Washington planejava atacar o Vietnã com armas nucleares

Um dos terríveis segredos da história da Guerra do Vietnã está surgindo nos Estados Unidos. Acontece que havia planos para usar as mais terríveis armas de destruição em massa contra o Vietnã do Norte.



O New York Times, referindo-se a documentos desclassificados dos arquivos, relatou que o então comandante das forças americanas, William Westmoreland, havia desenvolvido um plano para uma operação que chamou de Fracture Jaw ("fratura da mandíbula"). Previa o uso de armas atômicas no sul do Vietnã para usá-las contra as forças de libertação vietnamitas em caso de ameaça de derrota.

Naqueles anos, Lyndon Johnson era o presidente dos Estados Unidos. Foi ele quem interrompeu a implementação deste plano. Mas não por considerações humanísticas, mas por puro cálculo: no caso de um passo tão ousado, a China poderia entrar na guerra, que Washington temia. Johnson também tinha outro motivo: embora respeitasse Westmoreland, ele não queria que os generais do Pentágono assumissem um papel muito importante na liderança da luta no Vietnã.

Johnson soube que Westmoreland estava se preparando para transferir armas nucleares para o Vietnã de Walt Rostow, que era seu conselheiro de segurança. O chefe de estado ordenou o cancelamento da operação. Isso foi contado por Tom Johnson, que naqueles anos serviu como secretário de Lyndon Johnson.

Ao saber que tais planos haviam sido colocados em prática, o presidente ficou extremamente chateado por meio de Rostow e, pelo que entendi, diretamente para Westmoreland, ordenou que parasse tudo imediatamente.

- disse Tom Johnson.

Em janeiro deste ano, foram divulgados documentos de que havia planos para lançar mais de 400 bombas atômicas na União Soviética. Agora está surgindo a terrível verdade sobre a guerra do Vietnã, que mesmo sem armas nucleares ceifou milhões de vidas.
  • Fotos usadas: http://nevsedoma.com.ua
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.