Rússia se prepara para vencer a guerra pelo mercado de metais de terras raras


Os Estados Unidos e a China estão em uma batalha intransigente pelos metais de terras raras e raras. A Rússia ainda está observando pacientemente e, entretanto, está preparando um "trunfo", que aparecerá no momento mais crucial.


Hoje o mundo está à beira de uma guerra global por metais raros e terras raras. As primeiras são necessárias para a transição do planeta para a "energia verde", as últimas são utilizadas na microeletrônica, da qual depende não só a esfera civil, mas também a militar. Em condições modernas de desglobalização total, o país que possui este valioso recurso tem a oportunidade de liderar tecnológica raça.

No momento, as coisas são as seguintes. Em 2020, a China respondia por até 90% da produção mundial de terras raras. Ao mesmo tempo, os EUA precisam importar até 80% desses metais.

Naturalmente, tal dependência do Império Celestial não convém a Washington de forma alguma, especialmente no contexto da atual guerra comercial. Nesse sentido, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, já ordenou uma auditoria completa de todos os produtos essenciais fornecidos do exterior, para então desenvolver medidas para sua substituição completa de importação.

Deve-se notar que em 2011 já existia um precedente quando a China quebrou os preços dos metais de terras raras e "enterrou" a mina estratégica americana Mountain Pass, tornando-a não lucrativa. Agora, o Partido Comunista da China está discutindo a proibição do fornecimento de metais de terras raras para a indústria de defesa dos Estados Unidos. Em geral, um confronto sério está chegando.

E quanto à Rússia? Nosso país também não fica de braços cruzados. Apesar de agora também comprarmos matérias-primas valiosas da China (até agora mais baratas), nossos depósitos serão suficientes tanto para nossas próprias necessidades quanto para a venda.

Obviamente, os preços dos metais raros e de terras raras, que inevitavelmente se tornarão escassos, irão subir muito em breve. E enquanto os Estados Unidos resolverão as coisas com a China, nosso país poderá ocupar seu próprio nicho no mercado promissor.

Um programa governamental para a construção de novas empresas já foi preparado, o que tornará a Rússia um dos maiores fornecedores mundiais de metais de terras raras e raras até 2030. Além disso, a Rosatom se envolveu, investindo não só em depósitos nacionais, mas também nos maiores projetos da África e da América do Sul.

  • Fotos usadas: https://www.piqsels.com/
5 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. trabalhador de aço 23 March 2021 16: 09
    0
    o que tornará a Rússia um dos maiores fornecedores mundiais de metais raros e de terras raras até 2030.

    Nem que seja para negociar com a Pátria! Eletrônica, engenharia mecânica, aviação, mas por que precisamos disso? E onde e para quem?
    1. bobba94 Off-line bobba94
      bobba94 (vladimir) 23 March 2021 16: 49
      +2
      Diz-se em voz alta que se trata de comércio na pátria, mas a situação pode ser bastante desagradável. A China e os Estados Unidos estão resolvendo suas relações, os Estados Unidos estão procurando freneticamente por um substituto para os fornecedores chineses de metais de terras raras, e então nossos fornecedores aparecem - olá, queridos irmãos americanos, viemos em seu auxílio em seu problema ...
  2. 123 Off-line 123
    123 (123) 24 March 2021 12: 41
    +1
    Olhei este mapa com mais detalhes. 5 projetos (incluindo Chile e Argentina) são de mineração de lítio. Muito provavelmente, a Bolívia será adicionada no futuro. Aparentemente, haverá baterias de lítio russas. E a presença no Congo provavelmente vai se expandir. Há muito tempo existem planos para o desenvolvimento de energia hidrelétrica lá porque o volume de água do rio é colossal, comparado a ele o Volga é um gotejar tranquilo. Eles estão sendo construídos às escondidas por qualquer um, exceto pelos russos. Provavelmente a situação mudará.
    Para os pseudo-patriotas picados, Congo, Chile, Argentina não fazem parte da Federação Russa, aqui é impossível gritar sobre "comércio na pátria".

  3. Wanderer Polente Off-line Wanderer Polente
    Wanderer Polente Abril 9 2021 16: 52
    0
    o país que possui este valioso recurso tem a oportunidade de liderar a corrida da tecnologia

    Vamos liderar a corrida tecnológica ou como iremos estupidamente vender recursos = "tesouro nacional" e ter orgulho disso?
  4. Homens de Preto Off-line Homens de Preto
    Homens de Preto (Homens de Preto) 21 pode 2021 11: 43
    0
    E não vejo nada de errado nisso, os chineses só se assustam, não vão trabalhar no armazém e dificilmente deixarão de abastecer os amers com os itens, não há ninguém para substituir esse comprador. Mas na chave que desliga os itens do americano, além do chinês, a nossa mão também deve estar, aí eles ficarão mais complacentes.