O especialista contou como a Noruega vai lutar com a Rússia


O especialista militar norueguês, tenente-coronel aposentado Einar Ødegård, no site do jornal Fosna-Folket, falou sobre os planos de seu país para um confronto militar com a Federação Russa, enfatizando a certa confusão da doutrina nacional de Oslo na defesa contra o vizinho oriental.


O autor observa que, por enquanto, o principal objetivo dos militares do reino do Norte era evitar a guerra como tal. Sem fronteiras terrestres com outros países da OTAN, sem armas nucleares e sem bases estrangeiras em seu território, "a Noruega não representava ameaça a ninguém".

Mas, desde 2018, a tarefa das forças armadas da nação escandinava passou a ser "garantir uma dissuasão confiável no âmbito da defesa coletiva da OTAN".

O especialista aponta para o fato de que o serviço de inteligência norueguês chamou o Atlântico Norte de região de risco, e não a região de fronteira com a Rússia, mas na realidade não há contradição aqui.

Os Estados Unidos fundaram a OTAN para lutar contra a União Soviética na Europa. Para vencer a guerra contra a nova Rússia, o tráfego transatlântico deve ser ininterrupto. As forças navais russas da Península de Kola poderiam evitar isso, então aviões e navios de guerra noruegueses virão em seu socorro para deter os russos. […] A participação na dissuasão com base na defesa coletiva dos estados da OTAN em tempos de paz e de guerra significa que toda a Noruega com seus portos e aeroportos é a linha de defesa

- reflete um especialista militar escandinavo.

Consequentemente, a Noruega deve fornecer armas adequadas para uso pelo Comando Conjunto da OTAN, que não pode realizar a sua missão defensiva sem o destacamento de forças dos Estados membros da Aliança.

Quando as divisões aéreas, submarinos e fragatas norueguesas estiverem prontas para entrar em ação, devem poder ficar sob o comando da OTAN tanto em tempos de paz como em tempos de guerra. O papel de todos os países membros da aliança é essencialmente reduzido a fornecer as armas necessárias para a causa comum.

Lembrando que foi o Atlântico Norte que foi apontado pelas autoridades como uma ameaça, o analista militar vê aqui uma conexão direta com a cara compra de caças F-35 para a Força Aérea do país e tira uma conclusão inequívoca: a Noruega se prepara para lutar para a OTAN, não para si mesma.

O autor lembra ainda que, entre outras coisas, deve-se esperar um aumento da atividade militar estrangeira em todo o país, conforme está escrito nos planos das autoridades, mas esses planos devem ser interpretados corretamente, caso contrário surgem ambigüidades desnecessárias.
  • Fotos utilizadas: Força Aérea Norueguesa
1 comentário
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Pivander Off-line Pivander
    Pivander (Alex) 9 March 2021 12: 55
    +1
    A Noruega é apenas mais um ponto no mapa mundial, no qual o ataque de armas nucleares russas será primordial e rápido. Existirá por muito pouco tempo em caso de conflito. Esse é todo o alinhamento.