O que está por trás da recusa dos americanos em enviar destróieres ao Mar Negro


Em 14-15 de abril de 2021, dois contratorpedeiros USS Donald Cook ("Donald Cook" - DDG 75) e USS Roosevelt ("Roosevelt" - DDG 80) do tipo "Arleigh Burke" iriam entrar no Mar Negro e permanecer em Ele aguarda até 4 e 5 de maio pelo apoio moral de Kiev, opondo-se à "agressiva" Moscou. Os americanos notificaram o Ministério das Relações Exteriores turco sobre a "visita" de seus navios de guerra em 9 de abril, mas recusaram inesperadamente.


De referir que, no dia 14 de abril, Washington informou a Ancara sobre o cancelamento da mencionada passagem de um grupo de navios pelo Bósforo e pelos Dardanelos. Sobre isso RIA Novosti disse uma fonte do Ministério das Relações Exteriores da Turquia. Segundo ele, o lado americano não explicou o motivo da decisão.

Antes disso, os Estados Unidos manifestaram de forma muito militante seu apoio à Ucrânia, tendo como pano de fundo o agravamento da situação em Donbass e o aumento das tensões na fronteira russo-ucraniana. Portanto, muitos começaram a se perguntar o que estava por trás da recusa dos americanos em enviar destróieres ao Mar Negro. Pode haver muitos motivos, mas dois deles são os mais prováveis.

O primeiro é o presidente dos EUA, Joe Biden, recentemente chamado Colega russo Vladimir Putin e se ofereceu para realizar uma reunião pessoal. Moscou e Washington têm muito a discutir, então Biden fez um gesto de boa vontade e retirou os navios. Os "patriotas" ucranianos já chamaram o apelo de Biden de "zrada", então só podemos imaginar quais epítetos serão atribuídos ao destacamento da Marinha dos Estados Unidos.

Em segundo lugar, os Estados Unidos querem ficar longe de um possível conflito armado. Os americanos não se importam com uma guerra real entre a Ucrânia e a Rússia, mas eles próprios não querem participar dela. Ao mesmo tempo, levando em consideração a "experiência ucraniana" na ponte da Crimeia, os americanos podem realmente "voar" no Mar Negro.
  • Fotos usadas: foto da Marinha dos EUA pelo companheiro do fotógrafo de 2ª classe Michael Sandberg
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
6 comentários
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. 123 Off-line 123
    123 (123) Abril 15 2021 13: 29
    0
    AmeriGa está conosco !!! O mundo inteiro....
    7 anos se passaram e isso nunca ocorreu a eles. Nada muda.

  2. trabalhador de aço Abril 15 2021 13: 30
    +2
    Isso é um bom sinal. A Rússia precisa continuar a agir com firmeza. O Donbass deve ser anexado à Transnístria. E haverá água na Crimeia. Em geral, se não fugirmos, vejo alguns prós, contras e, portanto, já está cheio.
    1. oderih Off-line oderih
      oderih (Alex) Abril 15 2021 19: 05
      +1
      Somente quando eliminamos os traidores internos.
  3. Bulanov Off-line Bulanov
    Bulanov (Vladimir) Abril 15 2021 13: 37
    +1
    portanto, só podemos imaginar quais epítetos serão atribuídos à virada da marinha americana.

    É como a virada de Primakov sobre o oceano - uma mudança no vetor de política, só que aqui com um sinal diferente.
    1. oderih Off-line oderih
      oderih (Alex) Abril 15 2021 19: 07
      0
      Primakov parou o massacre em toda a Sérvia - isso deve ser entendido
  4. Caro especialista em sofás. Abril 15 2021 22: 38
    +3
    Em 14-15 de abril de 2021, dois contratorpedeiros USS Donald Cook ("Donald Cook" - DDG 75) e USS Roosevelt ("Roosevelt" - DDG 80) do tipo "Arleigh Burke" iriam entrar no Mar Negro e permanecer em Ele aguarda até 4 e 5 de maio pelo apoio moral de Kiev, opondo-se à "agressiva" Moscou. Os americanos notificaram o Ministério das Relações Exteriores turco sobre a "visita" de seus navios de guerra em 9 de abril, mas recusaram inesperadamente.

    O que há para adivinhar? Cheirava a frito, e os americanos imediatamente pegaram a merda com sua própria "determinação invencível".

    Finalmente, eles perceberam que enviar navios destruidores (de acordo com a classificação alemã, destróier - Zerstörer - Destroyer) às costas da Rússia, cheios de mísseis de cruzeiro, significava um precedente militar.
    Uma coisa é instalar sistemas de defesa antimísseis no território dos romenos / poloneses, que, pelo menos condicionalmente, mas ainda pode ser chamado de arma de defesa, e outra coisa - "Zerstörer" (Destroyer), que se destina exclusivamente para agressão. E como pode ele, este "destruidor", ser manchado como uma "pomba da paz"? O batente acaba.)

    Mas esse precedente dá à Rússia, por sua vez, o direito moral (por assim dizer - internacional) de usar a força contra o agressor, de acordo com a emenda em sua própria doutrina militar, sobre a possibilidade de desferir um ataque preventivo.

    E de alguma forma não seria desejável que esses americanos democráticos estivessem no papel desse mesmo agressor.

    É meio melhor .. pelas mãos de outra pessoa .. mas seria assim, por nós mesmos, deles, embora estúpidos, mas para substituir suas cabeças sob o golpe do martelo ..., aqui, como dizem, bem , nafig ele.