Japão: "cavalgando" os portos de Primorye, vamos para o Transiberiano

A Terra do Sol Nascente é um território insular. Portanto, o transporte de exportação-importação é feito por via marítima ou aérea. Os navios demoram muito para navegar e os aviões são caros. Mas os "samurais" ainda não ousaram construir uma ponte sobre o Estreito La Perouse que separa a ilha russa de Sakhalin da ilha japonesa de Hokkaido. Embora seja encorajador, eles já pensaram em usar a Ferrovia Transiberiana em suas cadeias logísticas e começaram a operar uma linha de balsa em Primorye russo.



A informação foi confirmada pelo vice-governador da prefeitura de Tottori, Nogawa Satoshi, estando em Vladivostok na próxima cimeira de cooperação regional. O Japão quer criar um corredor de transporte baseado na citada linha de balsas, por se tratar de uma importante ligação com a província chinesa de Jilin (localizada no entroncamento do russo Primorye, Coreia do Norte e China). E no futuro, adicionar outros territórios à rota formada.

Além disso, essa rota já está em operação e é chamada de Corredor de Transporte Marítimo Primorye-2 (MTC Primorye-2). E três portos russos Slavyanka, pos. Zarubino ("Porto marítimo na Baía da Trindade") e Posyet.

Assim, no final de outubro de 2018, o segundo ferry Eastern Dream com capacidade de carga de 4 mil toneladas chegou a Zarubino de Sakaiminato (Japão). Depois disso, componentes para equipamentos digitais e outros bens de consumo foram enviados por estrada para Changchun, na China. E de volta ao Japão, o navio transportou vários produtos agrícolas da China.

Para as províncias do nordeste da China e para o Japão em geral, esta rota é muito mais conveniente, rápida e lucrativa do que a que era usada anteriormente pelo porto de Dalian (China). Os japoneses gostaram da nova rota e decidiram adicionar a ferrovia Transiberiana a ela. Isso significa que eles pretendem expandir econômico cooperação e mais. E os negócios entre as províncias não vão parar, mas vão adquirir uma escala estadual ampla. O principal é começar por algum lado.

Os japoneses já calcularam que, com a ferrovia Transiberiana, vão reduzir os custos de suas empresas em 40% e os prazos de entrega serão reduzidos para 20-27 dias. E os navios pela Eurásia podem "rastejar" por um mês ou até dois.
  • Fotos usadas: https://ru.depositphotos.com/
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.