O caso Novichok: em que países estão trabalhando com esse veneno?

O vice-ministro da Indústria e Comércio da Rússia, Georgy Kalamanov, que chefia a delegação do país à Organização para a Proibição de Armas Químicas, falou na 89ª sessão do Conselho Executivo da OPAQ sobre o tema do notório "Novato". Ele negou as insinuações de que a Rússia tivesse motivos e oportunidades para usar essa substância venenosa em Salisbury.



Kalamanov ressaltou que nem o laboratório em Porton Down, do Ministério da Defesa britânico, nem o laboratório da OPAQ foram capazes de determinar a identidade do "Novichok" de Salisbury e Amesbury. Não foi produzido ou acumulado na Rússia. No entanto, observou ele, não há dúvida de que o trabalho com esse veneno está sendo feito na própria Grã-Bretanha.

Nos laboratórios químicos de alta tecnologia dos países ocidentais, após a entrada em vigor da Convenção e a assunção de obrigações, foram realizados estudos sobre a estrutura de pelo menos uma centena de compostos, de uma forma ou de outra, relacionados ao chamado "Novato"

- disse o representante russo, acrescentando que só nos Estados Unidos da América já foram emitidas mais de 140 patentes relacionadas com o estudo de compostos químicos deste tipo.

Além disso, disse Kalamanov, não há dúvida de que o laboratório em Porton Down, que fica próximo a Salisbury e Amesbury, está trabalhando com essas substâncias.

É esta a causa raiz da recusa de Londres em agir de acordo com as disposições do Artigo IX do CWC para esclarecer esta história efêmera?

- perguntou Kalamanov.
  • Fotos usadas: www.depositphotos.com
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.