Especialista: EUA podem se recusar a defender o Japão em caso de guerra com a China


No caso de uma guerra no Pacífico, os Estados Unidos podem se recusar a defender o Japão com força militar. Essa conclusão está contida em um novo artigo da edição de Hong Kong do Asia Times, de autoria do especialista militar e oficial aposentado da Marinha dos EUA Grant Newsham.


É de notar que embora as Forças de Autodefesa japonesas estejam muito mais bem preparadas para a batalha do que muitos países da OTAN, as forças armadas locais estão sofrendo de falta de fundos. A Tóquio oficial depende muito de uma aliança com os Estados Unidos e pouco faz para corrigir a situação.

Ao mesmo tempo, em caso de eclosão da guerra, a assistência americana sob a forma de envio direto de tropas não está garantida. Em particular, a redação do tratado de segurança entre os Estados Unidos e o Japão não diz nada diretamente sobre essa medida, e como resultado permanece alguma incerteza. É possível que o governo do próximo presidente dos Estados Unidos simplesmente não queira se envolver com outra potência nuclear.

Ao mesmo tempo, o autor observa que se as terras japonesas forem atacadas e, ao mesmo tempo, os americanos fugirem da ajuda, Tóquio quebrará o acordo de aliança no mesmo dia.

Em particular, estamos falando da China, cujas campanhas marítimas e aéreas regularmente fazem os japoneses reagirem. Pequim claramente planeja matar o outro lado de fome.

Embora o presidente eleito dos EUA, Joe Biden, tenha confirmado que as ilhas japonesas de Senkaku, reivindicadas pelo Império Celestial, estão cobertas por um tratado de segurança, as dúvidas permanecem.

Além disso, os japoneses temem que Biden seja "fraco" em relação à RPC, assim como Barack Obama era inexpressivo antes.

Os chineses, é claro, teriam preferido simplesmente cansar os japoneses e depois tomar Senkaku. Mas, se necessário, eles tomarão medidas mais rigorosas. Os mais novos navios da Guarda Costeira da China são navios de guerra realmente grandes e fortemente armados. E a nova lei permite que eles usem a força para evitar violações da lei em águas territoriais e no espaço aéreo. Já que Pequim considera Senkaku como território chinês, o que os impedirá de abrir fogo contra os violadores lá?
- o especialista escreve.

Considerando as tendências, os mesmos chineses cedo ou tarde decidirão testar a força da defesa japonesa.

Na aliança entre Estados Unidos e Japão, muito também depende das preferências pessoais de um ou outro governo da Casa Branca, que poderia ter sido mais inclinado a Pequim do que a Tóquio.
  • Fotos usadas: www.facebook.com/USForcesJapan/
2 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Afinogénio Off-line Afinogénio
    Afinogénio (Afinogênio) 28 Novembro 2020 09: 49
    0
    No caso de uma guerra no Pacífico, os Estados Unidos podem se recusar a defender o Japão com força militar.

    Vou corrigir um pouco. Eles não podem, mas eles vão recusar sim Nenhuma dúvida sobre isso.
    1. Pandiurin Off-line Pandiurin
      Pandiurin (Pandiurin) 29 Novembro 2020 14: 02
      0
      E por que deveriam apoiá-los, eles nem estão na OTAN. E agora assinamos um acordo comercial com a China junto com outros 14 países. No futuro, Yapi será um concorrente tanto dos Estados Unidos quanto da China.
      Existe um análogo de GPS para a região, algo em eletrônica, computadores, construção de máquinas-ferramenta, lançamentos espaciais, etc. independente. Como se fosse bem possível que os Estados Unidos queiram bombardear os japoneses com o tempo, ou que alguém faria isso por eles.

      E a aliança econômica (militar) China - Japão, assim como Alemanha (UE) - Rússia é geralmente um pesadelo para os ianques.