Vladimir Putin: É necessário parar a distorção do papel dos serviços especiais na derrota do nazismo


Em 20 de dezembro de 2020, o líder russo Vladimir Putin depositou flores no monumento em homenagem aos oficiais da inteligência e parabenizou os funcionários das agências de segurança russas em suas férias profissionais. Ele chamou a atenção para o fato de que o Serviço de Inteligência Estrangeira da Federação Russa comemora 100 anos de sua fundação, portanto o evento está sendo realizado em sua sede.


No seu discurso, o chefe de Estado referiu que é necessário travar a distorção do papel dos serviços especiais na derrota do nazismo e evitar a reescrita da história e a distorção da verdade. Ele acrescentou que os momentos trágicos da história russa também nunca serão esquecidos.

Nossa tarefa comum é resistir a qualquer tentativa de reescrever a história, incluindo silenciar ou distorcer o papel dos serviços especiais domésticos na derrota do nazismo.

- disse Putin.

O Presidente frisou que os serviços especiais garantem há muitos anos a segurança do país e dos cidadãos. Ele ressaltou que os serviços especiais russos precisam continuar suas atividades sob os auspícios do Comitê Nacional Antiterrorismo.

Graças à determinação dos departamentos e ao profissionalismo de seus funcionários, o número de ataques terroristas na Rússia diminuiu significativamente (dois foram registrados em 11 meses de 2020). Ele pediu aos serviços especiais do país que também levem em consideração os riscos de conflitos que estão latentes nas fronteiras da Rússia. Depois disso, Putin desejou mais sucesso a todos os funcionários das agências governamentais relevantes.

7 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. ODRAP Off-line ODRAP
    ODRAP (Alexey) 20 Dezembro 2020 21: 53
    -6
    Em breve ouviremos que o nazismo foi derrotado exclusivamente por um encavede.
    1. Só um gato Off-line Só um gato
      Só um gato (Bayun) 21 Dezembro 2020 08: 11
      0
      Em 8 de outubro de 1941, o comandante supremo Joseph Stalin transmitiu pelo rádio às unidades que lutavam no cerco nos arredores de Moscou: "... Moscou não tem ninguém e nada a defender. Repito: não há ninguém e nada." Se naquela época os tanques do 3º Grupo Panzer alemão do general Georg Reingard haviam se movido ao longo da rodovia Volokolamskoe, não havia nada para detê-los. Mas eles não se mexeram. Porque foram forçados a se voltar na direção da linha Vyazma - Sychevka - Rzhev, na qual as batalhas sangrentas mais severas se desenrolaram. As divisões do NKVD, formadas a partir dos depósitos do NKVD e dos soldados das tropas de escolta, e equipadas com oficiais - guardas de fronteira, levaram a defesa para lá. A 247ª Divisão de Rifles da marcha entrou na batalha com as forças superiores do 3º Grupo Panzer Alemão (o Grupo Panzer Alemão - duas divisões Panzer - corresponde aproximadamente ao Corpo Panzer do Exército Vermelho). A divisão quase não contava com artilharia antitanque e acoplada e outros meios de defesa antitanque, apenas armas leves, e em três dias de combate perdeu mais da metade de seu pessoal, mas nenhum caça recuou sem ordem.
      No total, 4 divisões do NKVD, 2 brigadas separadas do NKVD, regimentos separados e outras unidades das unidades do NKVD para a proteção da retaguarda do exército ativo participaram da defesa de Moscou nas abordagens distantes e próximas.
      A polícia de Moscou também defendeu a capital. Em outubro de 1941, outra divisão do NKVD foi formada e várias unidades separadas dos vários serviços da polícia de Moscou. Um regimento de rifle separado do NKVD foi para a frente à direita do desfile festivo em 7 de novembro. As unidades da milícia estavam armadas apenas com armas leves - rifles e metralhadoras, até mesmo metralhadoras não eram suficientes, para não falar de armas antitanque. Mas nenhum deles deixou seus cargos, eles morreram, mas não recuaram. Sangrando, eles cobriram a capital com eles próprios enquanto as tropas se moviam da Sibéria e do Extremo Oriente. O marechal da União Soviética Konstantin Konstantinovich Rokossovsky, que comandava o 16º Exército na época, lembrou isso deles.
      Mas poucos sabem que entre os heróicos defensores da Fortaleza de Brest estava o 132º batalhão separado do NKVD. Agora já se sabe com certeza que a inscrição "Estou morrendo, mas não desisto! Adeus, Pátria! 20.VII.41" foi feito na parede do quartel por um lutador desse mesmo batalhão.
      1. ODRAP Off-line ODRAP
        ODRAP (Alexey) 21 Dezembro 2020 11: 52
        +1
        Comissariado do Povo de Assuntos Internos, com tanques e artilharia? E contra quem ele apontou?
        É como a Guarda Nacional, com armas nucleares táticas ...
    2. Quarto Cavaleiro Off-line Quarto Cavaleiro
      Quarto Cavaleiro (Quarto Cavaleiro) 21 Dezembro 2020 08: 22
      0
      Esses são os tolos.
      #o mundo inteiro sabe que o nazismo foi derrotado pelos guerreiros da UPA e pelo soldado Ryan.
      1. ODRAP Off-line ODRAP
        ODRAP (Alexey) 21 Dezembro 2020 11: 53
        0
        E se você não fizer careta como Praskovya?
  2. Igor Pavlovich Off-line Igor Pavlovich
    Igor Pavlovich (Igor Pavlovich) 20 Dezembro 2020 23: 02
    -2
    Bem, sim, agora a Duma vai adotar com urgência uma lei de responsabilidade penal "por distorcer o papel dos serviços especiais" por, tipo, 12 anos ... am
    1. ODRAP Off-line ODRAP
      ODRAP (Alexey) 21 Dezembro 2020 11: 54
      0
      Não mexa.
      Para a vida.
      Por que deveriam eles, liberais, sentir pena deles ...