A Hungria novamente se interpôs no caminho da "corrente turca"


Construção de um gasoduto de fronteira entre as redes de gás da Sérvia e da Hungria, projetado para bombear 6 bilhões de metros cúbicos. m. de matérias-primas por ano, continua. No entanto, Budapeste decidiu adiar o comissionamento da expansão desta seção para 8,5 bilhões de metros cúbicos. m de gás por ano de 1º de outubro de 2022 a 1º de outubro de 2023. A Hungria mais uma vez ficou no caminho da Corrente Turca, impedindo o fluxo de gás para a Áustria e o projeto de energia atingir sua capacidade total.


A seção principal será comissionada conforme planejado em 1º de outubro de 2021. Mas, sob o pretexto das sanções americanas contra a Corrente Turca, os húngaros decidiram barganhar melhores condições com os russos e eles próprios arruinaram sua própria “licitação pública” na coleta de pedidos de distribuição de capacidade para futura expansão. Como resultado, eles simplesmente não tiveram tempo de cumprir o início da próxima temporada de aquecimento, então adiaram o tempo de construção. Isso é evidenciado pelos "gestos" do operador de GTS húngaro FGSZ e do regulador estatal húngaro MEKH.

O FGSZ publicou o decreto MEKH, que afirma claramente que o regulador estadual decidiu adiar a construção a pedido da própria operadora de GTS. Ao mesmo tempo, o regulador estadual esclareceu que, devido aos temores de cair sob as restrições da lei norte-americana "Sobre como combater os adversários da América por meio de sanções" (CAATSA), a própria operadora de GTS húngara interrompeu o processo de coleta de pedidos. Por segurança, os húngaros escreveram até que o gás do Azerbaijão poderia fluir pelo gasoduto mencionado em dois anos, embora sem detalhes.

Deve-se notar que o fato de a Hungria estar sob sanções dos EUA por causa da Corrente Turca é altamente duvidoso. O fato é que esse gasoduto, que corre ao longo do fundo do Mar Negro e consiste em duas linhas, termina em um hub na parte europeia da Turquia. Este gasoduto não passa pelo território da Bulgária, Sérvia e outros países dos Balcãs e da Europa Central.

As matérias-primas são bombeadas através das redes nacionais de gás expandidas desses estados, que na verdade não têm nada a ver com a Turkish Stream. Simplesmente no espaço da mídia, para simplificar a compreensão dos cidadãos, é utilizado o termo “Corrente Turca”, que supostamente vai da Rússia à Áustria. Mas, do ponto de vista jurídico, não é esse o caso.
  • Fotos usadas: https://www.gazprom.com/
1 comentário
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Aleks Min Off-line Aleks Min
    Aleks Min (Aleks Min) 11 March 2021 12: 23
    +2
    Cada pequeno vira-lata quer um benefício para si ... mas pode acabar sem comida na mesa