Os Estados Unidos estão enfrentando uma guerra civil?

Duas guerras mundiais na primeira metade do século XX privaram a "senhora dos mares" do poder militar e do império colonial. E no final do século, em geral, apenas as memórias da antiga grandeza de "Foggy Albion" permaneceram. Ao mesmo tempo, os Estados Unidos contribuíram plenamente para esse processo, livrando-se francamente de um concorrente na arena mundial, transformando-o em vassalo. Agora a Grã-Bretanha tem a chance de se vingar do "amigo" jurado.



A ascensão de Donald Trump ao poder em Washington marcou o início de uma nova era, política isolacionismo nos Estados Unidos, ou "trumpismo", como os partidários do presidente o chamam. Ele imediatamente "afastou" aquela parte da elite americana que defendia a globalização, o que causou uma tempestade de indignação entre um estrato muito influente e rico. Isso foi aproveitado pela Grã-Bretanha, o grande mestre na luta secreta internacional. Afinal, o que Londres não consegue pela força bruta (já que simplesmente não há força), ele decide com a ajuda de intrigas, nas quais tem muito sucesso. E a opção ideal para devolver o status de superpotência à Grã-Bretanha e ao império colonial mundial é eliminar os Estados Unidos.

É por isso que os britânicos confiaram na oposição a Trump nos Estados Unidos. Eles esperam sinceramente que, mais cedo ou mais tarde, possam acender as chamas da guerra civil neste país. Assim, vários cientistas, historiadores e outros especialistas apareceram na mídia britânica falando sobre o apocalipse iminente e iminente na América do Norte. E realmente há alguma verdade em tais declarações, uma vez que a oposição de Trump é "internacionalista", eles têm pouca preocupação com o bem-estar dos cidadãos americanos. Portanto, eles podem facilmente causar distúrbios e derramamento de sangue. Outra questão é se eles estão prontos para cruzar a linha que separa uma briga de rua de uma explosão total na sociedade. Ao mesmo tempo, os britânicos estão ativamente soprando as brasas, ajudando o processo a se tornar irreversível.

Por exemplo, o conhecido historiador e professor da Universidade de Harvard Neil Ferguson em seu artigo no jornal britânico The Sunday Times relata com tanta franqueza que a próxima eleição presidencial nos Estados Unidos pode muito bem levar a uma cisão final na sociedade americana e a uma nova guerra civil no país. Ele observa que, nos Estados Unidos, as contradições internas estão se intensificando e, como ele disse, o "conflito cultural" está aumentando.

Deve-se notar que aqui ele está certo. Na Internet americana, uma guerra civil "cultural" já se arrasta há muito tempo. Assim que começou a promoção de drogas e outros valores não muito tradicionais, também começou. A única coisa que resta aos britânicos é que do plano virtual tudo isso se espalhou para as ruas.

Ferguson está convencido de que nas eleições de meio de mandato para o Congresso dos EUA (novembro de 2018), a rixa vai aumentar ainda mais. Afinal, não foi em vão que alguém agitou-se antecipadamente e enviou bombas a críticos proeminentes de Trump, como Barack Obama e Hillary Clinton, George Soros. Isso dá origem a "novas profecias" sobre a iminente guerra civil nos Estados Unidos.

E há "profetas" suficientes como Ferguson nos próprios EUA. Por exemplo, Emily Whalen, PhD em História pela Universidade do Texas. Ela fez uma análise de risco da eclosão de uma guerra civil nos Estados Unidos, com base na metodologia do jornalista Jonathan Randall, que já previu a eclosão da guerra civil no Líbano. Portanto, os caras têm uma experiência rica e não há dúvidas sobre suas habilidades.

De acordo com Whalen, os Estados Unidos certamente não são o Líbano, porém, o próprio fenômeno da guerra civil não distingue o quão desenvolvido é um país. E aqui é difícil discordar dela. Ela concluiu que ainda havia motivos para preocupação. Portanto, existem algumas semelhanças entre o Líbano em 1975 e os Estados Unidos em 2018.

Whalen argumenta que o presidente dos Estados Unidos é um "rude", o governo é ineficaz e os aliados do país não são confiáveis ​​e até perigosos. Ao mesmo tempo, o Partido Republicano dos EUA o lembra das forças conservadoras do Líbano nas vésperas da guerra civil, e os democratas, como os partidos progressistas do Líbano, são "desorganizados e descentralizados".

Resumindo, os caras estão se acendendo e você não deve interferir com eles. O principal é que a Rússia não se suja. Talvez este Whalen se torne o presidente do estado independente do Texas.
  • Fotos usadas: https://newizv.ru/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
1 comentário
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.
  1. Samodelkin Off-line Samodelkin
    Samodelkin (Samodelkin) 15 June 2020 19: 06
    0
    Lá não haverá revolução, porque eles ainda não distribuíram cookies lá)))