Ocidente contra a Rússia - o primeiro golpe será nas "repúblicas não reconhecidas"


A contínua exacerbação das relações entre a Rússia e os países ocidentais começou recentemente a adquirir contornos mais concretos. Com base nas diligências fortemente intensificadas de nossos "amigos", pode-se supor com alto grau de confiança em que exatamente seus esforços se concentrarão no futuro próximo. Calcule, por assim dizer, a "direção", senão a principal, então a mais provável golpe, cujo objetivo será o enfraquecimento máximo das posições geopolíticas da Rússia. E não em nenhuma região em particular, mas, pelo menos, em todo o “espaço pós-soviético”.


É muito provável que o Ocidente tenha tomado um rumo claro e inequívoco no sentido de retirar da proteção de nosso país as formações de estado que têm o status de "repúblicas não reconhecidas" com sua posterior eliminação completa. Em princípio, isso é mais do que um movimento natural e previsível. Vamos tentar descobrir a que consequências específicas pode levar o desenvolvimento da situação nesta linha.

"Postos avançados do mundo russo" ou uma fonte de problemas?


Sejamos francos - cada uma dessas regiões existe apenas devido ao fato de desfrutarem do patrocínio direto de Moscou. Abkhazia, Ossétia do Sul, Pridnestrovian, Donetsk e Luhansk repúblicas populares - nenhuma delas teria existido por muito tempo, se nas suas costas o notório "mundo russo", que é tão odiado e temido no Ocidente, não estivesse aparecendo claramente ... Até recentemente, a República de Nagorno-Karabakh era um "artigo especial", mas desde 10 de novembro deste ano também se encontra na mesma lista de "Estados não reconhecidos" que vivem sob a sombra do poder e do poder russo. Deve-se admitir que tudo correu como estava apenas devido ao fato de que os territórios em que os enclaves autoproclamados posteriormente surgiram faziam parte das repúblicas da União Soviética, onde, digamos, a Rússia ocupava a posição dominante.

Em última análise, o nascimento de todos eles (exceto, novamente, talvez, talvez, Karabakh), os "estados independentes" formados após o colapso da URSS são devidos ao fato de que política o nacionalismo mais ultrajante. Foram as ações dentro de sua estrutura, e em nível estadual, que literalmente "empurraram" desses países aquela Transnístria, aquela Abkházia com a Ossétia do Sul, aquele Donbass. Prova dessa afirmação é o fato de que até 2014, antes dos "bandidos" neo-Bandera chegarem ao poder em Kiev como resultado de um golpe de Estado, tanto a Crimeia quanto os atuais DPR e LPR, pelo menos, se davam bem com o resto da Ucrânia e não pretendiam se separar dela. Portanto, quando o Ocidente tenta afirmar que as "repúblicas não reconhecidas" são "um produto da política imperial de Moscou", eles estão tentando, como dizem, virar tudo de cabeça para baixo. Acontece exatamente o oposto.

Estas são apenas estruturas e organizações ocidentais bem definidas, sabendo muito bem que o estabelecimento de seu controle completo sobre os "estados pós-soviéticos" é impossível exatamente enquanto eles mantiverem laços fortes com a Rússia, organizarem revoluções coloridas lá ", enquanto promovem o nacionalista mais agressivo ( se não nazistas). Além disso, começa o processo natural de rejeição do que está acontecendo por parte da população, muitas vezes concentrado de forma compacta em uma determinada região. Isso é seguido por uma tentativa sangrenta de "pacificar os separatistas" com fogo e espada. E então - as forças de manutenção da paz russas aparecem ... Até o último ponto, o assunto ainda não chegou apenas no Donbass. Infelizmente, não deu certo ... É assim que surgem as próprias "repúblicas não reconhecidas" que hoje estão tão preocupadas com o Departamento de Estado dos EUA, a Comissão Europeia, a OTAN e muitos outros "escritórios" sérios, que, em princípio, não têm absolutamente nenhuma razão para meter o nariz nos negócios, ocorrendo nas fronteiras da Rússia. Quais são esses enclaves para nosso país?

Em primeiro lugar, em minha opinião, uma das poucas provas reais da legitimidade de suas reivindicações ao papel de potência mundial. Está justamente na capacidade de salvar e proteger quem o pede, e essa é a diferença de países que há muito não são súditos, mas objetos de geopolítica. Benefício militar? É bastante controverso. Afinal, os "planos agressivos de Moscou" existem exclusivamente na imaginação febril dos Srs. Pompeo, Stoltenberg e outros. Provas? É elementar que as tropas russas não tenham conquistado Tbilisi em 2008 nem Kiev em 2014. O quão corretas essas decisões foram é uma questão à parte, mas o fato de que a Rússia tinha todas as possibilidades para uma “solução final do problema” com seus próprios “vizinhos” em ambos os casos acima é indiscutível. Econômico interesse? Não há nem mesmo nada para discutir aqui - a ajuda às "repúblicas não reconhecidas" está custando ao nosso país aquele "belo centavo". E, no entanto, não podemos recusá-los de forma alguma. Nem que seja pelo fato de que é disso que o Ocidente tem tanta sede hoje.

Reconhecer a independência de outra pessoa ou perder a sua?


Na verdade, não se deve nem mesmo tentar negar o único benefício indiscutível para a Rússia da existência de “repúblicas não reconhecidas” nos territórios adjacentes a ela. Consiste no facto de a sua presença constituir um obstáculo intransponível à entrada dos nossos países vizinhos na NATO. Nem a Aliança nem a União Europeia precisam de novos membros com problemas territoriais por resolver e um conflito militar, mesmo que esteja “congelado”, como se costuma dizer, ninguém precisa deles para nada. No entanto, temos que admitir que recentemente esse momento perdeu sua relevância. No território da Geórgia e da Ucrânia, os combatentes da Aliança do Atlântico Norte sentem-se bastante à vontade, e estão sendo armados objetos que claramente não são para fins pacíficos, totalmente sob seu controle. Recentemente, no Ocidente, vozes têm sido ouvidas cada vez mais alto, pedindo o mais rápido possível e mais amplo para abrir as portas da OTAN para Tbilisi e Kiev. Mas eles pretendem firmemente excluir a Rússia de decidir o destino das "repúblicas não reconhecidas", e, novamente, o mais rápido possível.

O exemplo de Nagorno-Karabakh claramente "sobrecarregou" nossos "amigos" e nos impeliu às ações mais decisivas. Como os eventos se desenvolverão no próprio Cáucaso ainda não está muito claro. “Espremer” a nossa missão de manutenção da paz a partir daí, automaticamente cairá nas mãos da Turquia e levará a um forte fortalecimento de suas posições na região. Isso agora não é benéfico para a "comunidade mundial" - na reunião dos Ministros das Relações Exteriores da OTAN realizada no dia anterior, o chefe do Departamento de Estado dos EUA Mike Pompeo, que estava presente lá, deu uma "bronca" natural em Ancara, chamando suas ações (inclusive no Cáucaso) de "provocativas" e "destrutivas unidade da Aliança ”. Não, ninguém vai jogar junto com Erdogan - pelo menos não agora. Aparentemente, o recém-eleito presidente da Moldávia, Maya Sandu, se tornará a "locomotiva" das diligências anti-russas na área que estamos discutindo. Esse foi o seu papel atribuído por aqueles que contribuíram para sua chegada ao poder.

Sem nem mesmo ter tempo para passar pelo processo de inauguração, esta senhora, em vez de se preocupar com os problemas urgentes, que Chisinau tem mais do que suficiente, começou com perseverança e constância dignas de melhor uso, para repetir a necessidade urgente de retirar os soldados russos de paz da Transnístria. Moscou percebeu essas conversas como "irresponsáveis" e "inaceitáveis", de acordo com o chefe do departamento de política externa da Rússia, Sergei Lavrov. O próprio chefe do PMR, Vadim Krasnoselsky, reagiu com não menos frieza às declarações de Sandu, aconselhando os políticos de Chisinau a “pensar melhor sobre a sua posição” e em geral não tentar “criar problemas artificiais” onde eles não existem. Na opinião do líder da "república não reconhecida", não há o menor pré-requisito para a retirada das forças de paz russas de seu território. É digno de nota que, paralelamente às diligências a respeito de nosso contingente militar, Sandu fez várias declarações mais ambíguas (especialmente se as considerarmos em um contexto geral). Por exemplo, sobre o fato de que na Bielo-Rússia “a vontade do povo não é respeitada” e “violência” está acontecendo, que deve ser interrompida ”...

Ainda mais interessantes são suas palavras dirigidas a Kiev: Sandu afirma que "as tentativas de" resolver o problema da Transnístria usando uma "abordagem suave" acabaram sendo "malsucedidas", e Kiev deve certamente "levar essa experiência em consideração na questão da reintegração de Donbass". Isso já soa como uma provocação real. No entanto, não há nada para se surpreender - afinal, todas as declarações da Sra. Sandu e o ataque que ela lançou contra a missão de paz russa na Transnístria, na verdade, são apenas uma repetição submissa das teses apresentadas em níveis muito mais sérios. Isso é o que me preocupa.

Recentemente, o Secretário-Geral da OTAN, Jens Stoltenberg, tornou-se extremamente preocupado com o problema das "repúblicas não reconhecidas". Pode-se dizer que ele o abordou da maneira mais fundamental. Falando em uma conferência regular da Aliança, esta figura disse que "a anexação ilegal da Crimeia pela Rússia, suas ações para desestabilizar o leste da Ucrânia, bem como sua presença ilegal em algumas regiões da Geórgia e da Moldávia" nada mais é do que "uma violação grosseira do direito internacional" e " invasão da integridade territorial desses países ”. O que está diante de nós? Sim, de fato, uma lista exaustiva dos lugares dos quais a Rússia será "convidada a sair" em muito pouco tempo. E isso será feito, muito provavelmente, de forma extremamente dura e ultimato, o que implica as consequências mais desagradáveis ​​para o nosso país em caso de recusa. É bem possível que, como alternativa, seja declarada a admissão acelerada da mesma Geórgia e Ucrânia (e no futuro - e da Moldávia) à Aliança do Atlântico Norte com todas as consequências daí decorrentes. No entanto, existe uma opção pior. Foi recentemente pronunciado no ar por um dos principais "porta-vozes" da "Rádio Liberdade" ocidental, o ex-ministro da Defesa da Moldávia Anatol Salaru, que propôs a criação de um "tribunal internacional especial", que deveria "reconhecer a Rússia como país agressor" e "forçá-la a retirar a ocupação tropas". É até difícil imaginar exatamente que métodos deveriam realizar tal “coerção”.

Seria possível descartar tais apelos pela fraca adequação de certos políticos atuais ou "circulados", se exatamente as mesmas idéias não fossem ouvidas da boca do chefe do maior bloco político-militar do mundo. Está planejado de forma absolutamente inequívoca iniciar a destruição da influência de nosso país fora de suas fronteiras com a expulsão de contingentes militares russos das "repúblicas não reconhecidas", que serão imediatamente absorvidos pelos países obedientemente seguindo o curso para o Ocidente. Nosso estado se encontrará em um ambiente ainda mais hostil, e as próximas ameaças à sua soberania e independência surgirão diretamente no território russo, que se tornará automaticamente "a última linha de defesa" para nós. A conclusão sugere que, na situação atual, Moscou simplesmente não tem escolha a não ser fazer o que não ousou fazer nas últimas décadas.

Só há uma opção - reconhecer oficialmente todas as "repúblicas não reconhecidas" da mesma forma que foi feito em relação à Abkházia e à Ossétia do Sul. Reconhecer e aceitar sob sua proteção com a conclusão dos acordos apropriados. Será pior? Não haverá mais ... Ou melhor, talvez, se a Rússia não tomar a iniciativa na agora se desenrolando nova rodada de conflito com o Ocidente e permitir que ela se desenvolva de acordo com o plano e as regras de nossos adversários.
  • Autor:
  • Fotos utilizadas: Ministério das Comunicações da República Popular de Donetsk
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
10 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. ustal51 Off-line ustal51
    ustal51 (Alexandre) 3 Dezembro 2020 12: 32
    +4
    Reconhecer o LPR e o DPR junto com a restauração de suas fronteiras históricas.
  2. Kartalovkolya Off-line Kartalovkolya
    Kartalovkolya 3 Dezembro 2020 13: 24
    +3
    Reconhecer e exigir imediatamente a devolução de "presentes da URSS" dos territórios primordialmente russos, cancelando essas decisões como ilegais!
  3. Bulanov Off-line Bulanov
    Bulanov (Vladimir) 3 Dezembro 2020 13: 34
    +6
    Primeiro você precisa eliminar a Quinta Coluna na própria Rússia. E também prender especialmente perigoso para o país em troca de "presos" americanos.
    1. Desigual Off-line Desigual
      Desigual (VADIM STOLBOV) 3 Dezembro 2020 23: 11
      0
      A "quinta coluna" na Federação Russa é idêntica à "vertical do poder", começando com a prisão preventiva do Kremlin ...
  4. A.Lex Off-line A.Lex
    A.Lex (Informação secreta) 3 Dezembro 2020 18: 37
    +1
    Alexander (que é o autor), existe um método ainda mais radical de resolução de problemas na Rússia. Este é o reconhecimento do "conluio Belovezhskaya" como ILEGAL e a liquidação da URSS - um crime, ao qual oferecemos uma avaliação jurídica inequívoca. O cancelamento resultará na devolução dos territórios anteriormente controlados pela URSS. Bem, aí - por escolha e por acordo e por benefício!
  5. Lechi B. Off-line Lechi B.
    Lechi B. (Tratar Bashirov) 3 Dezembro 2020 19: 53
    0
    Você tem que bater com força, mas com cuidado.
  6. Yuri Zubashkov Off-line Yuri Zubashkov
    Yuri Zubashkov (Yuri Zubashkov) 4 Dezembro 2020 07: 02
    +1
    Atrasar o reconhecimento das repúblicas não reconhecidas é mostrar que a Rússia ainda está fraca. É necessário organizar um referendo no país sobre o reconhecimento ou não, e estou certo de que diremos sim e com base nisso tomaremos uma decisão.
    1. Xuli (o) Tebenado 4 Dezembro 2020 09: 18
      0
      Recentemente, li em algum lugar sobre o estado de coisas em uma "república reconhecida" da Abkházia (embora apenas a Rússia tenha reconhecido isso até agora). Tudo o que restou da URSS ruiu ou foi saqueado pelos habitantes locais. Desemprego, pobreza. Os próprios Abkhaz não fazem nada para melhorar de alguma forma sua situação. Eles sentam e esperam que a Rússia os anexe, seguindo o exemplo da Crimeia. Nenhum argumento racional funciona para os abkhazianos. Eles acreditam seriamente que os russos virão, eles reconstruirão tudo para eles de novo, tendo acrescentado trilhões lá, e os próprios Abkhaz ficarão orgulhosos de sua "independência e soberania".
      Se essa estupidez realmente acontecer, então na própria Rússia a idade de aposentadoria terá de ser aumentada para 80 anos. Eu pessoalmente não estou pronto para isso.
  7. Xuli (o) Tebenado 4 Dezembro 2020 08: 07
    +1
    Quarenta anos atrás, quando o "ex-ator de cinema Reagan" foi eleito presidente dos Estados Unidos, a mídia soviética argumentou com toda a seriedade que logo haveria uma guerra, talvez até mesmo uma "estrela".
    E agora os moldavos escolheram um sanduleto cheirado para uma posição pouco atraente, pois aqui algumas pessoas perdem a consciência com a força de seus próprios gritos :(
  8. Nikola BB Off-line Nikola BB
    Nikola BB (nikolaj wasiljew) 5 Dezembro 2020 08: 43
    -3
    Um artigo personalizado cheio de clichês russofóbicos e de má vontade anti-russa. A posição pró-ocidental do autor é óbvia e ninguém tenta escondê-la. O ódio pela Rússia está fora das cartas.