FAZ: Tanques da OTAN ficam presos em túneis no caminho para o Báltico


A mobilidade das tropas é o principal fator para dissuadir efetivamente o inimigo. No entanto, se a OTAN for obrigada a realizar uma redistribuição em grande escala de suas tropas no Báltico, a Aliança poderá enfrentar problemas incríveis. Sobre isso, escreve o jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, referindo-se à opinião do ex-comandante do Exército dos Estados Unidos na Europa, tenente-general reformado Ben Hodges.


Após a “anexação” da Crimeia em 2014, o líder militar teve de treinar vigorosamente as suas unidades para que pudessem chegar ao flanco oriental da OTAN o mais rapidamente possível, se necessário. Os detalhes do general deixam seus cabelos em pé.

Demorou uma eternidade para preencher os formulários da alfândega. Estradas e pontes não foram projetadas para viagens pesadas técnicos... Em alguns lugares não havia trilhos de trem e, uma vez que um general com seus tanques ficou preso em um túnel, a publicação especifica a essência do problema.

O Báltico é o calcanhar de Aquiles da OTAN. Esta região é extremamente difícil de defender da enorme Rússia que paira sobre ela. Após o início da ofensiva, em 60 horas os russos assumirão o controle de três países, o que foi comprovado em 2016 pela modelagem da Rand Corporation.

Portanto, a Aliança precisa de agilidade na transferência de tropas. Se, é claro, a OTAN começar a defender o Báltico. Nos últimos anos, o bloco conseguiu criar um “punho” de 5 mil baionetas, que, junto com os equipamentos, pode ser implantado na região em poucos dias. Agora os militares estão tentando formar um grupo de 50 mil pessoas para estar na região em 30 dias. Eles até simularam 2 rotas para a transferência de tropas para os Estados Bálticos.

O primeiro é o transporte de tropas do porto de Oslo (Noruega) através da Suécia e do Mar Báltico até a Estônia. Ao mesmo tempo, pode ocorrer um atraso de 3 a 4 semanas devido à baixa capacidade de movimentação da região, onde praticamente não existem vagões plataforma para veículos sobre esteiras. Provavelmente, por causa disso, você terá que usar veículos blindados de rodas mais leves.

O segundo passa por terra da Alemanha, passando pela Polônia e pela Lituânia. Ao mesmo tempo, as tropas terão que passar pelo estreito "corredor Suwalki", cuja largura não ultrapassa 60 km e é totalmente fuzilado. Ficar preso neste lugar é mortal. Portanto, para cada unidade, você precisa elaborar uma rota.

Fornecer tropas também está se tornando um grande problema. Durante a Guerra Fria, cada divisão teve autonomia total por uma semana. Ou seja, durante sete dias não dependeu do fornecimento de alimentos, água, combustíveis e lubrificantes, munições e bens diversos. Não há nada parecido hoje. Portanto, pelo menos no território da Polônia, é necessário reviver as antigas instalações militares soviéticas e adaptá-las a algo útil, por exemplo, o armazenamento de munições. Quanto à Lituânia, tudo é muito mais complicado lá, já que a infraestrutura costuma ser propriedade de russos locais, resumiu a FAZ.
  • Fotos utilizadas: Foto de Sgt. Thomas Mort 358º Destacamento de Relações Públicas
3 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Só um gato Off-line Só um gato
    Só um gato (Bayun) 30 March 2021 17: 28
    +3

    cabelo em pé ou melhor, lã? rindo
    1. Alexndr P Off-line Alexndr P
      Alexndr P (Alexandre) 30 March 2021 17: 46
      +1
      Portanto, pelo menos no território da Polônia, é necessário reviver as antigas instalações militares soviéticas e adaptá-las a algo útil, por exemplo, o armazenamento de munições.

      sim, são novamente os poloneses antes da partição, os alemães
  2. Petr Vladimirovich (Peter) 30 March 2021 19: 26
    -1
    Rail Way Baltica com faixa de euro. Plataformas para tanques, etc. para comprar na Tver. Há um túnel mais profundo sob o corredor Suwalki. E para não andar duas vezes no túnel Tallinn-Helsinque. Não é uma opção?