Trump decidiu quebrar o acordo com a Rússia sobre o Tratado INF

O governo dos Estados Unidos, mais uma vez, confirmou que é "dono de sua palavra". Ele quer, dá, mas quer, pega quando vê um benefício nisso. O principal é falar longamente sobre a paz mundial e sobre a democracia em geral.



Desta vez, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, queria se retirar do tratado com Moscou sobre a eliminação de mísseis de médio e curto alcance (Tratado INF), assinado em 1987, ainda na URSS. Em seguida, os mísseis com alcance de 500 a 5,5 mil km foram proibidos.

Ele disse que depois disso, os Estados Unidos desenvolverão essas armas.
Mas ele prometeu que tais desenvolvimentos não seriam realizados se a Rússia e a China concordassem em concluir um novo acordo. Quem vai acreditar nele depois disso? E o que a China tem a ver com isso? Afinal, a Rússia não levantou oficialmente a questão da presença de armas nucleares na Grã-Bretanha, França e Israel quando concordou com as restrições ao START III. Portanto, a recusa de Trump ao Tratado INF também pode tocar neste assunto delicado. Mas ele ainda não pensa nisso, ele está interessado em outra coisa.

Trump está confiante de que a Rússia e a China vêm violando o acordo, e há muitos anos, sem especificar exatamente quantos e quais fatos indicam isso. Além disso, ele está indignado com o fato de seu antecessor (Barack Obama) ainda não ter se retirado do tratado. Ao mesmo tempo, Trump afirmou em voz alta que os Estados Unidos não permitiriam uma violação do tratado de armas nucleares, mas não especificou como o faria.

Deve-se notar que nem todos em Washington compartilham de seu ponto de vista. Também existem pessoas inteligentes que podem olhar um passo à frente e prever as consequências. Por exemplo, o senador democrata Ed Markey (Comitê de Relações Exteriores) acredita que a retirada dos Estados Unidos do tratado fará a favor da Rússia, colocará em risco a segurança dos Estados Unidos e será um golpe para todos os países da OTAN. Não há unidade em Washington, já que Trump começou a balançar ativamente o "barco" americano, bem no meio de um mar já não calmo.

Mas o conselheiro de segurança nacional de Trump, John Bolton, correndo para Moscou, sobre quem nós contado antes, devo apenas informar Moscou sobre a decisão tomada sobre a retirada dos Estados Unidos do Tratado INF. Portanto, o mundo está enfrentando uma nova corrida armamentista, não há dúvida disso.
  • Fotos usadas: https://imgflip.com/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.