Especialista: Rússia mina a autoridade dos Estados Unidos no Oriente Médio


O cientista político John Raine escreve no site do International Institute for Strategic Studies (Londres) sobre o novo papel dos Estados Unidos no Oriente Médio no contexto do confronto entre as grandes potências que ali se instalam.


O autor observa que, apesar de sua esmagadora força militar e econômico poder, os Estados Unidos não são mais uma força decisiva nesta região. Isso se tornou possível porque muitos atores regionais (Irã, Turquia, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos) também adotaram as ferramentas de intervenção ativa nos assuntos de outros países em seus interesses.

De repente, a opção sobre a qual os Estados Unidos anteriormente detinham um monopólio quase total estava aberta a todos.

Uma complicação adicional é a crescente influência de outro ator externo, a Rússia. A sua intervenção na Síria teve um resultado óbvio, deixando a base aérea russa em Khmeimim, bem como a infraestrutura naval em Tartus, que foram alugadas. [...] A Síria também serviu de campo de testes para a Rússia. [...] Tudo isso também minou a credibilidade dos Estados Unidos como principal player externo

- diz a análise.

Anteriormente, os Estados Unidos eram o principal ator no Oriente Médio, o que influenciava o que ali acontecia por meio de sua rede de bases militares localizadas em países amigos; e também por meio da intervenção armada e da capacidade cada vez maior do mecanismo de sanções.

No Oriente Médio, conforme observado no texto, há uma concentração surpreendentemente alta de assuntos sujeitos às sanções dos EUA, incluindo dois regimes - o iraniano e o sírio. A região abriga cerca de 50 soldados americanos espalhados por uma dúzia de locais importantes, incluindo o centro aéreo CENTCOM no campo de aviação Al Udeid, no Qatar, e a base da Quinta Frota no Bahrein. Os EUA têm uma presença e um alcance nessa região que ninguém mais pode se orgulhar.

A tarefa, segundo o especialista, é também chegar a uma estrutura multilateral confiável que limite as atividades de outros atores não controlados pela América e, ao mesmo tempo, permita que os Estados Unidos ou outros "responsáveis" intervenham quando necessário.

E isso, segundo o autor do analista, deve ser feito sem criar a aparência de apropriação pela América de privilégios especiais, o que apenas induzirá seus críticos, principalmente Rússia, Irã e Turquia, a inviabilizar tal sistema.

Apenas a presença militar dos Estados Unidos, além da Grã-Bretanha e da França, na região pode atuar como força estabilizadora, resume o autor do artigo.
  • Fotos utilizadas: Exército dos EUA
1 comentário
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Bulanov Off-line Bulanov
    Bulanov (Vladimir) 7 Dezembro 2020 10: 33
    0
    Somente a presença militar dos Estados Unidos, bem como do Reino Unido e da França na região pode atuar como força estabilizadora

    - Só se pode desejar a esses países a estabilização líbia criada por eles.
  2. Galina Pigareva Off-line Galina Pigareva
    Galina Pigareva (Galina Pigareva) 9 Dezembro 2020 12: 11
    0
    Sim, sem a América, como sem uma lata de lixo.