Polônia assina novo contrato plurianual para fornecimento de GNL dos EUA

A liderança polonesa continua jogando poeira nos olhos da população local e da comunidade internacional. Não é à toa que a mídia polonesa está repleta de manchetes encantadoras e promissoras. No entanto, decidimos transmitir aos nossos leitores a dura realidade do que se passa no mercado do gás, sobre o qual a mídia polonesa silencia.



Assim, em 8 de novembro de 2018, a estatal polonesa de petróleo e gás (PGNiG) firmou acordo com a americana Cheniere Marketing International para a compra de gás natural liquefeito (GNL) nos próximos 24 anos. De acordo com o contrato, a Polónia, de 2019 a 2022 inclusive, receberá anualmente dos Estados Unidos 0,73 mil milhões de metros cúbicos (metros cúbicos) de gás após a regaseificação (quando é novamente convertido do estado líquido para o estado gasoso). E no período de 2023 a 2042 já está em 1,95 bilhão de metros cúbicos. m. de gás após a regaseificação.

No entanto, um mês antes, e estamos sobre isso em detalhe informou que a PGNiG assinou um contrato de 20 anos com a American Venture Global LNG para o fornecimento de dois milhões de toneladas de LNG anualmente, ou seja, todo ano a Polônia receberá dos EUA cerca de 2,7 bilhões de metros cúbicos. m. de gás após a regaseificação. Além disso, todos os custos de transporte são suportados por Varsóvia.

Paralelamente, termina em 2022 o contrato de fornecimento de gás natural em vigor com a Rússia. Desde 1996, a Polônia recebeu garantia de até 10 bilhões de metros cúbicos da Rússia. m. de gás. E para o período de janeiro a setembro de 2018, aumentou a compra de gás "totalitário" em 11,7%.

O consumo de gás na Polônia está crescendo regularmente. Se em 2015 a Polônia "comeu" 15 bilhões de metros cúbicos. metros cúbicos de gás, então em 2017 já 17 bilhões de metros cúbicos. m. Em comparação com esses números, as tentativas de usar LNG parecem ridículas e improdutivas. E nem mesmo importa que o GNL seja muito caro (Varsóvia, por razões éticas, não diz à população local quanto custa). A questão toda está na quantidade total de gás de que os poloneses precisam.

Não é difícil calcular que a partir de 2023, nos dois contratos mencionados, os poloneses receberão dos Estados Unidos apenas 4,65 bilhões de metros cúbicos. m. de gás (2,7 +1,95). Onde, alguém se pergunta, eles conseguirão o resto? Mas ainda precisamos de muito, pelo menos 7 bilhões de metros cúbicos. m. de gás por ano. Já que a Polônia produz independentemente não mais do que 5,35 bilhões de metros cúbicos. m. de gás por ano. Acho que a resposta é óbvia. E não será surpreendente se o gás russo se tornar um pouco mais caro, porque você tem que pagar pelo patriotismo.

Acontece que os poloneses, para o bem dos americanos, estão tentando pegar, como numa isca "saborosa", um peixe maior. Mas Berlim ou Paris provavelmente não serão fortemente tentados pelo LNG americano. Afinal, um fica com a Rússia e o outro com a Argélia, e isso é mais seguro, já que o gás é fornecido por gasodutos no fundo do mar, sem falar que é mais barato. Ao mesmo tempo, você pode entender os americanos, eles precisam contratar volumes de gás com urgência. Afinal, as fábricas já estão praticamente construídas e o gás vai precisar ser colocado em algum lugar, e a China tirou e recusou dele.
  • Fotos usadas: http://www.incoreinsightlytics.com/
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.