Quem está criando o pânico em torno do seguro de lançamento da Roscosmos?

Nos dias da URSS, ninguém se preocupava com o seguro de lançamentos espaciais. Suspeita-se que tal caso nem sequer foi pensado ali. No entanto, agora ninguém está construindo o socialismo, as relações capitalistas estão florescendo. E isso não poderia deixar de afetar a indústria espacial e de foguetes na Rússia. Especialmente após o acidente Soyuz-FG com a espaçonave tripulada Soyuz MS-10 em 11 de outubro de 2018.



E assim, em 24 de outubro de 2018, muitos meios de comunicação russos informaram o público sobre os problemas com o seguro de lançamento na Roscosmos. E alguns o fizeram com evidente regozijo. Estamos falando sobre o lançamento do cosmódromo de Plesetsk (região de Arkhangelsk) do veículo de lançamento Soyuz-3b (possivelmente Soyuz -2018b) com a próxima espaçonave Glonass-M, bem como o lançamento do veículo de lançamento Soyuz-FG, previsto para 2.1 de novembro de 1.1 "Com o veículo de carga Progress MS-10 (voará para a ISS), previsto para 18 de novembro de 2018 no cosmódromo de Baikonur (Cazaquistão).

Ao mesmo tempo, a mídia ignora um ponto interessante. Antes dos mencionados lançamentos, nos dias 25 e 26 de outubro de 2018, o veículo lançador Soyuz-2.1b com a espaçonave do Ministério da Defesa da Rússia será lançado do cosmódromo de Plesetsk. E ninguém na mídia está interessado na questão dos seguros.

Então, se necessário, será lançado o Glonass-M, e tudo que for necessário, e sem seguro. Não há necessidade de causar pânico, embora a razão para isso seja óbvia. Na era do capitalismo, a mídia vive do "hype".

Quanto ao projeto GLONASS, as seguintes estruturas estatais russas estão envolvidas nele: Roscosmos, o Ministério da Defesa, o Ministério de Assuntos Internos, Rostekhnadzor, o Ministério dos Transportes, Rosreestr, o Ministério da Indústria e Comércio, Rosstandart, Rosaviatsia, Rosmorrechflot, FANO. E eles entendem perfeitamente que é simplesmente necessário atualizar a constelação orbital.

Agora, a constelação GLONASS consiste em 26 satélites, dos quais 24 são usados ​​para os fins pretendidos (1 para manutenção, outro 1 para teste). É necessário esclarecer que 14 satélites já estão operando fora da vida útil garantida, e 4 com mais segurança "esgueiram-se" nesta linha. Ao mesmo tempo, a última vez que o grupo foi reabastecido (com um satélite) em 17 de junho de 2018.
  • Fotos usadas: https://ru.depositphotos.com/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.