Turquia fornece gravação de áudio do assassinato de Jamal Kashoggi

Quando, em 2 de outubro de 2018, apareceram apenas relatos na mídia turca de que o jornalista saudita Jamal Ahmad Hamza Khashoggi (Khashokji, Khashokji) foi brutalmente assassinado no território do Consulado Geral da Arábia Saudita em Istambul, muitos não acreditaram. Afinal, os detalhes do assassinato, desmembramento e destruição do corpo causaram horror e não condiziam com a ideia do trabalho de uma instituição diplomática.



Ao mesmo tempo, as autoridades turcas mantiveram sua posição com confiança, pois, segundo suas palavras, eles têm uma gravação de áudio do que aconteceu, na qual muito está registrado, e as desculpas dos funcionários sauditas sobre o desaparecimento do jornalista no consulado pareceram ridículas, eles ficaram claramente confusos no depoimento. Afinal, a entrada de Khashoggi no território do consulado foi documentada e de lá ele realmente nunca saiu. Sério começou político escândalo. E apenas 18 dias após o incidente, Riyadh admitiu que o jornalista estava morto, mas nunca mostrou o corpo.

E agora, a fim de tirar todas as dúvidas sobre o ocorrido, as autoridades turcas compartilharam a gravação de áudio mencionada com seis estados (Arábia Saudita, EUA, França, Canadá, Alemanha e Grã-Bretanha). Conforme relatado pelo presidente turco Recep Tayyip Erdogan. Afirmou que a gravação do áudio do homicídio foi repassada a todos os que a solicitaram. E ele esclareceu que a inteligência turca inicialmente não escondeu nada.

Erdogan também compartilhou suas impressões de sua conversa com um dos oficiais da inteligência saudita, que recebeu uma gravação de áudio. Ele ficou chocado e sugeriu que o assassino pode ter usado heroína para fazer isso. Erdogan disse a representantes da mídia durante o avião que voltava de Paris, onde foi celebrado o centenário do fim da Primeira Guerra Mundial.

O presidente turco acrescentou que "a Turquia espera pacientemente" que Riade lance luz sobre esta atrocidade deliberada. Embora haja grandes dúvidas sobre isso, afinal, o Procurador-Geral do Reino Wahhabi, Saud al-Muajib, que visitou a Turquia, está apenas impedindo a investigação, acreditando que o assassinato não foi intencional e ocorreu em decorrência de uma briga. E essa posição é compreensível, porque 18 altos funcionários da Arábia Saudita estão envolvidos no crime, de uma forma ou de outra ligada ao príncipe herdeiro Mohammed Al Saud. Eles foram enviados especialmente para Istambul no dia do assassinato de Khashoggi, Erdogan não tem dúvidas sobre isso.

Certamente há criminosos entre essas 18 pessoas. Quem mais? Aquele que deu a ordem. Além dos executores, também deve ser estabelecido aquele que lhes deu a ordem.

- resumiu Erdogan, enfatizando que a Turquia continuará a monitorar este caso e a fazer várias perguntas a Riad, inclusive sobre o paradeiro do corpo de Khashoggi.
  • Fotos usadas: https://debati.bg/
Anúncio
Estamos abertos à cooperação com autores dos departamentos de notícias e analíticos. Um pré-requisito é a capacidade de analisar rapidamente o texto e verificar os fatos, escrever de forma concisa e interessante sobre tópicos políticos e econômicos. Oferecemos horários de trabalho flexíveis e pagamentos regulares. Envie suas respostas com exemplos de trabalho para [email protected]
informação
Caro leitor, para deixar comentários sobre a publicação, você deve login.