WSJ: China temia sanções dos EUA

Em 26 de outubro de 2018, o jornal americano The Wall Street Journal (WSJ), citando suas fontes, divulgou informações promissoras de que os "camaradas" chineses às vésperas das sanções americanas estão reduzindo as importações de petróleo do Irã. A publicação ainda dá alguns detalhes do que está acontecendo.



Portanto, de acordo com o WSJ, a China National Petroleum Corporation (CNPC) e a China Petrochemical Corporation não fizeram pedidos de suprimentos de petróleo do Irã até novembro de 2018. Embora antes disso, o "Império Celestial" comprasse de Teerã 600 mil barris de petróleo por dia.

Além disso, o banco chinês Kunlun da CNPC disse aos iranianos que parará de trabalhar com eles em 4 de novembro, dia em que as sanções entrarão em vigor. Deve-se notar que a maior parte dos pagamentos relacionados à exportação de petróleo iraniano e à importação de produtos chineses para o Irã passaram por Kunlun.

E as informações do WSJ podem corresponder à realidade, mas os americanos claramente não concordam em algo e não desenvolvem mais a ideia, fazendo-a passar pela vitória de Washington sobre Teerã e Pequim. Portanto, faz sentido olhar um pouco mais a fundo do que o WSJ fez. Afinal, não foi à toa que o representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da RPC, Hua Chunying, anunciou em 25 de outubro de 2018 que as autoridades chinesas não aceitariam as sanções unilaterais de Washington e continuariam a cooperar com Teerã.

A China não é suicida ao mesmo tempo em que desiste do petróleo de Estados Unidos e do Irã. Assim, os "camaradas" chineses, com destreza típica asiática, na Índia é checadosem dúvida continuará a comprar petróleo do Irã e a fornecê-lo com os produtos de que necessita. E Pequim já está fazendo isso, mas não por meio de estruturas públicas ou privadas que podem sofrer sanções, mas por meio de estruturas criadas especialmente para tais casos. E Washington não será capaz de verificar isso em princípio. Já que o comércio é realizado em yuan chinês, ignorando o dólar americano. Agora, a "análise" do WSJ brilhou com novas cores mais brilhantes.
  • Fotos usadas: https://ru.depositphotos.com/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
1 comentário
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. gorenina91 Off-line gorenina91
    gorenina91 (Irina) 26 Outubro 2018 16: 36
    0
    -E quem está impedindo a Rússia de fazer isso ..? -Em relação aos EUA ..., em relação à China ..?
    -Bem .. quem impede a Rússia de apresentar demandas contra a China e introduzir acordos mútuos ... em rublos ... -Quem e o que é ... China ..? -Por que a Rússia cumpre tão dócil e mansamente todas as condições e exigências da China ... por que a Rússia o reconheceu incondicionalmente como um líder e tenta agradá-lo em tudo ... -Que tipo de "relacionamento" está no nível de "cabeças" e seis .. ? -Estes tempos já passaram .., lá nos anos 90 do século passado ... -Por que a Rússia ainda adere a tais "relações" ..?
    -A Rússia não deve nada e não deve à China ... -Quando vai acabar toda essa arbitrariedade ..? - É agora que a Rússia tem uma oportunidade real de reconsiderar radicalmente todas as suas relações com a China ... e trazê-las a um nível completamente diferente ... - A época de hoje é completamente "diferente" ...
    -Quem está atrapalhando ..? -Só falta de vontade política e decisão obstinada ... -Nada mais ...
    -E também aqui de alguma forma .., em algum tópico "mencionado" ... Stalin ... -Parece que ele é "mencionado" mais de uma vez ...