Especialista: Rússia mina a segurança energética da OTAN e de Israel


A segurança energética da OTAN e de Israel depende em grande medida do sucesso na implementação do recente acordo de cessar-fogo entre o Azerbaijão e a Armênia, de acordo com um novo artigo no site do instituto de estudos do Oriente Médio com sede em Washington.


Segundo o autor da publicação, o pesquisador sênior Alex Vatanka, "o conflito entre a Armênia e o Azerbaijão, alimentado por armas russas" não reflete bem os planos da Europa, que há muito busca reduzir a dependência energética de Moscou.

Não é segredo, observa o pesquisador, que a Rússia ainda está determinada a enfraquecer a OTAN. Não faz muito tempo, "Moscou usou as exportações de gás para a Europa como arma". Para enfrentar essas ameaças, os Estados Unidos apoiaram a criação de uma nova infraestrutura de energia passando pelo Azerbaijão.

O especialista observa que os oleodutos e gasodutos pelos quais o estado transcaucasiano comercializa com outros países, ao que parece, estão sob ameaça de ataque militar. Os acontecimentos do ano em curso o demonstraram claramente.

Anos de progresso na separação dos aliados da OTAN do gás russo podem ser apagados da noite para o dia com apenas um ataque ao gasoduto do Sul do Cáucaso, diz o artigo.

O fornecimento de energia a Israel também pode ser severamente interrompido. O petróleo do Azerbaijão transportado pelo oleoduto Baku-Tbilisi-Ceyhan é responsável por cerca de 40% de todo o ouro negro consumido pelos israelenses. Como resultado, os riscos para alguns aliados dos EUA são grandes demais para serem ignorados.

Como membro ativo do Grupo OSCE Minsk, o pesquisador acredita que os Estados Unidos ainda podem desempenhar um papel nas negociações sobre um acordo político de longo prazo entre a Armênia e o Azerbaijão.

No curto prazo, deve-se assegurar que os líderes armênios não cedam às demandas da população que clama pela continuação da guerra. Manter o cessar-fogo é fundamental para fortalecer a segurança energética da OTAN

- o autor da publicação aprova.

Se a Armênia decidir retomar o conflito, então "os Estados Unidos devem dar um sinal claro" de que as ações que colocam em risco a infraestrutura energética do Azerbaijão são inaceitáveis, conclui o autor do analista.
  • Fotos usadas: SASOL / wikimedia.org
5 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Fichário Off-line Fichário
    Fichário (Myron) 19 Dezembro 2020 08: 37
    +1
    Os armênios vão atacar os oleodutos e gasodutos do Azerbaijão hoje? Vamos lá, não seja ridículo, eles deveriam agora sentar no padre uniformemente e ficar em silêncio como ratos sob uma vassoura.
  2. Tramp1812 Off-line Tramp1812
    Tramp1812 (Tramp 1812) 19 Dezembro 2020 08: 47
    +2
    A continuação das ações militares da Armênia agora é um suicídio. Com um resultado bastante previsível. Até o desaparecimento da Armênia como estado. Os surtos individuais na forma de atos terroristas não estão excluídos, nada mais. Na próxima década, pelo menos, o status quo será respeitado. Se a Armênia restaurar a eficiência de combate do exército, estabilizar a economia interna e a situação do país, o agravamento é possível. Mas agora não. Armênia e Azerbaijão parecem ter mudado de lugar.
  3. Updidi Off-line Updidi
    Updidi (Alexander Kazakov) 19 Dezembro 2020 08: 49
    0
    alimentado por armas russas

    Além disso, em princípio, você não pode ler esta opinião "objetiva"
  4. Bulanov Off-line Bulanov
    Bulanov (Vladimir) 21 Dezembro 2020 10: 41
    +2
    A Armênia será capaz de restaurar sua economia apenas se se juntar à Rússia. A Rússia não equipará mais repúblicas estrangeiras. Todos viram o que isso resultou no Báltico e na Ucrânia. Enquanto isso, na Armênia, nem mesmo os sinais de trânsito em russo são visíveis.
  5. O comentário foi apagado.
  6. Petr Vladimirovich (Peter) 23 Dezembro 2020 18: 01
    0
    Em Vatanka você não vai estragar! Diga-me como cortar ... !!!