A Rússia vai deixar o "espaço ucraniano" viver um pouco mais




Em um foguete soviético - em tempos difíceis

A Ucrânia é um dos centros mundiais de foguetes. É verdade, no passado. Foi no escritório de projetos Yuzhnoye, localizado no Dnieper (antigo Dnepropetrovsk), que o míssil balístico intercontinental R-36M foi desenvolvido, que no Ocidente era carinhosamente apelidado de "Satan". É o sistema de mísseis de combate mais poderoso do mundo, que até agora é um dos principais componentes da tríade nuclear russa. Com base no R-36M a ser liquidado, eles criaram o lançador ucraniano-russo "Dnepr", atrás do qual foram realizados 22 lançamentos. Com a ajuda dele, mais de 140 espaçonaves de mais de 20 países foram colocadas em órbita. Em 2016, soube-se que a Rússia recusaria a participação da Ucrânia na largada do Dnieper, e o próprio veículo de lançamento passaria a se chamar Baikal. A história da amizade acabou.

O Dnipro não é a única página brilhante na indústria de foguetes ucraniana. “Além do nosso, o Zenit é talvez o segundo melhor,” disse Elon Musk na época, comentando sobre o melhor dos mísseis existentes. Não é preciso dizer que o Zenit foi criado na época da União Soviética.



Para a Ucrânia moderna, desenvolver um novo veículo de lançamento do zero é, francamente, uma tarefa impossível. Como com econômico, e com um puramente científicotécnico lados. Além disso, mesmo que esse produto apareça, é improvável que seja mais econômico do que os mísseis existentes e seja capaz de eliminá-los no mercado de lançamento. A melhor evidência disso é o novo Angara A5 russo, que em sua forma atual acabou sendo duas vezes mais caro que o Proton testado pelo tempo, sem mencionar o Falcon 9 reutilizável.

Programas de TV brasileiros e sonhos canadenses

No entanto, as tentativas de criar algo próprio não pararam. Em 2003, começou a ser implantado o projeto ucraniano-brasileiro Cyclone-4, que consistia na criação de um novo lançador leve a partir do centro de lançamento de Alcântara. A palavra "novo" pode ser usada aqui apenas com algumas ressalvas, porque, na verdade, o foguete deveria se tornar mais um representante da família R-36. Em 2015, soube-se que o Brasil congelou o projeto, e o bureau de design Yuzhnoye foi pego em fraude por grandes somas. “Houve uma quebra do contrato devido ao fato de que nosso lado fez de tudo para evitá-lo, mas apenas para roubar dinheiro”, disse Andriy Teteruk, membro do Verkhovna Rada do Comitê de Segurança Nacional e Defesa da Ucrânia em 2018.



A saga não acabou aí. Em 2017, o escritório de projeto Yuzhnoye anunciou que estava desenvolvendo um míssil Cyclone-4M de dois estágios baseado no Cyclone-4. O financiamento do projeto recairá sobre os ombros dos Serviços de Lançamento Marítimo baseados no Canadá. O cosmódromo ficará localizado na costa atlântica do Canadá, na Nova Escócia. O ano de 2020 foi apontado como a data planejada para colocar o complexo de mísseis em operação experimental. De acordo com as declarações dos desenvolvedores, o Cyclone-4M será capaz de lançar 5 toneladas de carga em uma órbita de baixa referência. O primeiro estágio funciona com querosene com oxidação de oxigênio líquido, o segundo estágio usa heptil e amil.

A ideia de criar um foguete econômico de classe média na era de domínio quase total do Falcon 9 no segmento "pesado" não é sem sentido. Yuzhnoye, é claro, não será capaz de competir com a SpaceX, mesmo com um Zenit melhorado. Outra questão é que o projeto do novo "Cyclone", como o projeto do "Cyclone" do antigo, não está apoiado em nada. Ninguém e nada garante sua execução. Anteriormente, a mídia noticiou que o programa recebeu financiamento da empresa United Paradyne, com sede na Califórnia, especializada no desenvolvimento de combustível para foguetes. Sabe-se também que a “Maritime Launch Services” pretende financiar o projeto “com recursos próprios e com a ajuda de aportes financeiros recebidos de fontes comerciais”.

Isso tudo é bastante vago. Na ausência de contratos firmes, inclusive para a produção de qualquer número significativo de mísseis, não faz sentido falar sobre as perspectivas do projeto. Além disso, está diante de nossos olhos um exemplo de cooperação ucraniano-brasileira “exitosa”, que, aliás, foi iniciada em tempos mais fáceis para a Ucrânia.



Zenith ou esperança para a Rússia

A verdadeira salvação para o escritório de projetos Yuzhnoye em condições difíceis foi o contrato com a empresa russa S7 Group, que prevê o fornecimento de doze mísseis Zenit para o complexo Sea Launch. Anteriormente, lembramos que a holding passou a ser a única proprietária do cosmódromo flutuante. Na verdade, seus proprietários não tinham opções: apenas um míssil ucraniano é adequado para o lançamento marítimo. O primeiro lançamento com um foguete recém-construído foi otimista para 2019 (problemas burocráticos podem alterá-lo significativamente).

Outra coisa é importante. O próprio Grupo S7 viu o foguete Zenith como um elo intermediário no caminho para a operação do promissor foguete russo Soyuz-5, que também deveria receber uma versão para o cosmódromo Sea Launch. Mas recentemente Dmitry Rogozin deixou claro que a criação de um novo foguete é adiada indefinidamente e, com um alto grau de probabilidade, simplesmente "não funcionou", uma vez que se tornou um análogo do já existente e longe de ser novo Zenit.



Assim, ou o S7 continuará a comprar e operar mísseis ucranianos ou terá que vender o Sea Launch. Vale lembrar mais uma vez que, segundo estimativas da Zenit, cerca de 70% são componentes russos, incluindo motores russos RD-171. Com este nível de integração mútua, o problema residirá principalmente em político avião, apesar do fato de que Sea Launch já é um projeto privado. Outro problema é se o fabricante do foguete, representado por Yuzhmash, será capaz de construir o número de transportadores de que o cliente precisa, mesmo se o lote estiver limitado às doze unidades iniciais (a posição da empresa, como muitos outros "gigantes" ucranianos, está longe de ser invejável). Receberemos respostas para todas essas perguntas nos próximos anos. No final, ninguém vai manter o Sea Launch inativo para sempre: não é lucrativo e simplesmente não tem sentido, já que os recursos do espaçoporto não são infinitos.

Não quebrou uma janela para a Europa

O lançador europeu Vega tornou-se um marco para a UE e a Ucrânia. Com ele, a Agência Espacial Européia (ESA) recebeu um lançador de classe leve e fechou toda a linha de lançadores de todas as classes. E a Ucrânia conseguiu encontrar um cliente adicional. O significado prático do projeto é o lançamento econômico de pequenos satélites em órbita. Demorou 25 anos para desenvolver mais de 700 milhões de euros para que o foguete de orçamento estivesse pronto para o primeiro lançamento.

Estruturalmente, "Vega" tem quatro etapas. O último deles - AVUM - foi equipado com um motor de foguete não criogênico RD-843, criado no Yuzhnoye Design Bureau e fabricado na empresa Yuzhmash. Ele recebeu uma atuação múltipla com um sistema de alimentação de deslocamento positivo. A dimetilhidrazina assimétrica é usada como combustível e o tetróxido de nitrogênio é usado como agente oxidante. Em novembro do ano passado, o motor foi usado com sucesso para onze lançamentos orbitais.



Com isso, aparentemente, a história do "amor" ucraniano-europeu terminará. Em novembro de 2017, a EKA alocou 53 milhões de euros para financiar o programa Vega Evolution. Seu significado é criar um substituto para o RD-843. O motivo é trivial e reflete bem as tendências dos foguetes modernos. O motor, feito com base na reserva soviética, acabou por não ser amigo do ambiente e agora deve ser substituído por um desenvolvimento europeu. No âmbito do projeto, a Agência Alemã de Tecnologia Aeroespacial pretende cooperar com os italianos. Supõe-se que o quarto estágio AVUM + melhorado para a nova versão do foguete Vega-C aparecerá já em 2019. Deve-se presumir que o Yuzhnoye Design Bureau não possui tecnologias que permitiriam criar uma alternativa, e elas não aparecerão em um futuro previsível.

Qual é o resultado final? Para as autoridades ucranianas, a indústria espacial é uma mala notória sem alça: é difícil de transportar, é uma pena partir. Os desenvolvimentos soviéticos estão despertando cada vez menos interesse entre os parceiros, mas não há nada de fundamentalmente novo. Ao mesmo tempo, a elite ucraniana não tem pressa em admitir abertamente esses fatos. Afinal, a questão reside, antes de tudo, no plano da reputação: as autoridades não querem que outra pedra caia em seu jardim. Além disso, na véspera das eleições.
  • Autor:
  • Fotos usadas: https://www.roscosmos.ru/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
1 comentário
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. yuriy55 Off-line yuriy55
    yuriy55 (Yuri Vasilievich) 14 July 2018 05: 18
    +1
    Espaço ucraniano, as pessoas podem viver. Nacionalistas, fascistas e as autoridades que os cobrem - não. Mas para quem estou dizendo isso? O negócio vem em primeiro lugar Não acredita? Pergunte ao Gref ... afiançar