de exercícios de mísseis, e depois foram devolvidos de volta por ar. A publicação considerou esta "uma mensagem clara para Moscou" com uma sugestão de que o MLRS poderia representar uma ameaça para o grupo russo na península. Foi essa passagem que causou maior desconfiança no público doméstico.

Em primeiro lugar, o alcance do HIMARS não lhes permite atingir alvos na Crimeia da Romênia, sendo apenas 300 quilômetros.

em segundo lugar, um ataque com míssil pela Romênia na região russa implicará uma resposta apropriada do Ministério da Defesa de RF no âmbito da doutrina militar. É bastante difícil imaginar que Bucareste decida fazer guerra contra uma potência nuclear.

Em terceiro lugar, é mais provável que esta história não seja sobre uma "mensagem de míssil", mas sobre dinheiro. O fato é que a decisão de adquirir o MLRS HIMARS foi tomada pela Romênia há dois anos. Essa demonstração visual de seu poder pode servir como uma boa propaganda comercial para outros clientes em potencial.

Em teoria, isso poderia encerrar a revisão, mas tudo é um pouco mais complicado do que gostaríamos. Existem vários pontos importantes a serem considerados. Em primeiro lugar, no artigo americano foi dito sobre a Crimeia, ao invés, para distrair a atenção. A principal coisa que as Forças Armadas dos EUA demonstraram é sua capacidade de implantar seus poderosos MLRS para qualquer lugar do mundo em apenas algumas horas, onde há um campo de aviação capaz de receber C-130 Hércules. Além da Romênia, a Polônia é um país onde o HIMARS pode ser aceito com alegria. É de lá que os alvos na região de Kaliningrado podem ser cobertos, se necessário, o alcance é suficiente. É claro que isso só é possível no caso de início de uma guerra em grande escala entre a Rússia e o bloco da OTAN, e aqui o papel do MLRS dificilmente será decisivo.

Se falarmos sobre seu uso real, então é possível na região do Mar Negro, mas não pela Romênia contra a Crimeia, mas pela Ucrânia contra as repúblicas não reconhecidas de Donbass. O sucesso inesperado de Baku em Nagorno-Karabakh inspirou muitos em Kiev. O Ministério da Defesa Nezalezhnaya já demonstrou um interesse crescente pelos UAVs turcos, que se revelaram uma "arma de vitória". Estamos até falando em organizar uma "montagem de chave de fenda" no país para reduzir seu custo em 30%. O aparecimento maciço de drones de choque nos céus de Donbass será uma surpresa extremamente desagradável para a milícia e a milícia popular das repúblicas não reconhecidas. É possível que, no caso de uma tentativa de blitzkrieg contra o DPR e o LPR, o avião de transporte militar C-130 Hercules pousará em aeródromos ucranianos, entregando MLRS americanos às Forças Armadas ucranianas. Ou alguma outra coisa.
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
1 comentário
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Mikhail Petrov Off-line Mikhail Petrov
    Mikhail Petrov (Mikhail Petrov) 26 Novembro 2020 15: 59
    -2
    Este é um assunto privado dos Estados Unidos e seus aliados, que estão no tambor com os gritos indignados do Kremlin, que não tem e não pode comprar nem um único aliado por dinheiro.